Lado a Lado #01 – Desigrejados

 

A ideia paradoxal de ser igreja sem pertencer ao corpo. Assim como uma noiva fragmentada causa espanto, confusão e até repulsa, pensar num grupo de pessoas vivendo o cristianismo sem uma ligação a seus pares se faz incômodo e insustentável.

Mas eles estão entre nós. IBGE, blogs, vlogs e outras mídias alardeiam e discutem o alto número de Cristãos Evangélicos Desigrejados no Brasil. Analisando esse dado, destrinchando suas nuances e discutindo o tema à luz da Ortodoxia, Andrea Menezes, Tatinha Vidal, Silvana Silva e Gabriellen Carmo conversam com ele, o Chefe da Corporação, Rodrigo Bibo de Aquino. Mais do que um diagnóstico, buscamos uma resposta à altura do problema, visando manter a Saúde da Igreja e restaurar a comunhão de seus membros.

Vitrine: Giancarlo Marx
Participação especial: Henrique Rebello
Edição: Rogério Moreira Jr

Participe de nosso grupo no Telegram.

Categorias: Fora do Éden,Lado a Lado,Podcast

Tags: ,,,,,,

  • Lourival Gonçalves

    Bem vindas meninas a Podosfera Cristã.Baixando.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Obrigada Lourival. Ter você, um assíduo frequentador de comentários podcastais é uma honra!

      • Lourival Gonçalves

        Grato,desejo tudo de bom nessa nova etapa.

  • Carlos Ismael Hoch

    Baita programa. Gostei do formato do podcast, ficou dinamico.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Obrigada Carlos. Feliz com teu comentário.

  • Erik Braganca

    Eu sou um desigreijado, acho meio injusto vocês falarem de “mim” sem saber meu ponto de vista ou defesa kkkkk. O proprio sistema institucional cria “regras” para não perderem membros. Precisamos de quantas pessoas para ser uma igreja? Algum de vocês já tentaram corrigir algum erro teológico de algum pastor? Ele (o pastor) nunca aceita que sua doutrina (denominação) pode errar. E com esse pensamento nunca melhora seus erros pois não o admite. Agora o que te faz parte da igreja? apenas uma frequência em meio de um grupo? ou estar firmado nos ensinamentos de Deus. Bom se cuidem todos.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Erik, estou muito feliz por ter o teu comentário aqui. Ele nos permite explicar um pouco mais sobre nossa proposta de programa. O texto é longo, proporcional a como atentamos ao teu comentário.
      O Lado a Lado não é um podcast de achismos. Nós passamos semanas analisando o tema debatido à luz de pesquisadores, cristãos e não cristãos. Nossa proposta é verificar as evidências disponíveis sobre um tema, e iluminá-la com a Ortodoxia. Então, a nossa opinião pessoal sobre os Desigrejados não foi cristalizada inicialmente, mas dinâmica e formulada com pesquisa ampla. Temos desigrejados pregressos em nosso grupo de estudo. Conversamos com pessoas que passam ou passaram por tua situação, então, não falamos com “você” porque não te conhecíamos, mas claro, é interessante saber o que você pensa sobre o tema.
      De toda forma, a conclusão de que não há igreja na solidão não é só uma opinião. Cristo deu ordens aos seus discípulos no coletivo. É inviável um cristão viver no isolamento. Naturalmente ele pelo menos terá que encontrar seu discípulo e o seu discipulador. A transferência de conhecimento é feita pelo Espírito Santo, pela qual crescemos em Graça, por Sua Infinita Misericórdia, mas é na comunidade que exercemos o cristianismo.
      Respondendo às suas perguntas:
      1) Vemos na Bíblia referências às igrejas “nas casas no Fulano ou do Beltrano”. Logo, não há limite numérico. Glórias a Deus por isso. Conversamos com pessoas que se reúnem em casas com 10 pessoas e se sentem desigrejadas por isso. Comungam, partem o pão, batizam, ceiam. São igreja. São comprometidos com o próximo. Seguem os mandamentos bíblicos. Não há limite numérico. “Então posso ser igreja só eu e minha esposa e meus filhos?” Sim. Você pode! Mas como um dos mandamentos da Igreja é o fazer discípulos, logo não serão só vocês. Vai ter a vizinha, o primo, e o chefe do trabalho. A Igreja de Atos cresceu porque Deus lhes acrescentava dia-a-dia mais pessoas, logo uma das marcas da Igreja Sustentável (até mesmo igreja de 2) é o seu crescimento sob a base do Espírito Santo, ou seja, natural, fundamentada na conversão genuína e sedimentada pelas ordenanças bíblicas (ou sacramentos).
      2) Bem, sobre a exortação ao pastor. A maioria dos pastores erram pela falta de um pastor que os pastoreie. Infelizmente não são casos raros. Devemos amá-los e compreender o problema. Eu já passei por isso. Já mudei de igreja devido a erros pastorais, teológicos, e também relacionais. Infelizmente acontece. E sim, já tentei corrigir erro pastoral. Na verdade, tentamos. Coletivamente. Cristianismo se exerce na coletividade, até para o desvio de erros. Infelizmente, tivemos que participar do processo de retirada de um pastor de seu posto. Não trato disso com pouca dor. Acontece. Mas entre me calar ou ficar com a Ortodoxia e a Ortopraxia, fico com os últimos. E se tivéssemos lutado pelo correto e não conseguíssemos? Isso significaria que aquela comunidade já estava sem Cristo por ali fazia tempo, então era sacudir o pózinho da sandália e vazar. Agora, vamos à prática. Não concordo com 100% do que meus pastores pregam. Não concordo com 100% de sua fundamentação teológica. Há áreas de penumbra em doutrinas secundárias, como a grande celeuma entre arminianismo e calvinismo. Mas se há erro básico sobre a Salvação, por exemplo, o membro pode falar com seu pastor, de forma cortês, em amor. Caso haja discordância mas ela não altere a comunhão ou a saúde do discipulado, seguem juntos. Meus pastores erram. Não são infalíveis. Muitos protestantes criticam a doutrina da Infalibilidade Papal (sem nem mesmo saberem o que é) e vivem a doutrina da Infalibilidade Pastoral. Se seus erros não ferem a fé salvífica, ou a comunhão (com perseguições e maldade), o convívio na diferença é possível. Se há a ferida, que se busque então uma comunidade saudável nesse sentido. Agora eu digo, se o pastor diz que sua denominação nunca erra, então realmente ele precisa rever os conceitos.
      3) O que te faz parte da igreja? Justificação, a Paz com Deus, a vivência da Santificação. E vivemos isso em comunidade. Nós dissemos que a frequência não é o essencial (falamos no caso dos conferencistas, atletas, moradores distantes, que não são assíduos semanalmente). Agora, o estar firmado nos ensinamentos de Deus pressupõe não viver o cristianismo sozinho, e o estar comprometido com seu irmão.
      Erik, não sei qual a tua situação atual. Pode ser que você nem seja um desigrejado. Veja que é um grupo heterogêneo e mal compreendido pela maioria. Muitas igrejas produzem desigrejados, e é um tema para uma nova conversa em podcast futuramente. Mas… é fundamental a compreensão de que não se é cristão na solidão. Ou na companhia exclusivamente virtual.
      Espero que esse debate seja edificante, e que Deus fale com você sobre isso. Creio que se você ora a Ele sinceramente perguntando sobre isso, Ele te responde de forma inequívoca. Talvez essa conversa já seja um chamado à resposta. Fique na paz de Deus.

