Tomada de Decisões – Em busca da vontade revelada

Um ano novo começando e com ele aquelas perguntas que, pelo menos para mim, rondam sempre minha cabeça por mais que a virada de ano seja apenas um marco de tempo. O que esse ano vai trazer? O que é prioritário, entre tantas coisas que tenho a fazer? Será que tal coisa vai ser da vontade de Deus? Em tempos onde se tem tantas opções a escolher,  olhamos para trás e vemos que realmente vivemos um momento em que temos uma infinidade de opções.  Converse um pouco com seus pais ou avós, veja como eles não tinham nem de perto a quantidade de opções que você tem hoje em diversas áreas. Emprego? Quem nascia na roça, trabalharia na roça. Casamento? Seu futuro cônjuge seria do convívio da própria família, no máximo de um cidade vizinha. Estudo? Era aquilo que a escola mais próxima oferecia. Carro? Tinha uns 3 ou 4 modelos. Casa? Você construiria num terreno da família. Roupas? Era uma meia dúzia de opções, isso se elas já não viessem dos irmãos mais velhos. Veja como em tempos passados as escolhas eram limitadas, o que querendo ou não, facilitava em muito a tomada de decisão. O assunto central é justamente esse, escolhas ou tomadas de decisão.  Como hoje temos essa quantidade enorme de opções, o que deveríamos fazer? Como deveríamos orar? Devemos orar pedindo mais sabedoria, ou seria melhor orar para saber a vontade não revelada de Deus?

“Como pode o jovem manter pura a sua conduta? Vivendo de acordo com a tua palavra.
Eu te busco de todo o coração; não permitas que eu me desvie dos teus mandamentos.
Guardei no coração a tua palavra para não pecar contra ti.” (Salmo 119:9-11)

O texto acima enfatiza o período da juventude, mas creio que tem um motivo, por certo que a juventude é o período onde tomamos as decisões mais impactantes para o decorrer da vida, que faculdade fazer, em que trabalhar, com quem se relacionar, com quem casar, ou até em decidir se manter solteiro. Infelizmente há e houve um engano quanto a vontade de Deus, há uma sede em saber a vontade “encoberta” de Deus, que possivelmente nunca será descoberta, se for, amém, mas o próprio Deus diz em sua Palavra, que há coisas que necessariamente estão e ficarão encobertas, ou seja, você pode passar a vida toda orando por uma revelação de Deus, que talvez Deus não queria revelar.

“As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre.” (Deuteronômio 29:29)

Deus, acima de tudo, já se revelou e foi de maneira extremamente profunda, a palavra de Deus é muito vasta, com ensinamentos para toda uma vida. Por que tanta gente busca a vontade encoberta de Deus e não busca por sabedoria do alto? Deus em sua soberania não vai te pegar pela mão todos os dias e dizer, veste esse casaco vermelho, vira a esquerda, toma Toddy ao invés de Nescau. Ele pode fazer isso, claro que pode, ele faz isso, eventualmente sim, mas são exceções, essa com certeza não é a regra. Porque o salmista diz: “Não me permitas que me desvie dos teus mandamentos”? Me parece óbvio que ele sabia que os mandamentos seriam importantes para ele, não só para não pecar, mas que se pecasse soubesse para onde voltar. É muito mais pensar do que sentir, paute suas escolhas na Bíblia, realmente invista tempo em estudar ela, isso irá te poupar de muita dor e feridas. Em escolhas onde os dois caminhos são corretos e direitos perante a Palavra, escolha um e vá. Todo caminho tem suas vitórias e derrotas e Deus estará com você independente para onde você for. Se entendêssemos realmente a magnitude do Deus que servimos, e a preciosidade que a Palavra tem, dormiríamos de joelhos com a cabeça escorada na Bíblia, não por ritual, não por religiosidade, mas por amor e apreço a um Deus soberano, que nos deixou seus desígnios escritos, que devem passar de telas digitais ou folhas de papel, para corações e vidas.

“Como é feliz o homem que acha a sabedoria, o homem que obtém entendimento,
pois a sabedoria é mais proveitosa do que a prata e rende mais do que o ouro.
É mais preciosa do que rubis; nada do que você possa desejar se compara a ela.” (Provérbios 3:13-15)

“Entretanto, não se pode discernir a mente de Deus sem um desenvolvimento do caráter… Em vez de pedir que nos ‘revele sua vontade’, pedimos que desenvolva Seu caráter sábio em nossa vida.” (Waltke e MacGregor, Conhecendo a Vontade de Deus.)

Que sobretudo tenhamos sabedoria na tomada de decisão, não uma sabedoria terrena, mas uma sabedoria do Alto, pautada na Escrituras Sagradas e se assim Deus quiser, ele poderá eventualmente lhe dar um sinal ou um encaminhamento, porém ocupe parte de suas orações em clamor por sabedoria, Deus quer lhe fazer mais sábio, não apenas para seu próprio benefício, mas também para ajuda ao próximo e principalmente para Sua glória. Que possamos fazer parte da vontade decretiva de Deus e cumprir a vontade preceptiva determinada por Ele através de sua Palavra.

“Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente, de boa vontade; e lhe será concedida.” (Tiago 1:5)

Por fim, deixo uma recomendação de livro a esse respeito: Tomando Decisões Segundo a Vontade de Deus, Editora Fiel, do Heber Campos Jr., inclusive nosso parceiro Geolê fez uma resenha em vídeo sobre esse livro, clique aqui para assistir.

Categorias: Reflexões,Textos

Tags: ,,,,,