BTCast 213 – A ira de Deus

 

Muito bem (3x), o seu podcast semanal de teologia está no ar. Mac, Milho, Will e Victor estão com sangue nos olhos para falar de dois dos mais controversos temas da teologia: A Ira de Deus e os Salmos Imprecatórios.

O que é a ira de Deus? Ela é passageira ou ele está sempre irado? A ira de Deus é boa ou má? Como a ira de Deus se manifesta? O que são os salmos imprecatórios? O cristão pode orar de forma imprecatória? Deus ama pecador e odeia o pecado?

podcast cristão do Bibotalk tem a missão de ensinar teologia em áudio a fim de ver o crescimento bíblico-teológico da igreja brasileira.

Arte da capa: Guilherme Match (conheça o trabalho dele aqui!).

Links comentados:

————————

Seja um Mantenedor do Bibotalk!

nosso email: podcast@bibotalk.com

Canal de Distribuição no Telegram, clique aqui!

  • @BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza |
  • facebook.com/bibotalk | twitter.com/bibotalk | instagram.com/bibotalk
  • Assine nosso canal no Youtube, clique aqui!

  • Assine o feed http://bibotalk.com/categoria/podcast/feed/
  • Envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com, ou no botão “Gravar Efeito BTCast!” no canto inferior direito da sua tela!
  • Categorias: BTCast,Podcast

    Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,

    • Graysian Willian

      O PRINÍPE DO EGITO, não é da Disney rsrs DreamWorks Animation. só uma pequena correção.rsrs

      • João Lucas dos Santos

        Lembrando que Guilherme Briggs faz a você de Moises e de Deus.

        att,

      • THIAGO MENILLO

        Guilhotinaaaaa!!!

      • Amanda Cevidanes

        Graças a Deus tem mais pessoas que sabem disso! rsrsrs

    • João Lucas dos Santos

      Esse promete… Vamos ouvir.

      Att,

    • Petherson Costa

      Show de bola! Obrigadão por esse BtCast.

    • Amanda Cevidanes

      A minha Ira é o pessoal associar o desenho “O príncipe do Egito” a Disney, e não é, rsrs esse desenho é da DreamWorks!!!

    • Hugo Osawa

      Humildemente só vejo sentido de Deus estar sempre irado no decorrer da história humana (existência do pecado); mas Deus existe antes da criação de tempo (chronos) e espaço. Por isso mesmo não vejo sentido em falar em ira como atributo Dele (antes da criação, não havia com o que Deus se irar).

    • Anderson Lima

      Meus queridos irmãos!
      Parabéns pela escolha do tema, e a excelente abordagem, esse tema de fato é espinhoso.
      Confesso que fique inquieto pensando sobre o assunto! Acho que é ponto comum, entre os irmãos, que a revelação das escrituras foi ou é progressiva, digo é, porque embora o Cânon já tem sido fechado, nossa interpretação (hermenêutica) a cada avanço da academia vai se moldando. Logo, o ápice dessa revelação está em CRISTO, o Deus encarnado. Sendo assim, não seria razoável pensar ou pressupor que as demais “experiencias narradas no antigo testamento” sobre a pessoa de DEUS são verdadeiras, mas sempre incompletas. Que somente podemos de fato compreender o caráter de DEUS, o PAI, sempre pelas lentes de CRISTO, pois esta, de fato, revelam o caráter de DEUS. Não é como Marcião sugeria (ignorar o AT), mas como uma revelação progressiva e portanto incompleta, que faz parte da compreensão, até mesmo por parte de seus profetas, do povo sobre o seu DEUS. E somente em CRISTO temos a exata expressão do próprio DEUS encarnado. Podemos fazer essa leitura?

    • Leandro

      Tenho a visão da ira de Deus não como um atributo, mas como resposta aos atributos de Deus.
      Tipo, a santidade e a justiça de Deus em “contato” com o pecado resulta a Ira de Deus.
      O Amor é a santidade de a Deus em “contato” com o pecado resultaria na Graça e Misericórdia (uma forma de se relacionar com o homem, apesar do pecado humano).
      Igual as leis da química.
      Pode ser uma viajada legal, mas na minha cabeça faz um certo sentido. Kkkkkk

    • O Will defendeu em um primeiro momento que a ira de Deus não tem fim, ao que o Victor rebateu dizendo que ela é circunstancial.
      Mas por “circunstancial” será que não estamos enquadrando-a em categorias humanas de tempo, que dizer, a ira divina só é circunstancial para nós?
      Ou seja, partindo do princípio que o tempo é criação de Deus e para Ele, como Lewis disse, é sempre presente, então talvez a ira divina não tenha necessariamente um começo e, consequentemente, um fim.
      O que me dizem?

    • Cacau Marques

      Excelente podcast! Victor tem a cara do btcast: teologia + sensibilidade. Aquisição perfeita!

      Como não participei dessa gravação, vou deixar umas coisas q eu falaria se estivesse no programa… Kkkkkkk

      A ira de Deus é uma face de sua santidade. Isso ficou implícito no programa (já q se falou da ira contra o pecado), mas nunca é demais explicitar. Isso pode trazer duas conclusões q contribuem para as discussões: 1. Deus é eternamente santo, não eternamente irado. Sua ira, como manifestação de santidade contra a impiedade, está condicionada à existência do pecado. Sua santidade, contudo, não é condicionada. Ela é eterna. 2. Como Paulo disse, não estamos destinados à ira. E não estamos pq somos santos em Cristo. Se somos santos, a disciplina divina do nosso pecado não deve ser confundida com manifestação de ira, mas de graça corretiva, de amor zeloso, ou de tough love se preferirem… Kkkkkkkk.

      Corroborando com o excelente posicionamento da bancada, também ouso divergir de D.A. Carson, lembrando q a mesma palavra dita por Paulo em “aborreceu a Esaú” aparece na boca de Jesus quando diz q “aquele que não aborrecer pai e mãe por amor a mim, não é digno de mim”. O verbo é o mesmo no original e, obviamente, não é um mandamento para odiar os pais.

      Por último, outro livro inteiro imprecatório na Bíblia é o livro do profeta Obadias. Pensa num sujeito nervoso! Kkkkkkkk

      Um beijo procês.

    • Sidinei Mateus Schmidt

      Excelente podcast! Pra entrar na lista dos melhores. Parabéns! E por mais referências a heavy metal.

    • Welber Martins

      Ótimo podcast, depois escutar me senti justificado. Concordo com Mac que no e-mail no fim do programa que a crítica ao Bibo não procede, ele só é meio repetitivo com essa crítica no telegram.