Videopost 003 – Dança no culto cristão

Muito bem, moçada, mais um #videopost no ar. Nesse episódio mamilonico Alex demonstra biblicamente as possibilidades de integrar dança no culto cristão e que critérios podem ser utilizados (ou não) para a apropriação desta forma de arte no culto.

Assista ao vídeo. Ah, se sua internet não for muito boa, sugiro que assista ao vídeo no Youtube, pode “rodar melhor”

PESQUISA BT postagem 
Responda à PESQUISA BIBOTALK, e concorra a brindes especiais. CLIQUE AQUI

ASSINE NOSSO CANAL, clique aqui!

Twitter Oficial @bibotalk  

Curta nossa FanPage www.facebook.com/bibotalk

Twitter dos integrantes @BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza

Categorias: BTPapo,Vídeos

Tags: ,,,,,,,,,

  • Robert Guedes

    Assunto interessante e bem contemporâneo, acredito que a moderação e bom em tudo e cabe também a esse assunto. Abraços

  • Eduardo Cavalcanti

    Muito bom Alex =)

  • Yuri Vam

    Ótimo vídeo! Possuía algumas dúvidas em relação a este tema, mas o vídeo foi bem esclarecedor e me ajudou a iluminar alguns conceitos que eu tinha. Até então só havia visto posicionamentos desfavoráveis e condenatórios a esta prática, é bom conhecer o “outro lado da moeda”.

  • Lucas Santana

    Graça e paz irmão. Glória a Deus por sua vida Alex, uma explanação maravilhosa sobre o tema, alegro-me no Senhor pelos frutos deles perceptíveis em ti nesse vídeo.
    Conforme explanado por você não se sustenta o argumento de que a dança não glorifica Deus, pelos vários versículos citados vemos que o povo glorificava a Deus utilizando-se dela. Mas por todos esses versículos citados vejo que as manifestações de dança foram fora do ambiente de culto e que eram, como dito por você, manifestações de alegria, das pessoas, louvando a Deus pelos atos feito por Ele. Também que o culto era regrado porque pertencia a (não que as outras coisas não pertençam) Deus e o homem não sabe como adorar, por isso, creio eu, Deus ditou regras de culto a Ele. Partindo disso, toda vez que me deparo com essa situação me vem algo em mente, devemos cultuar a Deus no Templo e fora dele (vejo todos dizerem isso, acho que até os contra e favoráveis a dança rsrrsrsrs). Assim existem atos que pertencem somente ao culto congregacional e outros ao individual de modo que alguns são exclusivos, não se aplica ao outro. Não seria a dança e demais atos como aqueles da adoração extravagante (que às vezes se confunde com dança) pertencente ao culto individual a Deus e que as adorações individuais deveriam ceder lugar para a adoração congregacional no culto a Deus, de modo que seja mantida a ordem como dito por Paulo? E também porque o culto é uma representação conjunta de adoração a Deus, a qual não sabemos fazer e por isso é regrada por Ele para que nos aproximemos do que O agrada? Não sou contra dança nem defensor ferrenho de nada, são só dúvidas e quero me guiar nas coisas que faço pela palavra, o que demanda tempo, dedicação e negação de algumas coisas que pensamos como corretas e gostaria de saber sua opinião nesse aspecto e se procedem. E em alguns momentos eu não sei se o que as pessoas fazem são dança, o que muitos podem pensar como sendo. Não sou formado em teologia e nem li livros a respeito do tema, por isso perdoe a minha pouca bagagem para tecer palavras sobre a respeito. Espero não ter feito uma teologia errada. Kkkkkkkk. Glória a Deus pela vida de vocês abraços.

    • Alex @stahlhoefer

      Lucas,

      Muito obrigado pelos comentários.
      A pergunta sobre o que cabe no culto individual e no culto congregacional é muito pertinente. Se pegarmos o exemplo de Corinto e o problema das línguas estranhas no culto, vamos perceber que Paulo coloca a experiência do culto comunitário na frente da experiência pessoal do crente, logo, no culto comunitário todos precisam ser edificados. Por esta razão Paulo limita o uso da profecia e das línguas estranhas para algumas poucas manifestações e com determinada ordem, para que o todo não sofra. Porém não impede que tais manifestações tenham lugar na esfera privada. O mesmo poderia valer pra dança espontânea, ou outras manifestações espontâneas. Agora, o que defendo é uma dança com características específicas, algo que vai além de um simples pular e levantar a mão, inclui aqui a arte da dança, como na arte do teatro, tem o objetivo de louvar e também comunicar. Então ela não é focada para os que dançam, mas pensada para o todo da comunidade. Esse tipo de dança, no meu ver, teria espaço no culto. Agora rastejar e urrar, e dar cambalhota de alegria, acho que pode acontecer lá na sua casa, enquanto vc canta e louva, mas na Igreja não dá pra ter essa “liberdade”.