      • Erik Braganca

        Obrigado pela resposta que yehovah te guarde.

  • https://uploads.disquscdn.com/images/b04d27c7d83121769840c80aeedf215b6d97e21e2ccd7a7545c669c58a1d9983.jpg

    Essa é minha reação ao ouvir esse programa que o título deveria ser “fundamentalismo ultrapassado”.

    O Bibo me surpreendeu muito negativamente, não conhecia esse lado dele.
    Vim de uma sequência de programas ótimos como “Canaã”, “Masculinidade cristã” e caio nesse.
    Logo num primeiro programa com um assunto que não dominam, cheio de achismos, contradições diversas. Torço pra que os outros 9 do ano sejam melhores a cada episódio.
    Pérolas como “ninguém é igreja sozinho” , “igreja só é igreja se tiver sacramento” e outras mais que poderiam se tornar memes falam tudo aquilo que nunca foi falado por Jesus.
    Como foi dito sobre os desigrejados que “temos que reverter isso” na pratica esse tipo de conversa e conteúdo é contraproducente e é o que faz os desigrejados crescerem e se munir de argumentos.

    Que pena!

    • Lucas Freitas

      Poxa, cara. Mas existe “igreja sozinho” (pela própria origem da palavra, igreja é um termo comunitário, não?)? E Não foi Jesus que mandou batizar e ceiar?

      • Alexander Stahlhoefer

        O Jesus dos desigrejados é um Jesus pós-moderno à-la-carte. Você o constrói conforme seu gosto. As críticas do meu xará são muito pertinentes e merecem consideração. Mas o ataque a abordagem das meninas é fraca, cheia de achismos (a dela teve bom embasamento de pesquisa por outro lado), além de não ter fundamento em qualquer credo ou confissão antiga.
        Jogar pela janela a reflexão teológica de séculos por uma pseudo interpretação do que seria a comunio santorum, sem nem sequer entender de fato o que ela seja, é a vitória do individualismo, a derrota da autoridade da escritura perante o espírito do Iluminismo. Mas tudo isso são vãs filosofias para quem não reconhece o quanto somos filhos da nossa própria época.

        • Lourival Gonçalves

          Tem gente que se estriba (provérbios 3:5) no próprio “conhecimento”. O próprio ato de não concordar deveria ser um gesto de misericórdia e não de ira. Generalizar compulsoriamente denota um carro sem freio.

