BTCast 046 – Parábolas do Reino

 

Muito bem moçada, mais um BTCast na área e agora vamos contar boas histórias. Série Parábolas para nossa edificação! Abra sua bíblia em Mc 4 e Mt 13 e junte-se a nós

Nesse podcast exploramos algumas parábolas que são denominadas Parábolas do Reino. Entenda a figura da semente nessas histórias, saiba se você é o joio ou trigo e se nós podemos separá-los. Aperte o play e sinta o efeito BTCast!

Arte da capa de Brão Barbosa, no site dele você encontra outros trabalhos bem como o desenvolvimento das capas que ele faz pra gente http://braobarbosa.com

Links comentados no episódio:

Ouça mais da série Parábolas, clique aqui.

 Siga-nos no twitter @bibotalk @Mac_Mau @stahlhoefer

Curta nossa FanPage www.facebook.com/bibotalk

Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast

envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com

ARQUIVO ZIPADO, clique aqui! clique com o botão direito em clique aqui e salvar link como

Ouça no PLAYER acima ou clique em DOWNLOAD para baixar (clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como, ou Salvar Link) Arquivo MP3!

Categorias: BTCast,Parábolas,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,

  • Davi Steffens

    Aí sim hein? Par começar bem a semana nada melhor que um BTCast!!!

  • tatiana stinghen

    bom dia! estou ouvindo.. muito interessante abracao…… bencãos!

  • Marlon G.

    Quanto a enquete é isso mesmo, é por ip, quando o ip é dinâmico, ele se renova constantemente, por isso dava para votar mais de uma vez, mas na próxima votem sem estarem logados 😀 Quanto a votar em várias máquinas na mesma rede, nem adianta, vai contar um só, porque é o mesmo ip 😉

    Abraço!

  • Robson

    hehehehehe, não tinha problema, poderiam ter começado a série seven na frente, com certeza seria bom do mesmo jeito… agora tentaram até votar mais de uma vez mas mesmo assim não deu hehehehe. Mas o podcast é de vocês, eu pelo menos não ficaria chateado se fizessem a seven na frente (ah, votei na antropos heheh).
    Ouvindo o pod agora, depois comento sobre o tema….. abraço!

  • Luciano Coelho Alves

    Como diz o BIBO “Muito bem! Muito bem!” eu racho de rir, pois nada a ver.

    A menor parábola porém muito ensinadora. Jesus faz ligação indireta quando resume os mandamentos contribui para o crescimento da “sua semente” Outra “pequena semente” que se tornou grande foi o início do ministério de Jesus com os discípulos, hoje aquela “pequena semente” está gigante (igreja).

    Abraço,

  • Alguém me ensina ai outro método de estancamento porque algodão não dá mais jeito.kkkkkk!!!!meu tipo sanguíneo A+,vou precisar de transfussão!!!!Ainda nem me recuperei do pod Trindade q Já oouvi 4 vezes!e ainda é pouco!!!vou baixar e ouvi..valeu turma do BT!

  • Ótimo podcast!!!

    Gosto muito de parábolas (analogias) e admiro a inteligência de Jesus em se comunicar desta forma.

    Na parábola do joio e trigo, sempre fiquei pensando que os dois CRESCEM juntos, recebem as mesmas chuvas, recebe a mesma luz do sol e os adubos, tudo igualzinho. Assim, só mesmo o Senhor quando colher é que sabe diferenciar quem é quem, não cabe a nós dizer que este é joio ou aquele não é.

    Valeu galera, os escuto sempre, só preciso me acostumar a vir aqui comentar.

    PS.: Obrigado pela indicação do GraçaCast (Achando Graça), vcs são referências para nós!

    Abraço,

    Franklin Almeida
    http://www.achandograca.com.br

  • Galera do Bt.sobre Mateus 13.33 tenho um pergunta.Eu tenho um livro que li a muito tempo e logo que vi este pod me veio a memória certo trecho do livro que deixo abaixo,e pergunto:Seria possível tal interpretação de mateus 13.33:
    1. A interpretação errônea da passagem. Um exemplo disso seria a interpretação popular que se faz da Parábola do Fermento, em Mt 13.33, pela qual a “mulher” (a igreja) põe o “fermento” (o evangelho) nas “três medidas de farinha” (o mundo), com o resultado que “ficou tudo levedado” (isto é, que o mundo todo torna-se convertido a Cristo). Com esta interpretação não podemos concordar, pela seguinte razão: o evangelho é coisa boa, mas o “fermento”, como usado nas Escrituras, é alguma coisa má que deve ser evitada. Por exemplo em Êxodo 12.8,15-20, o fermento foi excluído das casas hebréias na noite da Páscoa, como também das ofertas de suave cheiro em todo o Velho Testamento. Em Marcos 8.15-21 e Mt 16.11,12; e Lc 12.1, Cristo refere-se ao fermento como símbolo de falsas doutrinas e hipocrisia dos fariseus, saduceus e Herodianos. Paulo em I Co 5.6,8 emprega o mesmo simbolismo para significar o “fermento da maldade e da malícia”, em contraste com “os asmos da sinceridade e da verdade”. Não é possível que o fermento represente em um caso uma coisa boa e em outro caso uma coisa má. Por conseguinte, a nossa interpretação da parábola do fermento é, que a “mulher” (a falsa religião), introduz, não o Evangelho, mas sim uma doutrina adulterada no meio dos homens. Foi isto mesmo que aconteceu nos séculos posteriores quando a igreja tornou-se o que vemos hoje na Igreja Católica Romana, cheia de invencionices, como a mariolatria, a adoração aos santos, o celibato, a infalibilidade papal, celebração de missa, salvação pelas boas obras, etc. Esse “fermento” penetrou em toda a massa humana exatamente como a parábola predisse. Este é apenas um caso de interpretação errônea, que aparece entre muitos.