  • Juliano Sales

    Leiam, apesar da explanação, não acredito essa bobagem de dança na igreja.
    Segue – http://tempora-mores.blogspot.com.br/2009/07/davi-dancou-eu-tambem-quero-dancar.html

    • Alex @stahlhoefer

      Juliano,

      Obrigado pelo texto do Nicodemus. Concordo com o argumento dele de que não podemos usar uma situação particular do AT para justificar práticas no culto cristão. Assim se justificaram “marchas” pra Jesus, unções sem fim, e outros abusos de textos bíblicos.
      A minha leitura do AT foi mais no sentido de quebrar com a ideia de que a dança tinha algo de pecaminoso, e a relação entre a dança e o círculo profético mostra que a dança fazia sim parte da espiritualidade de alguns grupos dentro do judaísmo (Davi estaria ali incluído talvez) e a Bíblia não censura a dança dentro deste contexto de espiritualidade, digamos assim, de culto privado (ou não, afinal havia comunidade de profetas que usavam dança!).
      Mas vamos considerar que todos estes argumentos são apenas suposições e por isso não validos. Então mesmo assim discordo do Nicodemus em apenas uma questão de tradição liturgica. Para os reformados tudo o que não está explicitamente declarado nas Escrituras com relação às praticas da Igreja deve ser abandonado. Na tradição luterana tudo o que é explicitamente contrario à Escritura deve ser deixado de lado, onde há silencio das Escrituras vale o bom senso e as tradições podem ser mantidas. Neste sentido, a partir de uma hermenêutica luterana, é possível que no culto cristão outros elementos além daqueles descritos (apenas descritos, o NT não conhece uma ordem fechada de culto que valha para todo o sempre) sejam adicionados com o objetivo único de edificar a comunidade, servir como ferramenta auxiliar de ensino, demonstrar sentimentos de adoração por meio de outras expressões artísticas.

      A próxima vez que o irmão quiser comentar aqui, seja bem-vindo, mas antes lave a boca, ou melhor, o teclado antes de escrever aqui. Eu usei de bom senso no vídeo, o Nicodemus também, então não posso admitir que alguém venha aqui dizer que uma posição ou argumento seja uma “bobagem” e me ordenar ler um texto de quem quer que seja. Mas como estou disposto a ouvir e aprender, li o texto e comentei acima, e deixei pro final a chamada de atenção pela falta de educação no comentário.
      Abraço

  • Tomás Silveira

    ótimo video… a paz..
    não sou contra a dança e penso que pode ser utilizada como adoração. Só não vejo na Bíblia a dança sendo usada nos templos de Jerusalem nos cultos estabelecidos por Deus. Os elementos que compõe o culto que vejo na Bíblia são a oração, o cantar louvores, ação de graças, leitura e pregação da palavra, as contribuiçoes voluntarias, o batismo e a ceia. Não vejo nesses textos citados que falam da dança inserindo um elemento no culto público.

    • Alex @stahlhoefer

      Obrigado pelo comentário Tomas,

      Dá uma lida na resposta que dei ao Juliano acima, especialmente no terceiro parágrafo sobre a inclusão de outros elementos no culto.
      abraços

  • Lucas Santana

    Alex desde já agradeço pela atenção.
    A pergunta renderia até um novo videopost ou até um BTcast, o que não deve ser levado como pedido ou sugestão (rsrsrsrs) sigam o que Deus têm lhes direcionado. Compreendi sua assertiva acerca da dança e até tomando o que você fala no vídeo de que mesmo que à vemos em ambiente fora do culto nos versículos citados, ela se manifestava em festas judaicas (excluindo ai o culto individual, manifestando-se em público, mas não sendo possível considerar as festas como culto congregacional). Essas festas não fazem mais parte da nossa cultura, sem querer abrir discussão, o povo não se organiza em ambiente fora de culto para tais festas, mas hodiernamente apenas em eventos com outros fins como capitalistas e demonstrações de representação como grupo social poderoso e chamativo, podendo haver exceções.