        • Thiago Rocha

          Sou contra qualquer forma de ataque. Mas acho que essas opiniões e visões enriqueceriam o podcast. Se falou sobre a fé católica com um padre, sobre temas tracionais com tradicionais, temas carismáticos com carismáticos. Faltou alguém de fato no contra-ponto! Sem dúvida é um tema tão atual que caberá sem dúvida em outra oportunidades. Primeiro por que é uma realidade não só no Brasil, e segundo que a todo tempo as pessoas tendem a pensar fora da caixa. Sou fã do programa, fã de toda galera que o faz. Acompanho já a algum tempo e que Deus os abençoe !

    • Silvana Oliveira E Silva

      Uma pena que você tenha entendido nossa proposta como cheia de achismos. Fizemos uma pesquisa ampla, lemos autores acadêmicos, inclusive temos sido procurados por alguns que estudam esse tema dentro da universidade, elogiando a abordagem dada.
      Não somos inerrantes. Nem queremos ser donos da verdade. Sobre o Bibo, ele responde por si, até porque não há mentalidade 100% uniforme, inclusive em temas totalmente emergentes como este.
      Mas Alex, já que você se vê tão avançado em relação à conclusão de nossa pesquisa, gostaria de saber sua opinião sobre os trabalhos do Nelson Bomilcar e da Sílvia Fernandes. Acredito que quem nos vê com achismo já leu muito sobre. Como você os crítica? Como refutaria os argumentos dele? E sobre o Idauro Campos, está publicando um livro sobre Desigrejados, neste mês. O que você pensa da linha de pensamento dele.
      Aguardo sua resposta. Refutações e debate são enriquecedores.

      Ah, já ia esquecendo. Gostaria de saber como ser Igreja sozinho. Cuidado com o que você chama de fundamentalismo, pode ser apenas “Ortodoxia”.

      • Oi Silvana minha irmã.
        Até quando vão confundir igreja com essa reunião clubesca cheia de gente mais sem irmandade?
        Até quando irão reduzir o significado da Cruz de cristo á um CNPJ? Até quando, como igreja, se acharão o pedágio no caminho da salvação?
        Até quando considerarão impuro aquilo que Deus purificou?
        Até quando, minha querida irmã, juntarão todo o sal num saleiro e acharão que em fazendo isso estarão atendendo ao chamado de Cristo?

        Sei que vocês não têm má intenção, são gente boa de Deus, mas até guando as ovelhas do aprisco diferente do seus serão consideradas perdidas?

        Quando a voz do Mestre Jesus terá proeminência sobre as dos acadêmicos, pastores, ou estudiosos, ou qualquer outro pseudo-conhecimento aos quais Paulo diz considerar refugo?

        Até quando quebrarão a cana trincada e apagarão o pavio que ainda fumega?
        Até quando pra vocês igreja será o caixote no qual Deus disse que não faria morada jamais?

        “Como ser Igreja sozinho”? Nunca se está sozinho quando se é Igreja porque ela sempre estará habitada pelo Espirito santo, e os habitados por ele amam e por isso sentem o prazer em congregar, em estar junto com outras pessoas, até dentro de quatro paredes comungando e compartilhando da mesma fé, mas essa agremiação não é igreja, é só a reunião clubesca dos que são Igreja.

        Igreja sou eu num templo ou num trem, num estádio ou num deserto, no meio da cidade ou no meio do pacífico, numa cátedra ou num boteco, porque onde eu chego a Igreja chega.

        Enquanto o templo é a igreja do deus da religião; Eu e você somos a igreja do Deus vivo;
        Leiam menos autores acadêmicos e mais o evangelho para que aprendam isso de uma vez por todas.

        No amor dAquele que não habita em templos feitos por mãos de homens.

        PS: pra nao ficar muito extenso não vou comentar sobre o grande Bomilcar, sobre livros que li, sobre batismo e ceia, etc.

        • Rogério Moreira Júnior

          Você faz perguntas, cara, mas é muito sucinto nas respostas. Elas te deram quase duas horas de argumento e reflexão. Entregue algo do seu pensamento para que a gente possa discutir de fato.

          • “Entregue algo do seu pensamento”. De onde acha que tirei o que escrevi? (me recuso a sugerir o local).

            Vamos mesmo entrar na seara de assuntos eterno definidos pelo reducionismo de quem tem a melhor argumentação e retórica?

            No final das contas é a isso que reduz-se assuntos referentes ao Reino: A definição daqueles que citam mais trabalhos acadêmicos?

          • Rogério Moreira Júnior

            1- Você está se referindo à Bíblia, certo?
            2- Bom, se vamos debater é justo que a gente avalie os argumentos, certo? O que você propõe? Ganhar o debate porque não tem a melhor argumentação retórica?
            3- Não, não é isso o que se reduz o Reino – mas não podemos questionar uma definição apenas pela fonte delas. A pergunta é: ela concorda com a Bíblia ou não?

            E, bem, você ainda não trouxe os argumentos.

