BTCast 097 – Aqueles textos bíblicos

 

Muito bem (3x) mais um episódio do seu podcast semanal de teologia no ar. Neste #BTCast Bibo, Mac e Glória abrem suas bíblias e buscam curiosidades e interpretações naqueles textos bíblicos interessantes.

Nesse episódio saiba por que Jesus usou baba e barro para curar um cego, entenda o batismo com fogo, torne-se a rosa de Saron e anseie viver por vista, não por fé! Essas e outras curiosidades aqui, no #BTCast!

Links Comentados:

Curta nossa página: www.facebook.com/bibotalk

Assine nosso canal no Youtube, clique aqui!

Twitter dos integrantes:

@BiboBTcast | @Mac_Mau | @stahlhoefer | @milhoranza | @BelaDecepção

Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast

Envie seu comentário em áudio para podcast@bibotalk.com , ou no botão “Gravar Efeito BTCast!” no canto inferior direito da sua tela!

Arte da vitrine por JP. Conheça mais o trabalho dele aqui.

QUER O ARQUIVO ZIPADO? Clique aqui! (a versão baixa agora só zipada)

Para ouvir clique no PLAY e para BAIXAR cliquem em Download

Categorias: BTCast,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,

  • João Lucas dos Santos

    Let’s ouvir…

    Att,

  • João Lucas dos Santos

    Um recado para a Glória:

    https://www.youtube.com/watch?v=uKKK-LAc6gk

    kkkkkkkkkkkkkkkkkk…

    Att,

  • Jonathan Bonfim

    Vim por causa do Anticast e já ganharam meu follow, congrats.

    • Pow, valeu mesmo, Jonathan. Espero que aprecie o nosso trabalho.

      Abração.

    • Alexander Stahlhoefer

      Bem vindo Jonathan!

    • mano, só não se apaixona!

  • em algum lugar alguém me alertou para o fato de que foi o servo do centurião curado a distância e não a filha de Jairo… guilhotina no home

  • Gabriela Komura

    A tradução de acafrao no lugar de rosa de sarom faz sentido sim !pois o VERDADEIRO acafrao eh extraído da flor crocus sativus e eh caríssimo deem uma olhada nos preços !! Aquele outro acafrao baratinho eh chamado de acafrao da terra e eh retirado de uma raiz parecida com o gengibre!
    Btcast demais como sempre,sou de uma igreja pentecostal aqui do japão onde os pregadores não tem teologia e “achei” o btcast quando estava naquele período de olhos se abrindo sabe?! Vendo q o q pregavam não fazia sentido ao ler o texto todo, e fui direto no btcast sobre texto fora de contexto ,então eu gosto muito desse tipo de btcast que da um sentido mais profundo a textos mais simples! aprendi com vcs em meses coisas q em anos aprendi errado lá , e isso me preocupa e me revolta ,as vzs não tenho vontade de ir às vzs da vontade de chorar pois num momento de tanta vontade de aprender ter sempre que ouvir um texto fora de contexto e pregacoes absurdas não eh fácil ,e aqui não se troca de igreja como no Brasil pois nao temos muita opção !Em fim espero que entendam o que quero dizer ,queria poder explicar melhor a situação mais ai ia ficar maior ainda!! Desculpa o texto enorme e o desabafo só queria agradecer e dar os parabéns pelo podcast pois eh uma das minhas únicas fontes de aprendizado !!E só pra lembrar eu e meu marido entramos pro time dos Amilenistas rsrs obrigado por tudo e que Deus abençoe voces!!!

    • fique sempre a vontade aqui nos coments!

    • Glória Hefzibá

      Sobre o açafrão, meu problema com essa tradução é porque o contexto está referindo-se à flor, e muito provavelmente à beleza dela. Tanto que diz logo depois “o lírio dos vales”.

      Se a tradução melhor fosse açafrão, talvez o sentido teria de ser de raridade, mas o lírio dos vales, por exemplo, não parecia ser uma flor rara, e mesmo a rosa de Sarom para alguns era bem comum naquela região.

      Mas fica aí a curiosidade 🙂

  • Diego Silva

    Fala galera do BtCast!!! Excelente tema, já estou ouvindo!
    Quero também agradecer a vocês, pois agora tenho um podcast mto abençoado para ouvir durante o trabalho! E com assuntos teológicos que nos edificam e muito, e tem me ajudado também no seminário teológico onde estou fazendo o bacharel de teologia! Fiquem na paz!

