Contraponto 021 – Incognito Mode: o futuro na web

 

Como será o futuro na web?
“O que você fez ou disse fica gravado para sempre”.
Na inescapável relação que estabelecemos por meio digital, o histórico (ou produção de dados: textos, imagens, vídeos, entre outros) serve como artefato arqueológico para a geração seguinte. E nesse sentido: como estamos construindo nosso epitáfio virtual?
Inevitável pensar que no futuro, segurança e privacidade – por exemplo –  seguirão parâmetros estabelecidos por nós. Mais que isso, a relação follow, unfollow em pessoas e conteúdos estrutura a construção do pensamento moderno a respeito de questões ainda não respondidas: como será o futuro na web?

Abner Melanias convida Giancarlo Marx, Andrea Menezes e Silvana Silva (Podcast Lado a Lado) para uma conversa densa sobre como será o amanhã.
SONORAS: Leopoldo Teixeira, integrante da Associação Brasileira de Cristãos na Ciência (ABC2) e podcaster em OsCabraCast.

Dica de livro: 

Link para comprar: http://amzn.to/2paFvlr “Yonah: O Último Mal’ach” (livro do participante Giancarlo Marx)

CLUBE DO CONTRA: https://goo.gl/erwUEl

Arte por Marcelo Nakasse

Para aprofundar o tema:

Assine o feed do CONTRAPONTO: novo podcast da família Bibotalk, clique aqui!


 

Categorias: Contraponto,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

  • Pra quem quiser ficar ligado em assuntos tecnológicos, recomendo o Guia Prático, do Manual do Usuário – https://www.manualdousuario.net/podcast/
    Pra assuntos de segurança da informação e direito da tecnologia, e ir além do tampar a câmera do notebook, recomendo o podcast Segurança Legal – http://www.segurancalegal.com/

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

    • Obrigado pelo comentário e acréscimos @edu@eddiethedrummer:disqus

  • Xogaiath

    Como faço para te enviar a resenha de um quadrinho? Não está tão boa assim, mas o quadrinho é muito bom.

  • Rafael Paiva da Silva

    Penso que vocês acabaram crucificando a tecnologia, mas na verdade a meu ver toda tecnologia, todo avanço, toda criação é bem-vinda e útil, cabe ao homem utilizar essa ferramenta de modo correto, por exemplo a energia nuclear, foi uma excelente descoberta, mas aí vem o homem pecaminoso e utiliza essa tecnologia para o mal, a internet, mídias sociais (eu trabalho com isso) são ótimas ferramentas, cabe a cada pessoa fazer bom uso dela. Existem milhares de bons exemplos de como pessoas e empresas utilizam a tecnologia para o bem comum: um exemplo que vi recentemente é que criaram um jogo de realidade virtual para as crianças não ficarem com medo ao tomarem vacina; um bom exemplo de uso de mídias sociais são os pais que conseguem arrecadar dinheiro para tratarem seus filhos que possuem doenças raras. Enfim, senti falta de falarem o lado positivo da tecnologia.

    Não existe isso de “o facebook elegeu Donald Trump”, pois se não fosse o facebook seria o jornal impresso, seria através dos comícios, enfim, as pessoas sempre serão “manipuladas”, com ou sem mídias sociais.

    • @ra@rafaelpaivadasilva:disqus
      Obrigado mais uma vez pelo comentário. Penso que esse “vocês acabaram crucificando a tecnologia” é um pouco generalista, uma vez que – durante 120 minutos – destacamos nossas angústias, medos e anseios quanto ao bom uso das novas tecnologias.
      Além disso, o especialista convidado (sonoras) estabeleceu um lado técnico muito interessante e, obviamente, contrapontos.
      Não desprezo seu ponto de vista, de analisar nossa abordagem como “crucificadora”. Peço apenas que leia os links que estão descritos acima e perceba que simplesmente dizer que “não existe isso de “o facebook elegeu Donald Trump”, não funciona como argumento, uma vez que não usamos essa afirmação (caso tenha ocorrido, me lembre!).
      E, sim, a abordagem oferecida nesta edição não é sobre “o lado bom” ou avanços tecnológicos. A perspectiva, neste caso, é oferecer outras formas de perceber o fenômeno.

      Bem, mais uma vez, valeu pelo comentário. Vamos conversando.

      • Rafael Paiva da Silva

        Obrigado pela resposta!
        Eu não havia elogiado antes mas gosto muito do Contraponto 🙂