        • Marcelo Nakasse

          Meu amigo, se vc ouvir o podcast novamente, prestará atenção que em nenhum momento as meninas associaram igreja com templos, CNPJ e afins. Essa sua expressão de que nunca se é sozinho quando é igreja está corretíssima, porém o contrário não acontece, se você está sozinho você não é igreja, não edifica, não frutifica. A igreja é uma comunhão entre membros do Corpo de Cristo, se você não prática a comunhão ou se não ensina os seus filhos a praticar a comunhão com quantos for possível, então não estará cumprindo o mandamento dá grande comissão. Eu faço uma pergunta, como você irá plantar uma comunidade cristã num local se você ensinar que cada um pode ser igreja ficando na sua casa, tentado aprender a Palavra de Deus sozinho, servindo a ceia para si mesmo?
          Convido você a ouvir denovo o podcast e vc perceberá que as meninas não estão falando de instituições, CNPJ ou templos mas que elas estão falando justamente de comunidade, para sermos convidada a fugir do individualismo e a ser sal e luz no grande saleiro que é a igreja, pois um punhado de sal causa mais efeito que um único grãozinho.

        • Silvana Oliveira E Silva

          Como vc me citou por nome, o convido a revisitar o podcast. Pelo nível de tuas afirmações, se torna óbvia a conclusão de que não ouviu completamente ou estava passando a roupa ou fazendo outra tarefa ao mesmo tempo, se perdendo no raciocínio. Oramos por pessoas como você enquanto elaborávamos este conteúdo. Que Deus ministre ao teu coração. Paz.

          • Silvana, citei seu nome porque você quem respondeu meu comentário. Mas a minha crítica não foi a você de maneira direta e pessoal, foi ao programa como um todo e as palavras como um arrazoado final de um grupo, não de uma única pessoa.
            Eu ainda acho que as meninas foram ainda muito mais sensatas que o Bibo, pra mim as palavras dele é que foram mais equivocadas, mas estou analisando como um todo. por isso em meu comentário eu só interroguei no plural e não no singular diretamente a você.

    • Marcelo Nakasse

      Cara, se algum dia alguém te disse que pode ser igreja sozinho, é uma baita mentira. E digo isso porque desigrejados não se sustentam biblicamente. A comunhão é o que Cristo estabeleceu para a igreja e a igreja é formada por um corpo de Pessoas, no plural. Abraço.

    • poxa mano, se tu tivesse ouvido o Igreja Local, podcast anterior ao de Canaã, nem teria perdido tempo com a gente, foi mal ae… mas sério, tu entendeu muita coisa errado. Valeu!

      • Ok Bibo vou ouvir hoje, acho que esse foi um que comecei ouvir e parei na metade, mas vou ouvir tudo então.

        Mas cara, é só olhar o comentário do pessoal, principalmente os de resposta a mim, ou todo mundo entendeu errado, ou vocês se expressaram mal então, porque todos estão corroborando a ideia a qual você diz que eu entendi errado.

        • Rogério Moreira Júnior

          Acho que não entendemos qual ideia te desagradou, cara.

    • Ô pessoal, olhem para a maioria de vocês!

      Jesus ouvindo vocês contaria a seguinte parábola:

      “Dois homens foram orar.
      O primeiro encontrou seus irmãos de fé,foram até sua igreja subiram no palco, dando as mãos fizeram um círculo de oração e levantando os olhos e disseram: Ó Deus obrigado porque não somos como os demais homens desigrejados,temos nossa igreja onde vamos 3X por semana, ceiamos, damos o dízimo e praticamos todos os rituais.
      O segundo homens, chamado de desigrejado, porém,longe do templo, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!

      Ao fim Jesus perguntaria: “Quais desses vocês acham que subiram justificado?”

      • Gustavo Borges Lugoboni

        Todos, porque o que justifica é a FÉ, não as Obras. Abraço

      • Erik de Oliveira

        O individualismo é a celebração do anti-cristianismo. É a negação do Corpo. É o erro de se achar melhor que o próprio Jesus, que ousou conviver com os seus irmãos e dividir o pão com eles, ao invés de viver sua piedade sozinho.

      • Alysson Vieira Lima

        Meu amigo, a comparação das pessoas que estão na igreja com os fariseus é pra lá de forçada. A salvação é pela fé e todo crente deve ter uma vida de arrependimento constante. Ninguém aqui defende salvação por obras. A questão é negar a ordem clara da Escritura de que devemos congregar como um corpo. Esse corpo não é um templo, são as pessoas, mas a sanha anti instituição é fruto do individualismo, a fé cristã é coletiva desde o princípio.

      • Rogério Moreira Júnior

        Jesus também teria dito assim:

        “Dois homens foram orar:

        O primeiro estava sozinho, lendo sua bíblia, e levantando as mãos para o céu, orou de si para si mesmo: ‘oh Senhor, obrigado por não ser como os igrejados, corrompidos pela religião. Te busco diariamente sem precisar dos outros, leia mais a bíblia que todos os crentes que conheço, e não preciso da ajuda de uma instituição para poder viver minha Piedade’.

