Lado a Lado #005 – Barrados no Baile | Métodos de Contracepção

 

Desde o Antigo Egito até a Grécia de Hipócrates, passando pela mesopotâmia e pelo povo Hebreu, a humanidade utiliza métodos para evitar a concepção.

Se antes a lista de métodos era curiosa e bizarra, (sugerindo usar fezes de crocodilo e esponjas embebidas em suco de limão), com a revolução industrial e o avanço das pesquisas médicas temos hoje uma grande variedade de tipos de métodos contraceptivos.

Métodos de barreira, hormonais, cirúrgicos e naturais; você conhece esses métodos? Sabe realmente como eles funcionam? Utiliza um método que não vá conta os seus princípios relacionados ao início da vida?

Buscando responder essas e outras perguntas, além de compreender o histórico do uso e criação de métodos contraceptivos; Andrea Menezes, Tatinha Vidal e Silvana Silva iniciam uma conversa sobre Planejamento Familiar, nessa primeira parte abordando especificamente os métodos contraceptivos, para trazer informação teórica para capacitar minimamente os membros do Corpo de Cristo a escolherem com propriedade e sem duvidas o melhor método contraceptivo que podem usar para o planejamento familiar.


Vitrine: Giancarlo Marx
Edição: Rogério Moreira Jr
Participação Especial: Diego Vieira e Marcelo Edreira


Se aprofunde no assunto..


Referências

  • Maria das Dores Campos Machado. Corpo e Moralidade Sexual em grupos religiosos. Estudos Feministas N1/95:7-27.
  • Julia Miranda. Cientistas defendem 5 momentos para início da vida humana. (site)
  • Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi. A ética, as leis e as religiões nos tratamentos de fertilização. (site)
  • Mário Sergio de Santana. A Assembléia de Deus e a Revolução Cultural. (site)
  • Jane Bichmacher. Judaísmo, Cristianismo, Sexo e Pecado. (site)
  • Silvana Morandini. Aspectos Éticos e legais do aborto. Ribeirão Preto 04/2014.
  • Larrimore WL. Does pregnancy begin at fertiization? Family Medicine. 36(10):690. 2004
  • Nerbas RJ, Ott ON. Considerações da Ética Cristã quanto ao uso de Fertilização in vitro como técnica de reprodução humana assistida. Revista igreja Luterana. 04/2014. (site)
  • Steiberg JR, Russo NF. Evaluating reasearch on abortion and mental health. Contrception 80: 500-503. 2009.
  • Stanford JB. Population, Reproductive, and Sexual Health: Data Are Essential Where Disciplines Meet and Ideologies conflict. Frontiers in public Health 4:1-2 March 2016.
  • Herrman PF et al. The Effectiveness of a fertility awareness based method to avoid pregnancy in relation to a couple’s sexual behaviour during the fertile time: a prospective longitudinal study. human Reproduction Vol22, no.5pp1310-1319,2007.
  • Novikova et al. Effectiveness of levonorgestrel emergency contraception given before or after ovulation – a pilo study. Contraception 75: 112-118 (2007)
  • Blanc AK, Tsui AO. The Dilemma of past Success: Insider’s Views on the future of the International Family Planning Movement. Studies in Family Planning 36(4): 263-276, 2005.
  • Maria das Dores Campos Machado. Identidade religiosa e moralidade sexual entre católicos e evangélicos. In: Direitos Tardios: saúde, sexualidade e reprodução na América Latina. Fundação Carlos Chagas, 1997.
  • Joana Maria Pedro. A experiência com contraceptivos no Brasil: uma questão de Geração. Rev. Bras. De História, São Paulo 23 (45), 239-260; 2003.
  • ePortuguese. Breve História da Concepção. OMS. (site)
  • Comparativo de métodos contraceptivos. Bayer Health. (site)
  • Flaviane Brandemberg. Métodos anticoncepcionais ao longo da História. (site)
  • Jane Bichmacher. Judaísmo, Cristianismo, Sexo e Pecado. (site)
  • Diafragma: breve histórico. Semina. (site)

Categorias: Lado a Lado,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

  • Utilidade pública esse podcast! Parabéns pelo trabalho, acompanho desde o primeiro e a qualidade só vem crescendo. Eu e minha noiva já tínhamos conversado sobre essas questões, mas o podcast me ajudou bem a entender melhor cada um dos métodos, e já indiquei para ela que curtiu tbm rs. Uma coisa que para mim é um ponto positivo do podcast de vcs é a duração, pois gosto de podcast mais longos e é o tempo certo do meu trajeto de casa para faculdade. Parabéns novamente até!

    • Silvana Oliveira E Silva

      Que bom que vc também é do #timepause kkkkkk Eu adoro podcast longo.
      E ficamos felizes em saber que foi útil para vc a discussão. Abç

  • Tamires Azevedo

    Como o comentário anterior esse podcast é de utilidade pública. Aprendi de mais com vocês, coisas que nem se quer passaram pela minha cabeça, e olha que sou mulher heim, rs. Só senti falta de não terem falado da pílula do dia seguinte, pois ainda a dúvidas sobre o uso dele, em como ele age.
    Parabéns meninas, esperando pela parte dois.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Pois é. Temos muito assunto para pouco tempo. Acho que daria para fazer uns 5 episódios sobre contraceptivos. E talvez a pílula do dia seguinte seja “resgatada” num episódio posterior.
      Mas para quem passa por aqui, deixamos claro. Nem todos usariam se entendessem como funciona, e em geral é igual a bomba atômica, só se usa uma vez.

  • Gyselle P. Teixeira Correia Li

    ótimo cast meninas 😀

    • Silvana Oliveira E Silva

      Obrigada Gyselle, feliz por ver mais uma mulher comentando!!!

  • Daniel Nogueira

    Muito bom o episódio meninas!

    Acho q faltou falar só a treta q rolou q fizeram experimentos de um anticoncepcional masculino e que foi descartado pelos efeitos colaterais. Só que os efeitos são bem semelhantes aos femininos hj. Viram essa notícia?

    http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2016/11/anticoncepcional-masculino-e-adiado-por-ter-reacoes-semelhantes-ao-feminino.html

    • Silvana Oliveira E Silva

      Legal pela observação Daniel!
      Bem, como vc viu, falou tempo para tanta treta sobre esse lance de atrapalhar a vida das células reprodutivas…. mas realmente esse debate é interessante. Valeu pela dica.

  • Priscila Bulbarelli Ferreira

    Mais uma vez obrigada pelo excelente conteúdo, meninas!
    Estou me preparando para casar e a conversa com o meu futuro marido é que não vou usar pílula, pois já usei por cerca de 10 anos para, teoricamente, tratar de problemas nos ovários e quando nos conhecemos, comecei um processo de parar de usar pílula, já que estava me fazendo muito mal os efeitos colaterais, além de ter ouvido vários relatos de pessoas que tiveram embolia, avc, etc.

    • Silvana Oliveira E Silva

      Agradecemos pelo comentário.
      Eu realmente acho que o uso de qualquer método deve ser fruto de muita reflexão. E entender quais as opções.
      O problema é a grande mídia e até profissionais de saúde venderem a pílula e o DIU como as únicas opções.