  • Vanusa Lopes

    Vou ouvir agora

  • Lourival Gonçalves

    Acho que Jesus estava na Terra Média quando fez esse milagre de Marcos 8:22.Quando ele fez o cego enxergar o cara disse :Vejo homens, como árvores que andam.Noosssaaaaaa,eram ENTS.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Matheus Cardoso

    Olá, pessoal! Acompanho o BTCast há vários meses e tenho sido muito abençoado pelo ministério de vocês.

    Quero fazer uma observação sobre o 97. Vocês dizem que “os fariseus criaram, cercaram os Dez Mandamentos com 613 preceitos”. Muitos cristãos pensam que os fariseus criaram 613 leis extrabíblicas, além daquelas que estavam no Pentateuco. É isso que vocês quiseram dizer? Na verdade, 613 é o número de mandamentos presentes no próprio Pentateuco (conforme a contagem feita pelos mestres judeus). É importante observar que nem todos os mandamentos deveriam ser observados por todos os judeus. Muitos eram exclusivos para homens ou para sacerdotes, ou só podiam ser observados no Templo ou em Israel e assim por diante. Vocês podem conferir essas informações em qualquer obra de referência; até onde sei, não há discussão sobre isso. Embora esta não seja uma fonte acadêmica, aqui está uma lista de todos os 613 mandamentos com as referências do Pentateuco: http://www.inmental.net/613Mandamentos-Torah-pt.pdf

    Abraços!

    • realmente mano, dei a entender isso. Mas concordo contigo, esses 613 preceitos não são ampliações farisaicas, mas como eles leram todas as ordens e deveres dos pentateuco. Segundo MORACHO, eles formularam essas 613 “leis” complementares (248 mandamentos e 365 proibições) para servir de cercado aos dez mandamentos. Essas leis eram chamadas de tradição oral e tinha o mesmo peso da lei escrita.

      • Matheus Cardoso

        Legal, Bibo! Então apenas entendi mal. Escrevi porque tenho visto muito essa confusão, inclusive na denominação que frequento.

        Só uma coisa (rsrs): essas leis não faziam parte da tradição oral, porque estavam escritas na Torá. Na tradição oral, estava, por exemplo, o que vocês mencionaram: a proibição de cuspir (“regar”) no sábado.

        Mas não quero me delongar e dar uma de chato (rsrs). Me desculpem também se vocês já gravaram um BTCast falando mais sobre o assunto. Tenho ouvido bastante nos últimos tempos, mas ainda não ouvi tudo. Se quiser, pode até apagar o comentário, para não ficar poluindo.

        Que Deus continue abençoando muito este trabalho!

        • que isso, mano, com gente educada dá gosto de conversar, fique sempre a vontade.

          Então, minha fonte me traiu hahahaha Mas minha memória puxa aqui que já certa vez isso que confirma a tua tese. Se não me engano, a tradição oral depois virou, parte dela, a Mishna e o Talmud se não me falha a memória. Quem tu tá usando pra fundamentar a resposta?

          • Matheus Cardoso

            Sim, Bibo, é estranho que o Moracho diga isso.

            A tradição oral, com o passar do tempo, foi registrada no Talmude, que é dividido em várias partes (Mishna, Talmude Babilônico, Talmude de Jerusalém etc.).

            Dando uma revisada em fontes cristãs e judaicas, parece que realmente não há divergência: os 613 mandamentos estão no Pentateuco. Acho que a evidência mais clara disso são as listas que trazem as referências bíblicas (te passei uma no primeiro comentário). Mas é importante ter em mente que essa é a contagem tradicional feita pelos rabinos. Quem contar pode chegar a um número próximo, uns mandamentos a mais, uns a menos. Até entre os rabinos existia alguma diferença.

            Larry R. Helyer explica bem: “Os estudiosos judeus começaram a adaptar e ampliar os 613 mandamentos – negativos e positivos – encontrados no Pentateuco. Sendo que o alvo era assegurar tanta conformidade com eles quanto era humanamente possível, esses estudiosos tentaram tornar difícil quebrar um mitzvot [mandamento]. Eles fizeram isso ‘cercando a lei’, elaborando gradualmente outros mandamentos para circundar e proteger os originais. Obviamente, os 613 [mandamentos originais] rapidamente cresceram para um número cada vez maior de regulamentos. Essas novas sentenças não eram ensinadas de maneira escrita, mas oral. Desse modo, se tornaram conhecidas como a ‘Torá oral’ ou a ‘Tradição dos Anciãos (ou pais)’ (cf. Mt 15.2; Gl 1.14)” (Exploring Jewish Literature of the Second Period Temple: A Guide for New Testament Students [InterVarsity, 2002], p. 38-39). Esse livro está disponível no Google Books e é recomendado por estudiosos como Craig Blomberg e Donald Hagner.