        O segundo, deu a mão aos seus irmãos e disse ‘tem misericórdia de nós, pecadores'”.

        Seu argumento pode ser usado contra você mesmo. Não é um argumento, no fim das contas – é só uma ferramente retórica que pode ser usada contra você.

    • Jefinho Renato

      A bíblia é clara sobre a instituição da igreja. Quando Paulo escreve para Timóteo sobre as qualificações de um pastor e de um diácono é óbvio que ele estava pensando na necessidade de uma organização eclesiástica ou esse texto seria inútil. Da mesma forma ele escreveu sobre os dons ministeriais de apóstolos, profetas, mestres/doutores etc. Esses dons só podem ser exercidos na igreja.

      • Thiago Rocha

        Serio? Mas oq é a Igreja? Uma reunião local? Ou um lugar com organograma? Uma casa de oração que alguns tenham esses dons pode ser a igreja? Ou tem que ter templo, altar, dizimo? Sou Igrejado mano, mas acho que nosso pensamento (nem sei). Claro sou contra o cara que se fecha e só vive criticando quem ta na igreja, que diz que aquilo não é igreja. Mas rola uma galera que pensa, que tem fé e esta fora por diversos motivos.

    • Adriano Quadros

      Desigrejado, eu Entendo como Alguém que até Crê em Jesus, que em Algum Momento deixou de Frequentar a Igreja e não consegue se denominar novamente com a Nomenclatura que o designava antes desta crença.
      Desinstitucionalizado, eu entendo como alguém que não se vê amarrado a uma Instituição formal ou informal, Cristã ou não, vai saber.
      Agora esse tipo de Pessoa que Crê, Frequenta varias Igrejas, vários cultos Ouve vários discursos e não se mantem em nenhum lugar, acredito que merece uma nomenclatura nova, pois ele não é um e nem outro, mas alguém que na maioria das vezes, está magoado com outras pessoas e não tem Força ou Capacidade de se resolver e foge de conflitos, fugindo do Convívio frequente.

  • Lucas Freitas

    Ótimo programa. Eu estou a um bom tempo sem vínculo com nenhuma igreja, mas segundo os critérios apresentados não sou um “desigrejado”, rs. Sai da minha antiga comunidade por não concordar com aspectos doutrinários focados por lá (particularmente com uma invasão de Teologia da Prosperidade). Moro em uma favela afastada do centro e aqui há muitas igrejas, mas infelizmente muitas igrejas neopentecostais. Tentei participar de outra comunidade, mas não vingou. Enquanto buscava um lugar, sempre tentei me reunir com irmãos pra celebrar a Cristo, compartilhar experiências, estudar a Bíblia. A internet também foi uma grande aliada nessa tentativa de não ficar isolado. E nesse fim de semana tomei a decisão de voltar àquela comunidade citada no início, mesmo que pouca coisa tenha mudado por lá. Acho que é mais benéfico estar lá e poder ajudar em algo (mesmo que no geral discorde de muita coisa e saiba que isso pode gerar tensões) do que não estar e não fazer nada por ela. E agora, ouvindo vcs, fico mais convicto ainda de que essa decisão é acertada.
    Graça e Paz a todos.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Puxa rapaz. Que coisa hein.
      Às vezes conviver na igreja não é fácil, principalmente quando teologicamente nisso alarme fica tocando. Ore ao Senhor, continue se aperfeiçoando na Palavra e eu tbm oro pra que você encontre mais gente como você onde está plantado. Mudanças profundas não são feitas do dia para a noite. Espero que sua igreja local seja abençoada por tua presença lá, cada dia mais. Precioso teu comentário!

  • Bruno Fonseca

    Parabéns meninas. Tema super relevante para o momento atual dá igreja de Cristo. Estou vindo de um longo tempo sem igreja (quase dois anos). Fiquei nessa situação em parte por estar mudando de cidade, em parte por estar decepcionado com liderança e em parte por estar decepcionado com a falta de preparo teológico da grande maioria dos pastores… Deus foi bom comigo e levou a mim e a minha esposa pra uma igreja que estamos amando… O interessante é que, só depois de ter encontrado uma igreja pra min e minha família, me dei conta do quanto é fora do propósito de Deus a gente ficar fora da vida em comunidade cristã. Ignorava o fato de que somos chamados para uma obra em conjunto. Cristãos formam um corpo e não são nada sozinhos. Tenho experimentado de novo o prazer de ter boas conversas, de apoiar um irmão querido e de ser apoiado. De me inspirar com o exemplo de vida de irmãos na fé e de ver pessoas que são raros de esperança num mundo corrompido.

    Que Deus continue dando forças e inspiração a vocês e que o noivo pod seja benção pra muita gente!

    • Silvana Oliveira E Silva

      Bruno, teu comentário é muito precioso para nós.
      Realmente. As igrejas precisam rever como estão, para não serem fontes jorrantes de desigrejados. Muito desse problema reside em heresias desenfreadas, falta de preparo, e até a maldade genuína do ser humano. Cabe à Igreja tratar dos feridos e promover o surgimento e manutenção de igrejas locais saudáveis. Muito obrigada!

