BTCast 149 – Pornificados

 

Muito bem (3x), BTCast 149 no ar! Bibo conversa com o Pedro do Movimento Mosaico e o mantenedor Henrique Rebello sobre pornografia.

Nesse episódio, entenda a semelhança entre pornografia e a necrofilia, saiba porque ela vicia, descubra como fugir desse mal e aceite: ela nunca vai acabar, porém, você pode parar a demanda!

PROMOÇÃO TEOLOGIA É VIDA (caso o formulário não abra abaixo, clique aqui)

Arte da capa: Guilherme Match (conheça o trabalho dele aqui!).

LINKS COMENTADOS

LIVROS

  • LIVRO – A VERDADE NUA E CRUA (JOSH MCDOWELL)
  • LIVRO – Hooked: New Science on How Casual Sex is Affecting Our Children de Joe S. McIlhaney Jr. e  Freda McKissic Bush
  • EBOOK (GRATUITO) – VÍCIO EM PORNOGRAFIA, COMO PARAR, aqui.
  • @BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza | @meunomeehefziba
  • facebook.com/bibotalk | twitter.com/bibotalk | instagram.com/bibotalk
  • Assine nosso canal no Youtube, clique aqui!

  • Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast
  • Envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com, ou no botão “Gravar Efeito BTCast!” no canto inferior direito da sua tela!
  • Categorias: BTCast,Podcast

    Tags: ,,,,,,,,,,,,

    • Lourival Gonçalves

      É um assunto bem cabeludo .kkk.Depois volto e deixo umas dicas.

    • Lourival Gonçalves

      tempos atrás realizamos um bate papo sobre o tema,e um dos vídeos apresentados ao jovens foi do josh mcdowell https://www.youtube.com/watch?v=w5Q2zWYBphk
      Assistam,é muito bom.

    • Adriely Sanglard

      Abordaram o tema de maneira sensacional
      Primeira vez que encontro um material que discuta o assunto sem dar “tiro no pé”.Muito bom! Acabo de conhecer o Bibotalk e já me tornei ouvinte fiel
      Gostaria do número para cadastrar ( via Wpp) pois não encontrei nos comentários.

    • Matheus Ramos de Avila

      Estava meio desatento e de repente ouço o Bibo “Eu sou um cara que consome…”
      JÁ FICO GRILADO ESPERANDO UMA CONFISSÃO E ELE SOLTA “podcast”.

      UFAAAA!!

    • Lourival Gonçalves

      Me amarrei no aplicador desse episódio @abnermelanias:disqus. Eu não conhecia vocal Livre.Mande mais por favor.kkkk
      Seria Legal o Amplificador ser no início.Eu disse seria.kkk

    • Gercicley Oliveira Carvalho

      Esse ebook disponibilizado no link não é mais gratuito. Pelo menos não no vídeo descrição.
      A propósito, mais um excelente btcast!

      • HENRIQUE REBELLO

        Olá Gercicley. Realmente acessei o link e vi que atualmente a atividade do site migrou para um método de ajuda, com um forum, e com a compra de um novo Ebook com um passo a passo para vencer o vício. No entanto o ebook citado na postagem ainda esta disponível, ele é um livro instrutivo, enquanto o novo (pago) é um livro de ações práticas, com dicas inclusive para bloquear sites.
        Segue abaixo o link direto para o download gratuito, ofertado pelo próprio site citado:
        https://drive.google.com/file/d/0B_ZBYrwrvOuJbHozT3Fib0VmMTg/view

        • Gercicley Oliveira Carvalho

          Opa, excelente.
          Muito obrigado pelo retorno e parabéns pelo seu trabalho Henrique, que os Espírito Santo renove suas forças diariamente nessa “cruzada” tão necessária.

    • rafael_miolow

      Quem acha que pedofilia é só mais um degrau inevitável no consumo de pornografia, é melhor procurar tratamento psicológico, porque isso definitivamente não é normal.

      • Letícia Arnold

        Eu concordo contigo, mas tenho que dizer que ao meu ver nem a pornografia deveria ser algo visto como normal.

    • Samuel

      Alguém aqui é do grupo do bibotalk do Ceará? Quero entrar..

