BTCast 141 – Dons Espirituais

 

Muito bem (3x) começa mais um #BTCast, o seu podcast semanal de teologia. Bibo e Cacau conversam com Augustus Nicodemus sobre os dons espirituais e o cessacionismo.

Neste episódio entenda o papel do Espírito Santo no Antigo e Novo Testamento, saiba qual a função dos dons espirituais no mundo, assuma seu carismatismo e descubra se existe o dom de músico hehe.

Arte da capa de Guilherme .Match conheça o trabalho dele aqui.

Assine o feed do novo podcast da família Bibotalk, clique aqui! Ouça o primeiro episódio aqui!

  • @BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza | @meunomeehefziba
  • facebook.com/bibotalk | twitter.com/bibotalk | instagram.com/bibotalk
  • Assine nosso canal no Youtube, clique aqui!
  • Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast
  • Envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com, ou no botão “Gravar Efeito BTCast!” no canto inferior direito da sua tela!
  • Categorias: Azusa,BTCast,Podcast

    Tags: ,,,,,,,,,,,,,,

    • Thais Arruda Vigiano

      Ouvindo e mega esperançosa de tirar essas mega dúvidas sobre o dom de línguas!!!!

    • Mitomari Neto

      Muito bom, pessoal! Como sempre, o conteúdo foi excelente! Um tema controverso como este deve ser abordado com sensatez. Sou batista e sempre acumulei muitos pensamentos acerca dos dons espirituais, pois as opiniões sempre nos chegam muito poluídas pelos extremismos e quando tentamos ser sensatos na análise parece que somos peixes fora d’água. Muito obrigado pelos esclarecimentos. Deus esteja!

    • Jonatas C. D.

      hahaha ótima vírgula sonora!!

    • Rafael Batista

      Muito bom! Tem que ouvir umas duas vezes! Deus abençoe vocês!

    • Thais Arruda Vigiano

      Seria bem legal ter um teólogo pentecostal tbm pra mostrar um pouco sobre uma outra opinião, outra linha de pensamento.

      • temos um btcast sobre batismo no ES com pentecostais, tá bem legal!

    • Gustavo Lugoboni

      Olá chapas da BTcorp.

      Muito bacana o cast, curti bastante a profundidade com a qual o tema foi tratado. Com direito até ao Pr. Nicodemus falando “em linguas”(em grego) no meio do programa para demonstrar um ponto.

      Quando falaram sobre a parada de Paulo não ter conhecimento sobre os acontecimentos do pentecoste fiquei pensando na situação de Paulo indo a um culto na igreja de Corinto, ou até mesmo um membro daquela igreja, onde pela primeira foi manifesto o dom e os crentes passaram a falar “noutras linguas”, porém, sem ninguem com o dom de interpretar as mesmas.

      Como se identificou se tratava-se de um idioma humano ou angelical? Como Paulo poderia saber se é só um idioma que ele não conhecia ou se era um idioma que ninguem mais conhece?

      A não ser que o próprio Deus tenha revelado isso pra ele, imagino que essa dúvida tenha ficado no ar.

      Por exemplo, hj em dia, quando alguem fala em línguas em um culto, geralmente é claro que é uma lingua “angelical” simplemente pq são alguns sons que evidentemente não respeitam nenhuma sintaxe, e a não ser que tenham um dominio semântico abissal, também não possuem dominio semântico compreensivel. Nisso identificamos, empiricamente, uma lingua angelical

      Mas e se isso for apenas cultural? Apenas tradição passada de geração em geração nas igrejas, partindo do inicio do movimento carismático que buscava esse dom de linguas?

      Talvez entre o argumento de utilidade do dom dado por Deus na questão? Tipo, as linguas humanas Deus daria quando alguem que fala aquele idioma estivesse no local, a fim de que ele entendesse a mensagem, como em Atos.

      E quando alguem fala em linguas e ninguem entende, então seria porque Deus nao tinha a intenção de utilizar aquilo pra proveito algum, além de mostrar para pessoa que está falando que Ele esta ali presente, edificando então o dotado?

      E nesse segundo caso, não faria então diferença a natureza do idioma falado?

      Abraços!

    • João Lucas dos Santos

      “Paz do Senhor, irmão!”
      huahuahuahuahuahuahuahuahuahuahua!!! Rindo até Jesus voltar.

      Att,

    • Welber Martins

      Bah para mim é bem simples agora, o Dom de línguas era um necessidade para um povo de uma região aonde se falavam muitas Línguas. Era uma solução temporária , para o “problema” causado em babel, dado pelo espírito santo . Ou seja a necessidade do dom ďe línguas é era só para aquela época. E hoje praticamente temos uma língua universal o inglês (há ñ ser creio em casos extremos)…

    • Gostei de conhecer a visão cessacionista do Augustus Nicodemus, embora eu não concorde com ela, nem mesmo que cabe aos pentecostais provar que o cessacionismo está incorreto. Gostei muito da abordagem dos dons serem ferramentas que podem ser bem ou mal manejadas, nunca pensei por esse ponto de vista, acho que faz sentido. As explicações foram muito boas, mas exigem maturidade dos ouvintes. Extremistas podem pegar essa conversa para atacar o pentecostalismo ou até o cessacionalismo. É realmente um tema muito interessante.

