ÁudioPost 006 – Como ler o Antigo Testamento

 

Moçada, esse áudio post nasceu sem pretensão alguma e não é que rendeu um bate papo sensacional, como diz o convidado. Bibo e Alexandre Milhoranza conversam sobre a hermenêutica do Antigos Testamento.

Como usar o AT? Qual a sua importância? Podemos viver sem o AT? Como fazer doutrina a partir do AT? Isso e muito mais nesse áudio post que quase virou um #BTCast hehe

Conheça o Blog do Alexandre Milhoranza

Para ouvir mais áudio posts, clique aqui!

Siga-nos no twitter @bibotalk  @Mac_Mau   @stahlhoefer

Curta nossa FanPage www.facebook.com/bibotalk

Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast

Versão zipada, clique aqui!

Ouça no PLAYER abaixo ou clique em DOWNLOAD para baixar (clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como, ou Salvar Link) Arquivo MP3!

Categorias: BTCurtas,Podcast

Tags: ,,,,,,,,

  • Lourival Neves Gonçalves

    A GAlera não perde tempo.kkk.Baixando!

  • Junior Peres

    O Alexandre é muito bom, queria ver uma conversa dele com o Alex. Seria de explodir o cérebro.

    • Bibotalk

      Deixa ele ir pra Europa, vão gravar altos áudio posts juntos!

      • Rômulo Trindade Becker

        Poxa acho que foste menosprezado Bibo rsrsrsrs, és tão bom teologo quanto os demais que participam…

  • Cinthia Barbosa

    Muito bom e edificante, podia ter um BTCast com a Alexandre, seria muito legal!

  • Bryan

    “No Antigo Testamento o Novo é latente; no Novo, o Antigo é patente” (Santo Agostinho)

    Nas escrituras existem clamores, profecias e sabedorias q foram respondidas pelo evangelho, e no evangelho tudo foi formulado conforme dito nas escrituras. Pelo fato de Cristo ser a revelação divina plena e central de toda a história humana q na maioria das vezes temos estes embaraços. Claramente nos textos joaninos quando se leva em consideração textos dos profetas torna-se mais profundo o conhecimento da vida eterna, assim como a lei é entendida claramente quando vemos que Cristo cumprisse toda justiça para nossa vida eterna.

    O engraçado que a terminologia Tota Scriptura é utilizada na reforma, entretanto o seu conceito está arraigado desde a Patrística e até mesmo na Bíblia(2 Tm 3:16-17) pq não?

    • Rômulo Trindade Becker

      Olá Bryan, em primeiro lugar gostaria de contextualizar a citação bíblica que você fez em II Tm 3.16,17 Paulo está falando da forma de viver de alguém que já aceitou o Evangelho, já reconheceu que Cristo é Único nome pelo qual podemos ser salvos (At 4.12): “para que o servo de Deus esteja completamente preparado e pronto para fazer todo tipo de boas ações” (II Tm 3.17). Ou seja, Paulo afirma que o texto bíblico servirá sim, como orientação na jornada cristã e não que qualquer texto bíblico poderá conduzir a Jesus ou a vida eterna, que é justamente o que Cristo está falando em Jo 5.39.
      Dito isto, temos que perceber que nem toda pregação da Bíblia gerará “novo nascimento”, que é o que produz vida eterna (Jo 3.5). O que gera a vida eterna é a pregação do Evangelho (Mc 16.15; Mt 28.20), não adianta nada pregar sobre as 13 voltas em torno de Jericó e no final perguntar quantos querem aceitar Jesus, para aceitar Jesus a pessoa precisa ouvir uma pregação que trate a repeito da queda, da depravação total, da porta de escape concedida por Deus, a saber, Jesus. Pela ordenança de Cristo a própria pregação da Igreja deve ser o Evangelho e nada mais “e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês” (Mt 28.20). É claro que todos sabemos, mas, apenas para relembrar, “Evangelho” é a história da vida de uma pessoa, isto é, Jesus.
      Se a Lei pode por si só produzir vida eterna, esqueceram de avisar isso a Paulo: “Mas, agora, se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos Profetas” (Rm 3.21). Vejamos o contexto desse trecho, um versículo antes Paulo demonstra qual é a verdadeira utilidade da Lei (que nunca salvou nem salvará, isto é, possui vida eterna a parte de Jesus), “porque pela lei vem o conhecimento do pecado” (Rm 3.20) a Lei meramente mostra que somos pecadores, nunca desejou salvar ninguém. No versículo 31 inclusive, quando Paulo está falando que nós estabelecemos a Lei, de acordo com esse contexto específico, o que ele está afirmando, em outras palavras é isso “usamos ainda a Lei, todavia no seu real objetivo que é demonstrar que todos pecaram”. Ainda no texto de 3.21, percebemos mais uma vez a mesma ideia saída agora da pena de Paulo “tendo o testemunho da Lei e dos Profetas”, ou seja, a Lei e os Profetas apenas encontram seu fim em Cristo, nunca pretenderam ser fim em si mesmos. Deus abençoe abraços eternos em Cristo (risos).

      • Rômulo Trindade Becker

        Gostaria apenas de editar meu texto no primeiro parágrafo, quando cito que nem todo texto poderá conduzir a Jesus e a vida eterna. No texto atual consta “não poderá conduzir a Jesus” o que na verdade deve ser o intento de todo o texto do AT, conduzir a Cristo ser “aio” até Jesus. Por isso, onde se lê, “e não que qualquer texto poderá conduzir a Jesus e a vida eterna”, leia-se apenas “e não que qualquer texto que não culmine com a pregação da pessoa de jesus poderá conduzir a vida eterna”, obrigado.

  • e o não é que o Milhoranza não venho responder as perguntas hehe

  • Rubner

    A editora Fiel vai lançar agora em agosto de 2013 um livro do Graeme Goldsworthy sobre este assunto. o Título é “Pregando a Bíblia toda como Escritura Cristã”.

  • Excelente…

  • Eliezer Rogerio

    Muito bom e esclarecedor, mas ficou com gostinho de quero mais! Então, nesses dias de conflitos politicos e sociais eu vejo muitas citações dos textos do A.T.como por ex: Feliz a nação cujo Deus é o Senhor.Quando o justo governa o povo se alegra. Então esses textos não se aplicam não é mesmo? E outra coisa, outro dia conversava a respeiro da dança no culto. Mas os textos usados são sempre do A.T. e se analisados conforme foi apresentando no post, me parecem fatos isolados. Os prferidos são Miriã e Davi. Mas eles não instituiram a dança no culto. E outro argumento são os salmos e cultura judaica com suas festas que provavelmente tinham muitas danças. Qual a aplicabilidade? Me chamou atenção também a colocação do Milho sobre o fato histórico do cativeiro, quanto a aplicação sobre a surpresa de perceber que Deus foi com eles. Mas e o povo que ficou como teriam se sentido?e como o povo se alegrou na reconstrução do templo, o choro dos mais velhos que viram a glória do 1°templo, seria realmente a glória de Deus? ou o monumento? Deus abençõe!

  • Wélica

    Sensacional! 🙂