    Olson, Nels Lawrence, 1910- 062P OS Plano divino através dos séculos : estudo das dispensações / N. Lawrence Olson. – 6. ed. – Rio de Janeiro : Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1981. 1. Dispensações 2. Escatologia I. Título

    Bem turma,particulamente prefiro a interpretação dado por vcs,pois o texto nos apresenta a palavra semelhate,explicada pelo Alex..Ou seja,comparar o Reino como uma coisa não agradavél como o fermento no texto acima não cabe.
    ótimo Pod!!valeu

  • Fabio Vilas Boas

    E ae pessoal …
    Curti Muito o podcast, escutei hoje fazendo minha caminhada, foi uma experiência muito bacana, mas agora vou ouvir com calma e voltar aos pontos abordados!
    Mais uma vez, parabéns pelo conteúdo, foi muito bom escutá-los nos podcasts semanais! rs!
    Deus os Abençoe e capacite cadas vez mais!
    Abraços.

  • Junior Peres

    1ª Bibo vc fala aos 13:20′ que o Marlon e Brão fazem parte da equipe, mas no menu QUEM FAZ não tem perfil deles, e em todo o site só tem um banner do Brão mas nada do Marlon. Poe um crédito mais destacado deles aí, não esqueça que o conteúdo blog é tão relevante para os ouvintes quanto o conteúdo dos podcasts.

    2º Quem é o Jeremias que vocês falam? É o Joachim Jeremias?

    3º O gato aos 46′ foi genial.

    PS.: O que é que o homenzinho está catando na árvore da capa?

    • Bibotalk

      Tá certo J. Peres

      preciso fazer o perfil deles por lá.

      é que somente em podcasts mais antigos é que cito o Marlon.

      valeu

    • Mac

      Junior,

      Sim, é do Joachim Jeremias sobre quem falávamos no pod.

      Na árvore são potes de mostarda, desses de lanchonete 🙂

      Ps: Repare que na arte tem um pombo mandando ver num sanduiche, hehe.

  • Elionai Dutra

    Muito bem, muito bem, muito bem! (rsrs)

    Bibo, eu também não sabia da participação do Marlon. O Brão já apareceu no BTLive 001 e, por meio do blog, conheci as obras dele. Mas o Marlon até então era uma incógnita rs, já li alguns comentários dele, contudo fica a sugestão de um BTLero com a participação do Brão e do Marlon apresentando algumas ideias pra gente aí!!

    O conteúdo deste pod foi enriquecedor (da alma)… Fiz algumas anotações e ficou a dúvida: J. Jeremias diz que no texto de Mc 4. 30-34 há, no início, um “dativo” (que o Alex explica como objeto indireto), que segundo o J. Jeremias deve ser interpretado como uma comparação e não uma metáfora. Vocês poderiam exemplificar um pouco mais esta diferença e a utilização do “dativo”?

    Um abraço!

    • Alex

      Primeiro temos que entender a diferença entre nominativo, acusativo e dativo.
      Exemplos:
      Eu sou o caminho (Jo 14.6). Eu é pronome (sujeito da frase). O caminho é nominativo.
      Que o próprio Deus, nosso Pai, e nosso Senhor Jesus preparem o nosso caminho até vocês. (1Ts 3.11). Caminho é acusativo (objeto direto). Indica o que deve ser preparado.
      lhes contou como, no caminho, Saulo vira o Senhor, (At 9.27). O caminho aqui é dativo. Objeto indireto.
      Em grego caso indica função, logo se na primeira frase caminho fosse dativo, então Jesus não seria O caminho, mas estaria num caminho.
      Nas parábolas em questão o dativo se encontra na construção da comparação, o Reino de Deus é como…
      Em Mt 13.33 e 47 o grão e a rede estão no dativo. Então a tradução seria acontece com o reino de Deus assim como acontece com a rede. E não como tradicionalmente proposta: O reino de Deus É como um grão/rede. A intencionalidade do dativo é comparar o modo/processo, não fazer uma identificação (metafórica) entre duas coisas (como p. ex. Jesus é o caminho).
      Abraços
      Alex.

      • Elionai Dutra

        Com esta explicação ficou bem claro.

        Muito obrigado Alex!

        Um abraço!

  • Pessoal vocês SEMPRE me surpreendem com a qualidade do material! Parabéns por mais uma vez me ensinarem a olhar o texto com contexto! digo isso em relação a parábola do joio ser para a igreja ou para o reino!

    Só Não entendi uma coisa, vocês irão responder com mais frequência via e-mail ou comentários aqui no blog?

    Abraços e PARABÉNS!

    • Bibotalk

      Felipe, dúvidas é legal colocar por aqui mesmo, assim a gente, quando tem tempo, responde e abençoa mais pessoas. Quando dermos uma mancada, pode deixar por aqui, mas não leremos no concílios e guilhotinas.

  • José Carlos

    Estou atrasado. =O
    Mas vou ouvir. o

  • Arilson Saw

    Em ultima analise, muito bom!!
    abraço, saúde e paz!!

  • Muito legal os podcasts. Ou vi uns 3, jah.
    conheci ontem o site, depois de ouvir um podcast do irmaos.com.
    Também sou formado em filosofia e gostei muito dos temas.
    Também gostei de não ter que ouvir “olá, pessoas” no começo de cada podcast. hehe
    ABraços!

  • Luciene Pimentel

    Excelente episódio, como sempre, é muito legal ver a evolução desse podcast. Avante, meninos, para a glória de Deus, abç.