Fora do Éden 15 – Refugiados no Brasil, Cientistas Cristãos e redação do Enem

 
Seja bem vindo, Forasteiro! Nossos passos hoje, para longe do Éden, nos levam a encontrar outros caminhantes – irmãos que saíram de seu país natal, e peregrinam por terras estrangerias procurando procurar um lar. Também passamos por um laboratório, com cientistas estudando a síntese entre fé e ciência. E ainda topamos com alguns estudantes, correndo, para ver se não perdem o horário do Enem.
  • Refugiados Cristãos no Brasil recebem a vista de dois patriarcas orientais (Existem refugiados cristãos? Como eles são recebidos aqui no Brasil? Como podemos ajudar?)
  • Cientistas Cristãos se reúnem em congresso em São Paulo (Como podemos unir fé e ciência? O que esse congresso vai trazer de novo?)
  • Redação do Enem discute intolerência religiosa (É um tema importante? Alguém pode perder nota por ter “opinião forte”? Existe intolerência no Brasil?)

Participantes: Erlan Tostes, Marcelo Edreira, Petter Martins, Rogério Moreira Jr e William Erthal.

Convidados: Igor Loucak, Gustavo Assi, Leopoldo Teixeira, Gabriel Gomes e Anderson Rodrigo da Silva.

Comunidade no Telegram e grupo no Facebook do Fora do Éden


Links no episódio.

Refugiados Cristãos no Brasil recebem a vista de dois patriarcas orientais
Cientistas Cristãos se reúnem em Congresso em São Paulo

Categorias: Fora do Éden,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,

  • Willian Rochadel

    Sempre bom tratar sobre estes assuntos que, de alguma forma, tocam nos temas relacionados a nossa fé e assim refletirmos sobre nosso real papel como cristãos.

    Creio que a abordagem sobre o tema da redação do ENEM foi muito bem tratada, mas o respeito pela religião e pelo religioso são princípios que devemos tomar. Portanto, não podemos negar que há uma intolerância religiosa no Brasil, em grande parte do povo cristão, justamente por serem a maioria.

    Logo, é mais aceitável, como evangélico, cuidar de um cristão protestante do que acolher um muçulmano. Oras, se há esta diferenciação em acolher um cristão ou ajudar um muçulmano, não podemos constatar que há uma forte intolerância motivada pela escolha religiosa do indivíduo?

    • Rogério Moreira Júnior

      Fala mano, valeu pelo comentário.

      Então, ali no seu terceiro parágrafo: sua ideia é de que os cristãos forem intolerância religiosa nos seus países (e por isso precisam ser cuidados aqui) ou que a gente pode cometer intolerância religiosa em cuidar apenas dos refugiados cristãos?

      Abraços!

      • Willian Rochadel

        Pois é, mano Rogério
        Nós cristãos temos medo das outras religiões e, sistematicamente, cometemos a intolerância julgando o indivíduo por sua crença.

        Esta é uma observação que se deu durante a Copa do Mundo, quando vieram diversos haitianos e senegaleses, que por aqui ficaram algum tempo, buscando trabalho e uma esperança. Criciúma recebeu muitos, Florianópolis inclusive foi uma das cidades que mais os recebeu.

        Porém, ao invés de ajudá-los, haviam igrejas divulgar o medo por estar entrando uma onda de novas religiões a partir deles. Então, ao invés de auxiliá-los, ou ao menos não incomodá-los, algumas comunidades incutiram um discurso de ódio e desprezo, instruindo o povo para não ajudar, não contratar e nem manter contato.

        Algo semelhante foi observado quando os refugiados começaram a chegar no Brasil. Devido a isso surgiram notícias que o Brasil logo deixaria de ser um país cristão, a “islamização do Brasil”.

        Apenas mais uma das consequências de um povo que tende a se fechar em seu gueto para proteger sua cultura e assim mostra a sua fraqueza. Afinal, se houvessem pessoas consciente e bem fundamentado, não teria o que temer, pelo contrário, teria prazer em conhecer as outras religiões e respeitar o indivíduo, sem diferenciar “crentes vs não crentes”.

        Já historicamente, as religiões africanas sempre foram censuradas. Como quando os senhores de engenho os proibiam de adorar seus ídolos. Porém, foram inteligentes em se apropriar das imagens católicas para manterem suas tradições.

        Enfim, a intolerância religiosa é um problema real e intrínseca na nossa cultura cada vez que cometemos uma diferenciação do indivíduo por aquilo que ele crê.

        —- Notícias sobre o medo da Islamização e preconceituosas:
        “Imposição do ensino obrigatório do islamismo no Brasil e no ocidente”
        “Diga não a islamização do Brasil”

        —- Notícias contra o preconceito
        “O fenômeno da islamização no Brasil e a luta contra o preconceito”. 12 de Abril de 2016
        “Religião islâmica ganha força com chegada de imigrantes a Criciúma”

        • Rogério Moreira Júnior

          sim, mano, acho que muitas vezes podemos ir por ai mesmo – com um “medo” que não encontra base na Bíblia. Acho curioso como Paulo, por exemplo, usou da religião grega para poder falar para eles do Deus Desconhecido, em At 17.

          Abraços!

          • Willian Rochadel

            Essa é atual:
            “Alunos são proibidos de apresentar trabalho sobre entidade do candomblé” (24/11/2016)

            O que acham?