    • Gabriellen Carmo

      Obrigada, Bruno! Feliz pelo teu comentário e pelo teu testemunho. Que Deus o abençoe muito!

  • Giancarlo Marx

    Olá, meninas. Já elogiei em particular e agora faço questão de fazê-lo publicamente. Tema bem espinhoso tratado com moderação e muita pesquisa. Estão de parabéns.

    Tem apenas um ponto que fiquei aguardando vocês tocarem, e que eu considero complementar o que disseram.

    Para mim está claro que as relações dentro da instituição tornaram-se extremamente superficiais, a ponto das pessoas entenderam que ser igreja é cantar umas músicas e depois ouvir uma mensagem. A meu ver essa superficialidade tem promovido o desigrejamento mais do que tudo, uma vez que esses dois ritos (cantar e ouvir uma palavra) podem ser feitos tranquilamente de casa, muitas vezes até com mais qualidade do que na igreja local.

    O problema é que uma pessoa que caminha nessa visão superficial de igreja NUNCA foi igrejada, mesmo quando participava dos cultos. Desse modo, eu concluo que deve haver mais desigrejados DENTRO das instituições, frequentando reuniões, do que FORA delas.

    Igreja envolve essencialmente uma aliança de unidade. Eu considero isso tão ou mais importante que os sacramentos. O amor é um mandamento. A propósito, é O MAIOR mandamento.

    Que Deus abençoe e que venham outros programas como este. Abraço!

    • Silvana Oliveira E Silva

      Excelente colocação. Sem dúvida, o ritualismo entrou igreja adentro, e muitos no discipulado se perdem, e a vida cristã se resume a um mecanicismo sem sentido.
      Ótimo assunto para um plus, quem sabe discutindo como a igreja local pode abandonar sua vocação de fonte jorrante de desigrejados.

    • Gabriellen Carmo

      Oi, Gian!

      Adorei o seu comentário e, como bem disse a Sil, é um ponto interessantíssimo para um plus. OPA! 😉

      Valeu, mano.

  • Marcelo Nakasse

    Muito amor nesse programa ❤️

    • Silvana Oliveira E Silva

      Obrigada!

    • Gabriellen Carmo

      Obrigada, Nakasse. Bom tê-lo por aqui, amigo!

  • Quanto mais vejo os comentários direcionados a mim, mais reafirmo esse texto que escrevi há anos:

    http://www.desejandodeus.com.br/2013/03/a-igreja-evangelica-e-boa-demais-para.html

    Infelizmente a Igreja evangélica continua sendo boa demais pra mim. Realmente é uma liga da justiça cheia de super heróis. E muitos estão aqui comentando!

    • Thiago Rocha

      Concordo com o sentimento apesar de ser ” Igrejadado “. Lerei seu texto !

  • Ainda não ouvi o programa, mas já deixo um comentário sobre a ideia do novo podcast. Acho sempre válido ter podcasts com mulheres sendo host e ter programas com maioria de mulheres, mas acho que é ainda mais necessário se incluir, naturalmente, mulheres nos programas principais de cada site. Fica o apelo carinhoso aqui.

    Depois de ouvir, falo sobre o programa em si se eu tiver algo a acrescentar. 😉

    • Rogério Moreira Júnior

      Olá Tamíres. Ali no FdÉ eu realmente sinto falta disso também, de ter mais mulheres participando – mas acho que elas estão oficialmente na casa, talvez seja mais fácil de pedir uma força praz vizinhas ali.

      Mas digo ai: acho que não vai demorar para este se tornar um dos podcasts principais da casa. Um dos mais amados com certeza.

      Abraços!

  • Escutando agora…

    Sejam bem vindas!

  • Gostei muito desse programa,
    gostei da forma como trataram o assunto.

    Vocês vieram com tudo e já conquistaram mais um ouvinte!

    Novamente, sejam bem vindas!

  • Elias Flávio de Paiva

    Infelizmente não vou poder ler todos os comentários, então me perdoem se eu repetir alguma coisa.

    Parabéns pelo programa gostei muito. Trataram de muita coisa é ficou claro que o assunto é muito mais abrangente do parecia.

    Acho que faltou fazer a separação entre a definição bíblica do que seja igreja, que se alinha às questões que o Bibo enumerou e a definição que os pesquisadores utilizam. Os pesquisadores podem, nem conhecer o conceito bíblico de igreja e isso faz muita diferença na hora de um estudo desse tipo.

    Parabéns, mais uma vez. Que Deus continue abençoando vocês. Sem dúvida me tem como ouvinte, que venham os outros 9 programas dessa temporada.

    • Rogério Moreira Júnior

      Poisé, mas a pegada delas não foi tanto na linha teológica (pra isso temos o BTCast, entre eles o de Igreja Local citado pela @gabriellencarmo:disqus ), mas sim em trazer essa discussão pastoral, né? E, vamos lá, até que ponto esse conceito não ajudaria os pesquisadores acadêmicos em trabalharem este tema de outra forma?