    • Fala, cabras! Gostei demais do episódio! Uma coisa que acabou me lembrando é que durante a minha adolescência – no tempo do vídeo-cassete – tive poucos contatos com o pornô e amplo acesso a revista como Playboy e Penthouse. Já adulto é que o acesso a videos on-line e confesso que mesmo atraído sentia um certo desconforto. Sempre me causou uma sensação de degradação do outro, de artificialismo e violência, o que é bem contrário ao sexo (ao qual sempre entendi como dotado de certa vulnerablidade).

      Um ponto que atiçou minha curiosidade – e foi brevemente mencionado – foi a questão dos “sex toys”. Seu uso estaria associado a pornografia? Confesso ter entendido isso, o que me lembrou o “Amor, sexo e outros prazeres a dois” do Mark Driscoll e do seu posicionamento (pouco ortodoxo) sobre o tema.

      No mais, quero agradecer a menção ao episódio do Os CabraCast e aproveito para destacar que foi com os cabras lá do Clube Love! Abração a todos! Parabéns pelo episódio!

      • opa, sou totalmente a favor do uso. Erotismo não é pornografia!

    • Victor

      Achei muito bom o cast. Tenho visto que a discussão sobre isso no meio cristão tem crescido, o que é muito importante, diante de uma geração assim. Já vi igrejas que simplesmente não discutem sexo por considerarem de via privada, o que é um erro gravíssimo. Creio que a sensação do que se passa na cabeça de um viciado em pornografia foi bem descrita. Digo isso como um ex-viciado nisso (a meu ver).

      Fui um desses que achava que isso passava com o casamento, o que não é verdade. Mesmo depois da conversão, ainda passei um bom tempo com esse problema e ainda quando pensei que ele tinha passado, certa época ele voltou, particularmente, quando minha esposa teve que se ausentar, e às vezes, no trabalho também. Aí eu percebi que ele só estava camuflado. O que definitivamente me ajudou foi confessar tudo para minha esposa. Foi humilhante! Pra ela, foi decepcionante. Ela nunca teve contato com essas coisas e achava que o relacionamento com ela bastava (não temos problemas sexuais, graças a Deus!) e não entendia porque eu não conseguia largar. Depois de muita conversa, ela entendeu e me ajudou. Toda vez que eu não conseguia passar a vontade de ver, eu falava pra ela, e ela me ajudava em oração, e sempre me pergunta quanto tempo faz que não vejo. Acho que hoje, deve fazer mais de um ano, desde a última vez, e não tenho sentido vontade de ver, graças a Deus.

      Mas, nesse ponto, há um porém. Como falaram muito acertadamente no cast, o vicio é algo que você tem que lutar a vida toda. Então eu me policio nos meus pontos fracos. Por exemplo, já vi que, algumas vezes, já sugeriram filmes com algumas cenas de sexo aqui, no Contraponto. Acho que pra algumas pessoas não deve haver problema. Para um ex-viciado, ou alguém que via pornografia com muita frequência, essas recomendações não servem. Eu conheço o filme que o Bibo recomendou. Não o recomendaria para alguém que está enfrentando esse problema. Por que? A mente de um cara preso nesse problema fixa cenas de sexo com uma facilidade incrível. Mesmo as não tão explícitas, a mente grava, mesmo sem querer, e uma hora, a pessoa se interessa em ver uma foto ou cena com determinada atriz, porque achou bonita, e acha uma cena, ou algo tipo coisas do site BOL (que deveria ser proibido para pessoas assim também – dica!), e vai numa crescente, de algo leve ou mesmo sem partes nuas, até algo mais explícito, e quando ele se percebe, já não pode controlar (ou dificilmente), e já está novamente afundado. Ele tem que parar no início, senão já era! Já tentei até oração, jejum…..se ele se permitir a primeira cena ou foto, ele vai cair! Por isso, me policio muito quanto a filmes, séries. Simplesmente, não vejo. Séries da HBO, Jessica Jones (que já ouvi falar que é pesado), filmes muito bons como Shame – podem ser excelentes, mas não valem a conseqüência (eu digo isso para os que estão passando por isso – a quem pode controlar, tranquilo). Depois de muito tempo sem ver, você vai se acostumando a não pensar nisso, mas nunca é bom testar se você está firme. É melhor fugir dessas coisas! Bom, fica meu testemunho! E a dica: quando forem sugerir filmes ou séries, de maneira pessoal, procurem antes saber se a pessoa tem ou já teve problemas com pornografia (talvez em podcasts, basta dizer que tem cenas fortes). Abração a todos!