      Levo muito a sério buscar base bíblica para a prática do cristianismo. Nunca enxerguei base bíblica para o dom de línguas ser evidência do batismo no Espírito, da mesma forma que não enxergo que tenha ocorrido algum tipo de extinção do dom de línguas, ao contrário. Tenho esse dom, não me sinto especial por isso, e procuro usar com sabedoria. Quando ocorre comigo a manifestação desse dom, realmente sou muito edificado e, como a Bíblia me orienta, guardo-o para mim na ausência de quem interprete. O problema é que há muitos que por falta de maturidade ou excesso de cara de pau criam um falso dom de línguas, denegrindo a imagem dos demais. Isso ocorre também com tantos outros dons. Assim como também há práticas esquisitas e não justificáveis, mas precisamos saber analisar cada coisa individualmente à luz das Escrituras.

      A nível de curiosidade, ao falar em línguas o cristão é “compelido” a fazê-lo como se levasse um “pequeno empurrão”, mas permanece no controle de suas faculdades mentais e físicas, nunca descontrolado ou fora e si. Experiência espiritual que tira a consciência do ser humano não é do departamento celeste, se vocês me entendem.

      Abraço!

    • Victor

      Gostei do episódio. Sinceramente, achei que seria pior…rsrsrsrs…mas não foi tão “chocante”, mesmo que não concorde com todas as posições do Rev Nicodemos. Achei que iriam falar mais da questão da profecia no novo testamento e do dom de profecia que é bem enfatizado em Coríntios. Já vi alguns que consideram a profecia como a pregação, o que não faz muito sentido pra mim…rsrsrs. Mas já vi várias “profecias”, como revelações da vida pessoal de irmãos, que alguns atribuem ao dom de “palavra de conhecimento”, não profecia de novas doutrinas, com dito pelo Reverendo. Acredito que o novo testamento não fala em profecia nesse sentido, mas de edificação e consolo na vida particular de irmãos que precisam, mas revelado de forma sobrenatural, que não tinha como a pessoa saber (tipo Jesus em João 4).

      Uma pena que nem todos concordem ainda que os ditos “dons espirituais” de 1 Coríntios 12 são atuais. É inegável que esses dons tenham, de certa forma, ressurgido na igreja no início do séc XX, pois esses dons especificamente (os de 1 Coríntios 12. 4-11), estavam meio que sumidos ou bem esparsos, tanto que surpreendeu muita gente naquela época e impulsionou o evangelismo pelo mundo todo nas décadas seguintes, independente da quantidade de maus testemunhos. Nesse sentido, vejo-os como uma real capacitação para a obra, muito embora a igreja como um todo necessite amadurecer no seu uso. Ao contrário do que o Reverendo falou, já vi pessoas que costumam curar as outras quando oram por elas, já vi algumas pessoas fazendo coisas sobrenaturais, já vi pessoas que sabiam o que iam acontecer com algumas pessoas, então….a experiência junto com a Palavra me levam a crer que esses dons são atuais. É um fato, não tenho como negar. E não eram pastores atrás de dinheiro, eram irmãos comuns. Isso me leva a um questionamento do porque esses dons são mais comuns em comunidades ou igrejas que procuram praticá-los do que em igrejas ditas mais “reservadas” com essas manifestações. Já frequentei os dois tipos de igrejas e isso realmente acontece. Será que não seria uma questão de “procurar com zelo” esses dons? Fica a pergunta. No mais, sensacional!

    • Gustavo Ribeiro Do Carmo

      Muito bom o episódio. Seria por acaso ou proposital que o apóstolo Paulo escreveu nos capítulos 12 e 14 sobre dons, e entre eles, no 13, sobre o amor??? Acaso ou pensado, vale lembrar que nenhum dom vale nada se não houver amor – isto está muito claro.
      Sugiro terem outro para falar um pouco de cada um dos dons citados na Bíblia – cessacionista ou não… vale a pena.

    • Caramba!!! Espetacular este episódio, aliás não chega a ser novidade.
      Mas com a participação do Reverendo Nicodemus (BTcaster honorário) é garantia de Hemorragia nasal.
      Muitas falas sobre os dons espirituais foram desmistificados, escamas caem dos olhos com um conteúdo assim.
      Queria agradecer o carinho e a consideração com o nosso Maná com Manteiga, na citação feita nos “Concílios e Guilhotinas”, pelo Mac. Valeu parceiro, estamos JUNTOS, tenha certeza que nós também somos super antenados no trabalho de vocês eu sou suspeito para falar… Teologia é o meu esporte.
      Um forte Abraço à essa BTFamily
      Fiquem com Deus e até a próxima.