      Abraços, e apareça sempre ai!

      • Elias Flávio de Paiva

        Entendo que o foco não era esse, mas, creio ser importante deixar isso bem claro.

        Sem dúvida já sou um ouvinte para vocês, estou esperando os próximos, mas, comentar é mais difícil. Sempre que possível darei as caras.

        Vida longa e próspera, que a força esteja com vocês.

        • Rogério Moreira Júnior

          Beleza, cara. Aparece ai sempre que der!

          Abraços!

      • Livan Chiroma

        Pastoral ou não, acredito a necessidade do zêlo empírico. 🙂

        • Rogério

          Sim, mas elas se basearam na base científica, né? Podemos discutir como essa base se relaciona com a realidade, mas ai é outra história.

  • Livan Chiroma

    E ai pessoal. Sou o Livan, até fui citado na conversa 🙂

    Acho que merece bastante atenção as categorias do CENSO.

    As categorias citadas – “Evangélica não determinada” é uma caixa preta: não há como afirmar categoricamente, somente com o survey do CENSO, que é composta por “desigrejados”. (Alias, o CENSO não propõe esta categoria em nenhum momento! É preciso mais dados, ou realizar uma pesquisa de campos com uma população específica).

    O que os pesquisadores da Demografia da Religião tem salientado, é que esta categoria emergiu na última pesquisa nacional, por conta de: 1) a circulação de fiéis em diversas igrejas; (o que seria, sociologicamente, demasiadamente “igrejados”) e 2) um lapso no momento do rescenceador capturar a informação do pesquisado, preenchem apenas como “evangélico”.

    Não é possível afirmar que há 22 milhões de desigrejados; mas, por experiência e e vivência em campo, concordo que exista uma situação nova e suigeneris de modos como as pessoas estão lidando com as instituições em uma modo geral; com menos contratos vitalícios e mais “liquidez”, utilizando a metáfora do Bauman.

  • Carla Guedes

    Parabéns pela visão do Lado a Lado ! Também sou podcaster (Tá Tirano) e é sempre bom ouvir vozes femininas, ainda mais com temas cristãos !

    Assim, se analisarmos os frutos da carne descritos em Galatas 5, mais da metade tem a ver com divisão, então tantos os desigrejados como os desviados são frutos dos nossos próprios pecados, como igreja. Agora quem pecou ? Todo mundo, tanto o que se desigrejou, como o que ficou e não foi atrás da ovelha, ou até mesmo aqueles que moram longe, cadê as missões !?
    Enfim, o desejo do nosso Senhor Jesus, é que sejamos um (João 17). Agora vai de todos (desigrejados, igrejados e afins) analisar o que estão fazendo para viver esse João 17.
    Eu entendo que a internet é uma ferramenta da igreja, e não a igreja em si, não substitui a comunhão pessoal, olho a olho, tem que tomar cuidado. Conversar pelo zap é uma coisa, conversar pessoalmente é diferente, não tem jeito. Sentir o abraço de alguém cheio do Espirito Santo cura mais que palavras, enfim…

    Mais uma vez parabéns pelo programa, trouxeram a tona um tema delicado, curti as opiniões e são super relevantes !

    Deus abençoe!

    • Thiago Rocha

      Vou ver vc do tá tirano! Foi dificil chegar na pagina, mas achei !

      • Carla Guedes

        Opa! Legal ! Depois deixa seu comentário.

      • Carla Guedes

        kkk….que tenso…nosso site é http://www.tatirano.com.br

        Depois deixa lá sua opinião!

        Valeu !

  • Victor

    Poxa, que nível de programa hein…altamente pesquisado, com opiniões embasadas. Tenho alguns contrapontos do que ouvi. DO que não comentei, concordo em tudo.
    – Acho que a Gabi falou lá pelo meio que antigamente definir “igrejado” era mais simples, que bastava estar numa igreja institucional, e que talvez estejamos complicando um pouco as coisas. Eu acho que as definições eram equivocadas. Não sustentavam o problema de que, muitos cristãos estavam fora da igreja institucional e muitos dentro da igreja institucional estavam fora da “Igreja”. A meu ver, não complicamos, os problemas só estão melhor definidos.
    – Eu vou discordar do Bibo num pontinho curto, de que uma hora ou outra a igreja fica mais institucional, porque tem que crescer, alugar um espaço…não necessariamente. Já conheci algumas igrejas caseiras que se mantinham pequenas porque não precisavam de espaço ou CNPJ. Ao crescerem, simplesmente se multiplicavam nas casas. Por isso, pra se fazer uma igreja hoje, ficou mais simples, com essa visão mais “orgânica”. Acho que é uma tendência que tem crescido muito!