    • Ezequias Campos

      Vou ser o dissidente aqui nos comentários. Peço perdão adiantado se me acharem agressivo. Acompanho o trabalho de vocês a um tempo, e, ao contrário do Bibo, este é o ÚNICO cast com conteúdo teológico que ouço, em outras palavras, tenho muita estima pelo trabalho de vocês.

      Vamos lá.

      Como é que é? Começa com a playboy e vai para a pedofilia? Então, daqui a pouco para o sexo mineral e vegetal porque com animais não é suficiente? Com a devida vênia, uma visão infantil, desinformada sobre a natureza da sexualidade humana. Melhor dizendo, uma visão meramente dogmática, cheia de preconceitos. Honestamente me assusta o que um pensamento desse seja capaz, de onde pode chegar, sinto uma verdadeira falta de empatia com o mundo fora das paredes da igreja, onde pessoas diferentes devem conviver. Sim, isso tudo com esta frase.

      Esse é um assunto longuíssimo, respeito a forma como se pensa a respeito (e bem que concordo, em partes), eu sei que esse assunto é bem espinhoso. Mas ele merece uma OUTRA visão, e não só a dogmática, só peço para pensarem em fazer como fizeram no episódio no cast sobre evolução e chamarem bons ESPECIALISTAS no assunto, e não só na doutrina, mas na ciência (antropólogos, sexólogos, psicólogos, etc) que podem falar bem sobre o assunto, tenham coragem de se aprofundarem neste assunto (e saiam do lugar comum que os os demais casts fazem quando lidam com ele), isso tudo com respeito a pessoa humana.

      • Letícia Arnold

        Achei bacana a ideia de chamar alguém da área da psicologia & afins para conversar sobre o tema. Fica a dica para um plus deste episódio…

      • Alexander Stahlhoefer

        Olá Exéquias,

        O espaço do contraditório está sempre aberto em nossos comentários, sem necessidade de pedir desculpas. Você pode e deve sempre expor seu pensamento e discordar de nós e dos convidados. Muito obrigado pelo comentário e pelo pedido! Em um ponto concordamos contigo: é importante ouvir vozes de especialistas em outras áreas do conhecimento para ampliarmos nossa visão sobre um determinado assunto.
        A questão que nós nos colocamos neste episódio, porém, é de outra natureza: analisar o fenômeno da pornografia sob a perspectiva da moral cristã.
        Uma vez que tínhamos uma questão moral (embora também psicológica e comportamental) precisávamos olhar para ela sob este ponto de vista. Outro ponto importante para comentar é que, em se tratando de ciências humanas (psicologia, antropologia, sexologia), não há ciência amoral e normativa. Todos estes campos, embora em boa medida naturalistas (pela lógica de Laplace excluem a hipótese Deus) e por esta razão supostamente amorais (ou supramorais?), não partem do mesmo ponto de partida da teologia e consequentemente da moral cristãs. Uma vez que não concebemos uma separação entre moralidade publica e privada (cf. o modelo Kantiano) e muito menos uma separação entre dogma e moral (cf. o liberalismo) não há como esperar que uma análise do comportamento humano a partir da teologia se dê sem recurso ao próprio arcabouço moral contido nos dogmas cristãos. Logo, não creio que um psicólogo ou antropólogo que parta de um ponto de vista filosófico diferente daquele proposto pela ortodoxia cristã possa dizer algo que nos seja normativo em termos de moral. Explico: se pesquisas comportamentais demonstrarem que um número X de seres humano sob circunstancia ’n’ se comportam de modo Y, isto vale como evidencia cientifica. Se a experiência for repetida e comprovada como válida (por ter dados mesmos resultados sob mesmas circunstancias com outro grupo de indivíduos) poderá ser tomada como válida ou verdadeira. A questão é: o resultada da observação é verdadeira, mas seria também normativa? Isto é, o fato de ser verdadeira não faz dela uma determinação (não obriga o ser humano a agir sob a circunstancia ’n’ de modo Y). Com isto quero dizer, a ciência pode descrever uma “natureza da sexualidade humana” que satisfatoriamente represente um corte da realidade, mas mesmo esta natureza não é a natureza em si, mas uma compreensão da realidade a partir de um certo ponto de vista. Seria bom ouvir alguém que pesquise este corte da realidade, embora em termos morais, não posso considerar suas observações como normativas.
        Isto porque se a ciência exclue (por questão metodológica – e com razão) a hipótese Deus, a teologia parte deste pressuposto. Se a ciência produz afirmações verdadeiras, a teologia parte da verdade revelada. Logo a primeira não tem como ser normativa, senão apenas descritiva, a segunda, por sua vez, é normativa e busca diálogo com a visão descritiva, mas não precisa, de modo algum, se colocar em posição inferior, uma vez que a ciência não tem caráter normativo, senão apenas a Escritura.
        Espero que nosso ponto de vista possa ter ficado claro pra ti. Não estamos fechados pra outras vozes, mas também não temos como não partir do nosso ponto de vista moral.
        Abraços