  • Raquel Akemi

    Mais um podcast para abrir minha mente e dar muitas contribuições para a minha fé! Ótimo podcast, BiboTalk está de parabéns!

    • Rogério Moreira Júnior

      Estamos ai para isso, Raquel.

      Abraços!

  • Pessoal, no grupo do telegram do Fora do Éden surgiu uma dúvida sobre como funcionam os concílios. Postei um áudio lá. Venham!

  • Acho importante todo apoio aos refugiados. Sinto certa dificuldade para entender por que ocorre diferenciação quanto à confissão religiosa dos refugiados, mas acho que deve ter algum sentido que não compreendo bem. Não me sinto apto a dizer se isso é certo ou errado. Gostaria realmente de mais detalhes quanto a isso.

    Uma reunião de cientistas cristãos, enxergo como uma boa oportunidade de demonstrar que ciência e fé não são temas excludentes, e que os cristãos não são os “bitolados” que alguns imaginam. Mas é preciso muita sabedoria para conduzir esse congresso e não cair em questões que deponham contra nós cristãos. Por exemplo, se um público ateu tiver acesso às gravações do evento e notar abordagens onde a fé seja colocada de forma soberana sendo que a questão levantada é científica, talvez seja um tiro no pé. Que Deus lhes conceda sabedoria.

    Na questão da igreja presbiteriana nos EUA que está incorporando a fé islâmica, bom, não é o primeiro nem o único caso em que uma igreja dita cristã toma atitudes contrárias à fé que diz professar. Me pergunto o que tem acontecido com os cristãos desse país… por outro lado penso se isso não é o reflexo daquele esfriamento de fé de que fomos alertados nas Escrituras. De fato, tal esfriamento é inevitável. Graças a Deus sempre há um remanescente que ele guarda para si.

    Quanto à redação do Enem e a intolerância religiosa, estou ansioso pela divulgação das notas. Aposto que veremos outro fenômeno semelhante ao do ano passado, que abordou a violência contra a mulher. Nossa sociedade (acho que especialmente os mais jovens) tem tido uma visão extremamente distorcida e mal embasada a respeito desses temas. São assuntos importantes e que devem ser considerados, mas que uma multidão não sabe lidar ou argumentar. Acredito que esse é um dos grandes motivos desses temas estarem sendo colocados em voga no Enem, e que essa visão errada dos fatos vai novamente fazer muita gente se dar mal nessa prova. Vamos aguardar.

    Parabéns pelo ótimo trabalho. Já estou no aguardando pelo próximo episódio, sentirei falta quando entrarem de férias.

    • Rogério Moreira Júnior

      Oh Cristiano, obrigado pelo comentário bem pontuado – esse vai pro Arca!

      Abraços!

  • Bryan Temple

    Meus irmãos: Parabéns pelo programa e pelo trabalho de vocês que é sempre enriquecedor. Só queria dizer, a respeito da oração mulçumana na PCUSA, que senti falta da opinião de um pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, pois a IPB representa a maior parte dos presbiterianos do nosso país. Um abraço a todos vocês. Que Deus os abençoe e amplie esse trabalho.

    • Rogério Moreira Júnior

      Poisé mano, acabamos ficando só com o cara da IPI que estava à mão – mas irmãos da IPB são bem vindos no programa também!

      Abraços.

  • Lucas Domingues Rocha de Olive

    Rogério e equipe do Fora do Eden parabéns pelo excelente trabalho! Fiquei muito feliz em ouvir a reportagem sobre a conferência da ABC2. Sou ouvinte assíduo do Fora do Eden e tive o privilégio de participar da conferência. Foi um tempo com excelentes palestras, ótimas reflexões e a oficialização da associação. Se vc está em BH e se interessou pelo trabalho, temos um grupo local funcionando aqui. Responda no comentário se tiverem interesse. Grande abraço!

    • Rogério Moreira Júnior

      Que legal mano, que bom que você teve lá! E ai, o que achou?

      • Lucas Domingues Rocha de Olive

        Foi Ótimo Rogério. Bons teólogos, bons filósofos e bons cientistas estavam presentes. Estou bastante empolgado em participar desse ministério!

        • Rogério Moreira Júnior

          Que legal, mano. Fico muito feliz de saber que tem gente trabalhando com isso aqui no Brasil.

          Godspeed!

  • Alexandre Ferreira Santos

    Salve rapaziada!

    Sobre intolerância Religiosa:

    A ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ (que faz um serviço parecido com a ‘Portas Abertas’) lançou um relatório sobre Liberdade Religiosa no mundo – ais.org.br/RelatorioLiberdadeReligiosa – é um trabalho extenso ajuda bastante a entender a questão e como ela varia de país pra país. Especificamente sobre o Brasil – http://ais.org.br/images/stories/RLRM2016/pDFs/RLRM-2016-Brasil.pdf – a AIS aponta que, por sermos maioria, nós cristãos praticamos mais a intolerância do que sofremos e que um dos maiores pontos de tensão se dá na política, por conta do conceito de laicidade. Vale a pena dar uma olhada.

    Sobre Cristãos na Ciência

    Pô, sei não, mas acho que quando estiver em SP vou me filiar à ABC². rs
    Os dois Livros… Sempre me pego pensando entre essas relações entre Livro, Palavra e Pensamento. A materialidade da palavra (escrita) e a inteligibilidade do mundo… O homem é sempre este meio do caminho, que bom que têm irmãos aprofundando a discussão.

    Abraço a todos.