BTCast 165 – O Credo Niceno-Constantinopolitano

 

Muito bem (3x), o seu podcast semanal de teologia está no ar. Neste episódio Bibo e Milho recebem o professor Thiago Titillo para juntos invadirem o concílio Niceno-Constantinopolitano. O que levou a igreja a fazer um novo concílio? Por que a Pessoa do Espírito Santo ocupa lugar nessa discussão? O que é a cláusula filioque? Qual a importância de estudarmos a história da igreja?

O Credo Niceno-Constantinopolitano foi elaborado em 381 d.C. no Concílio ecumênico de Constantinopla. Ele tem esse nome, pois os teólogos presentes nessa reunião decidiram preservar o que já tinha sido firmado no Concílio de Niceia em 325 d.C (ouça aqui o podcast sobre o Concílio de Niceia. A diferença é que o credo niceno para na frase “e no Espírito Santo”, seguido por uma seção condenatória das ideias de Ário, um herege que negava a eternidade de Cristo entre outras coisas. Como depois de 325 a pessoa do Espírito Santo também ocupou lugar nas controvérsias teológicas, o Concílio de Constantinopla precisou ampliar as sentenças sobre a terceira pessoa da Trindade.

Apresentamos a vocês o Credo Niceno-Constantinopolitano:

“Cremos em um Deus, Pai todo poderoso, criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis; e em um Senhor Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, gerado pelo Pai antes de todos os séculos, Luz de Luz, verdadeiro Deus de verdadeiro Deus, gerado não feito, de uma só substância com o Pai, pelo qual todas as coisas foram feitas; o qual, por nós seres humanos e por nossa salvação, desceu dos céus, foi feito carne do Espírito Santo e da virgem Maria, e tornou-se humano, e foi crucificado por nós sob o poder de Pôncio Pilatos, e padeceu e foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia conforme as Escrituras, e subiu aos céus e assentou-se à direita do Pai, e de novo há de vir com glória para julgar os vivos e os mortos, e seu reino não terá fim; e no Espírito Santo, Senhor e Vivificador, que procede do Pai, que com o Pai e o Filho conjuntamente é adorado e glorificado, que falou através dos profetas; e na Igreja una, santa, católica e apostólica; confessamos um só batismo para remissão dos pecados. Esperamos a ressurreição dos mortos e a vida do século vindouro.”

O Bibotalk tem a missão de ensinar teologia em áudio para ver o crescimento bíblico-teológico da igreja brasileira. E através da série Concílios promover o estudo da história da doutrina cristã.

Arte da capa: Guilherme Match (conheça o trabalho dele aqui!).

LINKS COMENTADOS

  • @BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza | @meunomeehefziba
  • facebook.com/bibotalk | twitter.com/bibotalk | instagram.com/bibotalk
  • Assine nosso canal no Youtube, clique aqui!

  • Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast
  • Envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com, ou no botão “Gravar Efeito BTCast!” no canto inferior direito da sua tela!
  • Categorias: BTCast,Concílios,Podcast

    Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,,,

    • Raphael Wilker

      Bora ouvir, mas fica a dúvida, que capa é essa do Zapdos na versão que eu peguei do feed 😛

    • euprotestante.wordpress.com

      Top!

    • Jesus fisicamente foi formado por 23 cromossomos do óvulo de Maria ou veio óvulo fecundado pela Espírito? Ser nascido homem sem pecado entra como exatamente nesse cenário? Um feto humano seria ou não já considerado nascido em pecado ou não em que etapa?

      • Ele foi plenamente humano, como nós, em quase tudo, pois nasceu sem pecado. Sua concepção miraculosa é um mistério, na verdade. Ele nasceu sem pecado porque é Deus encarnado, ainda que recebeu a humanidade de Maria, o fato de ser divino impede o pecado de fazer parte de sua natureza.

        • O fator divino impede o pecado. Deus não peca.
          O fator humano tornava Jesus passível do pecado? Se sim de fato ele é a impossibilidade do universo encarnada, pois ao mesmo tempo que poderia pecar como humano (ou ser tentado no mínimo, diferente de Deus a quem não se tenta), como Deus não poderia pecar.
          Sua divindade então é o que de fato garante nossa salvação, já que é dela que vem a certeza e possibilidade de um ser humano neste planeta ter sido, em ao menos um momento de toda a história, alguém que não peca. Um novo Adão de fato.

    • jethro

      oi. tenho sido muito abençoado pelo ministério de vocês desde o final do ano passado, quando conheci o podcast por indicação da galera da crentassos, que faz o ‘podcrent’.
      embora ainda não tenha condições de ser um mantenedor, gostaria de fazer um pedido [caso eu possa, obviamente!]. será que vocês, por favor, poderiam disponibilizar o arquivo zipado para download em todos os podcasts? é que só tenho acesso ao conteúdo (tanto para baixar, quanto para ouvir) do computador de onde trabalho, mas há um bloqueio de rede para ouvir ou baixar diretamente do player.
      espero que não seja algo incômodo.
      de qualquer forma, muito obrigado por tudo que tenho aprendido! Deus esteja!

      • Olá brother. De alguns tem zip, de outros não. E estamos com pouco espaço no servidor, por isso cortamos o zip. J[a tenou um app para seu celular ou tablet?

        • jethro

          ah, que pena… tudo bem, então.
          ainda não ouvi por meio de app. podes me indicar algum bacana para baixar?
          obrigado por responder.

    • Lourival Gonçalves

      Quando for em uma sorveteria vou pedir esse sabor:Niceno-Constantinopolitano.kkkkkk..Ouvindo agora.

    • Welber Martins

      Gosto muito do Tiago, ele deixou de ser Calvinista, mas ñ tenta desmerecer a teologia alheia com argumentos vazios, ele foi estudou, tenta apresentar uma outra opção.

    • Matheus Ramos de Avila

      Desceu até uma lágrima de emoção no final desse episódio.

    • Matheus Ramos de Avila

      Mal posso esperar pelo Concílio de Calcedônia e as suas tretas subsequentes.
      Ah, e uma pergunta: na série Concílios serão abordados apenas os concílios ecumênicos ou teremos os 21 concílios da igreja católica?