        • Victor

          Muito bom! Vi muito do que li em Schaeffer nesse discurso do Alex.

          • Alexander Stahlhoefer

            E se eu te disser que nunca li Schaeffer? Mas a referencia foi bacana 🙂

        • Ezequias Campos

          Deveras, eu entendo o ponto do cast (“teologia é nosso esporte).

          Mas a terra não é plana, ela não fica no centro da galáxia, quiçá do universo (ou qualquer coisa fica no centro, a depender do observador, mas enfim…). Miasmas e mal olhado não passam maldições e doenças.HIV não é doença apenas de homosexuais. O ponto é que FATOS devem ser observados de maneira sóbria mesmo diante de um pressuposto teológico. E sem discuti-los… bom… vamos continuar queimando um giordano bruno aqui e acolá.

          Não discordamos tanto. Mas a forma como algumas premissas foram avaliadas… bom, ficou aquém o que eu espero de um debate teológico.

          Mas também sou um cara que foi expulso da escola bíblica dominical.

    • André Lopes

      Caros, muito bom esse episódio, achei muito legal a ideia de associar todo o mal que está por trás dessa indústria pra criar a repulsa na luta contra isso. Que Deus abençoe e dê forças a todos os que lutam contra esse vicio que causa muito mais dano que prazer.

    • Mateus

      Cara, é muita propaganda/informação, antes do assunto mencionado, tem que diminuir, mais de 10 minutos para entrar no assunto !! Penso que isto precisa ser ajustado.

      • Alexander Stahlhoefer

        Amigo, às vezes pode realmente ficar alongado e cansativo, pedimos desculpa se foi esse o caso. Por outro lado queremos continuar entregando um podcast teológico semanal, além de outros materiais como vídeos e livros, o que consome tempo e recursos. Para isso não há outra maneira a não ser anunciar, sejam livros que vendemos (e através deles sustentamos o blog) seja através do convite para ouvintes se tornarem mantenedores é assim permitirem q o Bibo se dedique integralmente ao projeto. Sem isto teríamos provavelmente parado a algum tempo. Pode ser chato, mas é necessário. Só pedimos compreensão. Abraços

    • Bah, muito interessante. Em uma perspectiva histórico-filosófica, estamos retornando à era trágica dos gregos tal como Nietzsche previu e projetou que aconteceria. A pós-modernidade como período pós-cristão é um retorno à vivência “ética” antes de Cristo (a. C). A sexualidade e a “pornografia” era muito comum entre os gregos, principalmente em estátuas públicas e na adoração de divindades como Diana, Artemis, Hédone, Dionísio, etc. Hédone (de onde vem a palavra hedonismo) é filha de Éros com Pisquê. Foi a visão de mundo judaico-cristã que rompeu com este tipo de pensamento. As crianças deficientes, por exemplo, eram jogadas em um penhasco (na pós-modernidade, o aborto e o After-birth abortion). Com a pós-modernidade, todas estas práticas retornam com força como um retorno à visão de mundo grego. Recomendo a leitura de “A parte do Diabo” e “A Sombra de Dionísio” de Michel Maffesoli; “Depois da Cristandade” e “O Fim da Modernidade” de Gianni Vattimo; “O Anticristo”, “A filosogia na Era Trágica dos Gregos”, “O Nascimento da Tragédia” e “O Caso Wagner” de Friedrich Wilhelm Nietzsche; “Somos Todos Canalhas” de Clóvis de Barros Filho. A pornografia não está só nos vídeos ou em fotos, mas nas músicas da Katy Perry ou do MC Dudu, assim por diante. Não duvido que um dia ela estará disponível às crianças a partir de uma reivindicação da “igualdade etária” como direito de todos a tudo, como previu Aldous Huxley em 1936.