    No mais, só elogios. Senti-me representado no programa, porque meu emprego requer muitas mudanças e tem sempre um período do ano que ficamos sem igrejas, a cada 2 ou 3 anos, por estarmos em cidade nova, mas sem desistir de procurar novas. Mas isso tem feito conhecer a realidade de muitas igrejas diferentes no país, de diversas denominações. Inclusive, tenho conhecido e lidado com problemas de igreja no que diz respeito à divisão, igrejas fracas que não aguentam e racham ou desaparecem. Estou vendo demais isso. Espero que seja abordado uma hora dessas. Valeu!

  • Thiago Rocha

    Estarei ouvindo o post agora, e confesso que os comentários em si já me assustam e me dão uma prévia do que ouvirei. Uma defesa da Instituição! Eu congrego, eu estou numa ” Igreja”, eu sou líder de Evangelismo, Estou na igreja 4, 5 dias da minha semana. Mas tenho amigos que não fazem mais isso, que preferem estar em casa, se reunindo, louvando o nome do Senhor de uma forma não institucionalizada. E amém por que alguns deles de fato são servos fiéis. Creio que desigrejado seja um termo ainda em construção. Acho inadequado. O programa precisaria sim, meio que obvio de alguém com uma visão de confronto, pra defender os argumentos dos desigrejados. Por que eles tem e são bons.

    • Rogério Moreira Júnior

      Então mano, não é uma defesa da “instituição” não, mas acho que mais uma defesa da comunhão intencional (ao contrário de gente que se reúne só “quando dá”, sem um compromisso, vivendo uma vida cristã individual, manja?

      Mas escuta ai e diz o que acha.

  • França Azevedo

    Parabéns as Meninas!

    Achei muito joia a
    pauta e as colocações. Sabemos de antemão que não se pode esgotar um assunto
    tão polemico quanto este em uma única edição. Foi muito bom mesmo. Quero
    complementar que aqui no Amazonas tem uma região chamada cabeça do cachorro,
    ela fica bem na curvinha do mapa do Brasil a noroeste da região norte entre o
    Amazonas e Roraima, lugar de difícil acesso e que em algumas partes o ser
    humano nunca pisou. Ali tem comunidades de crentes que nunca foram em uma igreja
    evangélica e nem muito menos possuem internet ou TV. São evangelizados pelas
    ondas UHF e Tropicais que chegam até aquelas comunidades. Esses conhecimentos
    são passados a anos. Existe uma radio brasileira chamada Transmundial e que já arregimentou
    para o reino do Senhor muitas comunidades na região, bem antes mesmo que a
    internet fosse despertada.

    Essa turma não tem uma igreja definida, são desigrejados ? só para pensar!!!

    Fiquem na Graciosa Graça de Jesus Cristo!

    Pr. França Azevedo / Ig. Batista das Nações

    • Rogério Moreira Júnior

      Então, não sei como o IBGE veria isso, mas esses grupos dão o tipo mais básico de igreja, né? Mais ou menos como acontecia em atos.

      Abraços!

  • Adriano Quadros

    E Aí Pessoal,
    Parabéns Garotas, e são pouco ousadas as Garotas aí hein!
    Tratar da Saúde da Igreja… pedreira, alguns até diriam que é muita pretensão e empáfia delas quererem Tratar da Saúde da Igreja, e até perguntariam qual a formação e quem as nominou defensoras da verdade, mas todos somos micro-organismos que juntos cuidamos da saúde deste imenso corpo mistico de Cristo.

    Será que o Bibo Imaginaria tudo isso, quando saiu da Radio e queria Continuar falando !
    Que teria um canal tão pulsante como o BiboTalk Abarcando tanta gente Boa?

    Parabéns a Todos envolvidos.

    Ps. Amei a Radio Novelinha hahahaha

  • Adriano Quadros

    O Bibo disse uma Frase que que resume a Igreja.
    “Igreja de jesus é GENTE, fedendo e com bafo e por aí Vai”
    Ser Igreja é Conviver com Tudo isso, e ainda manter a Fé!
    Mas, eu só me pergunto uma coisa, nas “Igrejas” de hoje, encontramos pastores e ovelhas que realmente querem se relacionar como Igreja?

    • Rogério Moreira Júnior

      Aí tem o outro lado, né? O de pessoas desigrejadas dentro das igrejas.

  • Raquel Akemi

    Gostei muito desse novo PodCast da casa. Fiquei empolgado com ideia de um podcast mensal que falará sobre a saúde da igreja (pelo menos por esse ano).
    Até me arrepiou quando falaram para olharmos para nossa igreja e analisarmos se nossa igreja está produzindo desigrejados. Acho fácil atirar pedras neles, e falo isso por experiência própria. Mas pensar que eu posso ser uma causa de um desigrejado é algo para se pensar e acho que nos leva a ter mais humildade. Boa sorte nessa nova empreitada, meninas! Estarei ouvindo vocês mensalmente! 😉

  • Ótimo episódio gurias. Creio que esse podcast vai render ótimos frutos. Sou do lado que acredita que Cristão não só deve participar de igreja como precisa, principalmente por causa do pecado. Além disso, precisamos ter comunhão e servir, algo que a vida em igreja também possibilita. Um cristão sem igreja é como um soldado atrás das linhas inimigas.

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)