    Mas essa questão da dança ela nos levaria justamente a discussão quanto aos elementos do culto. Por exemplo, a estrutura atual dos cultos, possivelmente é organizada com base bíblica (certamente); até porque reflete um dos momentos mais consideráveis para com Deus, de forma que merece uma atenção imensa, até porque não sabemos adorar e cultuá-lo como convém de modo que Ele nos ensina tais situações por meio de suas ordenanças. Eu sei que se poderia argumentar que não há como afirma que Deus proíbe a dança no culto, mas se Ele determinou alguns elementos, possivelmente os demais não poderiam ser incluídos. Até porque atualmente o culto hoje tem sofrido várias inclusões que não fazem sentido (o que não é caso da dança, mas com a questão a meu ver remota aos elementos do culto trago a análise) que assusta crente e não crentes, já ouvi de pessoas afirmarem que se sentiam em um Show da Madona (vide History Channel – Infiltrados – Mundo evangélico). Espero não ter tecidos comentários fora do que você buscava com o vídeo. Jesus abençoe sua vida, grande abraço.

    • Alex @stahlhoefer

      Lucas,

      o tema está há muito tempo na nossa pauta, espero ter tempo pra estudá-lo com dedicação e trazer algo consistente tanta do ponto de vista bíblico, teológico e histórico.
      Obrigado pelo comentário.
      Abraços

  • Deborah

    Eita, acabou de comprar uma briga. rsrs…
    Bem, quando eu vejo os críticos da dança no culto falando sobre sua posição contrária, todos se referem a questão da ordem de culto. Eu, particularmente, não entendo que haja modelo de culto no Novo Testamento. Posso estar enganada, mas não me recordo de ter lido nenhum mandamento dado a igreja em relação a isso. Há sim, umas direções dadas mas regras estabelecidas, realmente, não me lembro.

    Eu sou uma defensora da dança na igreja e dos grupos de coreografia, contanto que os movimentos sejam baseados na música, e não não sejam aquelas bobagens de dança de guerra e dança profética. 😉

    Há 3 anos venho organizando os musicais de Natal na igreja, e em todos tem dança. Acredito na didática destas poderosas ferramentas que são a dança e o teatro, e quando realizados conseguimos a atenção até de crianças de 1 ano. Elas ficam quietinhas assistindo e aprendendo, acredite. Por isso acho válido. É claro que é necessário se observar todas as coisas que você citou no vídeo. E nunca, nunca achar que estas ferramentas substituem a Palavra. Elas são auxiliadoras.

    No mais, espero que isso tudo gere uma discussão sadia.

    Valeu, grande abraço.

    P.S. Não faço parte do grupo de coreografia na igreja. 😉

    • Alex @stahlhoefer

      Deborah,

      Lindo testemunho! Obrigado pela participação.
      Abraço!

  • Pedro Melo

    Muito bom Alex! Curto muito a forma como vocês apresentam profundamente cada assunto antes de chegar em uma conclusão. Nice!

  • César Aguiar

    Prezado Alexander Graça e paz! Louvo a Deus por sua vida, excelente explanação e explicação, minha esposa quem o diga! Apesar de minha posição ser um pouco diferente da do irmão, gostei muito! Principalemnte em demonstrar que a dança pode ser algo usado para a glória de Deus, como era usada no antigo testamento. Tens sido uma benção no corpo de Cristo irmão e não você, mas também aos demais componentens do Btcast! Que Deus os ilumine e os abençoe nesse ministéri digital de proclamar a palavra de Deus com humor e graça!

    Pb. César Aguiar

  • Silvio da Silva

    Sou de uma igreja histórica onde a dança não é, vamos dizer assim, vista com bons olhos. Mas pessoalmente creio que toda expressão corporal pode e deve glorificar a Deus sendo Ele próprio o criador do nosso corpo e das nossas expressões. O homem em toda sua integralidade deve se render ao Criador e se isso implica, também, em dançar, não vejo implicações hamartiológicas.