      Assim, a questão da pornografia nunca foi totalmente eliminada da história, mas com a pós-modernidade ela se intensifica por causa do rompimento efetuado com a moral cristã onde cada um quer viver sua “Vontade de Potência” ao máximo.

      Quis fazer estas considerações porque são o fulcro do meu TCC. Continuem trabalhando com temas relevantes como este. Estes “tabus” precisam ser tratados na igreja, pois a família está em crise também por causa da erotização do mundo. Abraço à equipe BiboTalk.

    • Daniel Cardoso

      Hey! Queria começar pedindo minhas sinceras desculpas. Escuto vocês à mais de um ano,e posso dizer que nunca fui tão edificado a partir de conteúdo cristão na web quanto com vocês! Minha caminhada cristã tem acompanhado seus podcasts e bebido muito deles, sendo que hoje sou quem sou muito por causa do vosso conteúdo, e mesmo assim não comentava, não me manifestava de jeito nenhum, por achar que não tinha tempo ou por achar que nunca veriam meus comentários, algo assim. Então peço meus sinceros perdões a vocês. Bom, falando do podcast, achei super descontraída e prática a abordagem de vocês, obviamente não foi totalmente abrangente (afinal isso é impossível em um tempo limitado como o do podcast) e isso meio que afetou algumas pessoas como pude ver nos comentários abaixo haha, deveriam entender que o podcast tem um objetivo introdutório em grande parte. Enfim, amei o diálogo e infelizmente pude me identificar em algumas situações, afinal já fui um “porn addicted”, felizmente me libertei disso à alguns anos. Porém, com certeza teria me libertado há mais tempo se tivesse tido acesso a tais diálogos e esclarecimentos como os de vocês, enfim, mesmo assim pude entender muito como esse vício me prejudicava em todos os sentidos. E outra coisa, realmente o papel da família é essencial para impedir que a futura geração tenha esse problema, meus pais tinham uma atitude bem como a que vocês falaram, que ahh, não pode pq.. não pode. Sem chegar a me explicar o porquê. O que me prejudicou bastante. Não os culpo, mas faz falta uma abordagem diferente em muitas famílias. Enfim, que Deus abençoe vocês, suas famílias e seus trabalhos aqui, neste portal que tanto foi usado pelo Espírito Santo para me edificar e a outros!

    • Rachel Carolina Oliveira Almei

      Oi Gente! Olha vcs arrasam! adoro ouvir vcs! os conheci atraves do irmãso .com e depois de ouvir todos os podcast deles, resolvi explorar o site um pouco e me deparei com os btcasts. Foi amor a primeira hemorragia nasal rssrsr .
      Entao em tres meses já ouvi quase tudo pra trás e estou adorando!
      continuem fazendo esta obra maravilhosa
      indico vcs para todo mundo e todos estão amando
      Parabéns , Deus abençoe vcs

    • Daniela Marques

      Meu amado esposo é um viciado … Viciado em BTCast! E por conta desse vício descobri a citação do blog Salve Meu Casamento nesse episódio e fiquei muito feliz, hehe. Agradeço a confiança de vocês no meu trabalho e com certeza vou divulgar o pod em minhas redes! Parabéns, sempre que posso escuto algum episódio e curto muito! Abração galera! 😉

      • HENRIQUE REBELLO

        Valeu Daniela. Acompanho seu trabalho e recomendo seu livro “O Coração Vermelho” a todos os ouvintes do Bibotalk, principalmente aos que tem filhos, é um excelente livro infantil mas com uma mensagem para todas as idades. E continue seu edificante trabalho no seu site, pois assim como ele tem sido uma excelente ferramento em meu ministério, sei que tem sido uma ajuda excepcional para muitos.