            Estas são outras fontes que confirmam a informação: Marc Shapiro, “Commandments, 613”, em The Oxford Dictionary of the Jewish Religion (Oxford University Press, 2011), p. 179; “Commandments, The 613”, em Jewish Encyclopedia (Funk & Wagnalls, 1906), v. 4, p. 181; Thomas R. Schreiner, 40 Questions about Christians and Biblical Law (Kregel, 2010), p. 94; Frank Thielman, From Plight to Solution: A Jewish Framework for Understanding Paul’s View of the Law in Galatians and Romans (Brill, 1989), p. 51; Craig L. Blomberg, From Pentecost to Patmos: Acts to Revelation: An Introduction and Survey (Apollos, 2006), p. 132; “613 commandments”, Wikipedia (http://en.wikipedia.org/wiki/613_commandments). Todos esses livros estão disponíveis no Google Books.

          • Matheus Cardoso

            Que conversa legalista, né? hahaha

          • Matheus Cardoso

            Foi o outro comentário, mais longo?

  • muito bom, mano. Muito boa a colaboração. Volte sempre!

    • Matheus Cardoso

      Enviei por e-mail. Não sei se vale como guilhotina, mas seria interessante esclarecer o assunto em outro momento.

  • Valdair Pupo

    Olá! Vou acabar tendo anemia com tanta hemorragia nasal. rsrs. O golpe fatal foi quando a Glória falou sobre 2 Co 5.7. E no culto, após acabar de ouvir o BTcast, foi lido exatamente esse texto, dentro do contexto mas com a interpretação errada.
    Esse é um daqueles textos que me fazem pensar: Que burro! Como nunca enxerguei isso antes?
    Valeu galera do BTcast. Acho que após algumas transfusões estarei pronto pra mais hemorragias. Abraço.

  • ENÉAS VILELA

    Uma vez ouvi um comentário interessante na qual esse homem, esse cego de nascença, possuía uma rara doença de nome Anoftalmia (http://es.wikipedia.org/wiki/Anoftalm%C3%ADa), ou seja, a ausência de um ou ambos os globos oculares, geralmente ocasionada por problemas durante a gravidez, atreladas a falta de vitamina C e outros fatores. Ocorre que Jesus curou esse homem de uma forma estranha, diferente de outros milagres que havia realizado, salivou na terra e fez uma espécie de lodo (barro), em seguida utilizou esse material formado preenchendo o espaço do globo ocular desse cego, ou seja, sendo o homem formado do pó da terra, utilizou a mesma matéria prima para completar uma parte daquele homem que estava faltando, o seu globo ocular, isso explicaria o enigmático procedimento utilizado por Jesus neste milagre. Valeu! Mais um BTcast pra coleção.

  • ola. conheci vcs através do Site Irmaos.com e não parei mais de ouvi-los, estou lendo o mozáico teológico e esta sendo muito bom, e eu venho de uma cultura que meu ex pastor é daqueles que sempre falam: para que teologia, fazer teologia sem estar preparado vc pode virar ateu e com isso quase ninguém estuda afundo as escrituras e sempre jogam “aqueles textos” nas conversas e as vezes nas pregações, muito bom escutar vcs e sempre que estou com meu pai eu escuto com ele e ele tem gostado muito tambem, abração a todos

  • Paulo Cesar

    Olá, o BTCast foi ótimo, como sempre. Ficou uma dúvida: do minuto 35 para o 36 a Glória argumenta que a explicação mais simples é preferencial. De onde surgi este princípio? Um erro muito comum é a confusão que as pessoas fazem com relação a Navalha de Occam. Elas dizem que, segundo o princípio postulado por Occam, devemos sempre dar preferência a alternativa mais simples, isso, porém, é um engano. O que a Navalha de Occam nos diz é que Não Devemos Multiplicar Causas Além do Necessário para explicar determinado evento. Ainda que esta não seja a fonte do seu erro não vejo nenhuma explicação para se dar preferência a explicação mais simples. A simplicidade não deve ser escolhida em detrimento da melhor e mais completa explicação.

    • Eu não fiz menção à Navalha de Occam, mas a um princípio hermenêutico de que a Bíblia interpreta a própria Bíblia. Nesse caso, a interpretação mais simples (que era o próprio contexto explicando o versículo) seria preferível a uma interpretação que depende de informações externas à Palavra.

      • Paulo Cesar

        A Bíblia interpreta a própria Bíblia não é o mesmo que dizer que a interpretação mais simples seja preferível, que foi o que você disse. Na explicação dada pelo Bibo ainda que você retire a citação aos manuscritos do Mar Morto(que seria algo externo) você ainda possui uma forte argumentação sobre a analise gramatical da passagem. Na verdade não é nem necessário citar os manuscritos do Mar Morto pois vemos igual aplicação da palavra fogo em outras passagens. Ex: 1Pe 1.7. Talvez você tenha se expressado errado, não sei, mas achar que interpretações mais “simples” estão mais próximas da correção é um erro.

        • Eu usei a palavra “simples” dentro de um contexto. Você não está livre para interpretar o que eu quis dizer com ela sem levar em consideração o contexto.

          • Paulo Cesar

            Glória, você usou a palavra simples dentro do contexto da interpretação Bíblica, que é sobre o que o podcast trata. Acho que você é que não está livre para usar palavras de uma forma geral e dar a elas a definição que bem entende, fica muito subjetivo. Quando você diz “eu preciso saber de outras coisas que não estão no texto para poder entender desta forma, acho que a leitura mais direta, mais simples é a que o Mac fez”, o que se entende é que a interpretação mais simples tem preferência, ainda que eu tenha uma explicação muito mais completa com elementos que não estão naquele texto em especial mas talvez em outros capítulos ou outros livros, o que é um erro. Enfim, acho que essa discussão chegou a uma rua sem saída. Tentei explicar minha visão da melhor forma possível. Mais uma vez, o podcast foi ótimo. Vlw pela atenção, abraço.

  • Caio César

    Podcast maravilhoso! Tem abençoado bastante a minha vida e feito meus olhos se abrirem para coisas das quais antes eu nem imaginava! Um “Obrigado” para toda a equipe, continuem assim.
    Que Deus os abençoe!

  • Anderson Silva

    Olá Galera … Muito bem muito bem. Venho aqui confessar um pecado depois que ouvi esse podcast. Esse dias preguei em minha igreja e Usei o texto de coríntios 5:7 visto que andamos por fé e não pelo que vemos. Bom falei para a igreja que não devemos estar somente focados nos problemas da vida devemos olhar para o alto e ter fé.. Na boa depois que ouvi esse podcast fiquei com vontade de pedir perdão para igreja.. :[
    Pecado confessado e agora vou prestar mais atenção nos textos que vou pregar.. o sermão não era só nesse texto eu somente usei ele para embasar um tópico do sermão.. Mais usei errado.. Valeu galera Deus abençoe vocês..
    Bibotalk + PODCAST = TUDO DE BOM..

    • Anderson, o que você pregou estava certo, nós realmente não vivemos pelas situações, mas pela Palavra. Jesus disse que viveremos de toda palavra que sai da boca de Deus. A Bíblia também diz que Abraão “em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações, conforme o que lhe fora dito: Assim será a tua descendência.” (Romanos 4:18) Isto é, ele viveu crendo na palavra de Deus, apesar de já ser velho e não poder ser pai. O conteúdo da sua pregação está correta.

      Talvez você possa numa segunda vez pregar sobre o sentido que a passagem tem no seu contexto. Será um complemento. Dois lados de uma mesma moeda.

  • Paulo Batista

    Olá galera do BTCast! Apesar do meu sobrenome sou de uma igreja pentecostal (ba dum tss). Eu não penso como vocês retrataram no podcast… (Pode isso, Arnaldo?) cuidado com as generalizações =)

    Esse foi meu primeiro BTCast, muito bom! Voltarei mais vezes aqui e escutarei os outros!
    Vocês me pegaram na parte do camelo e da agulha: quando eu estava ouvindo pensei: “ah, essa eu já sei”. Só que não. Eu realmente pensava que a história do lugar onde o camelo não passava era a mais confiável, hahaha!

    Bom, vim também pra deixar a dica dessa página do Facebook que acabei de achar e trata da mesma questão: “Frases “”bíblicas”” que não estão na Bíblia” https://www.facebook.com/textosnaobiblicos

    []’s e até mais!

  • Alex Fabiano

    Olá! Falar Zé ruela no BTCast 097. É tentar unir o santo com o profano. Que Deus vos abençoe. É uma crítica construtiva! Amo vocês.

  • ויליאם בּטיסטה

    II Co 5v7 me lembrou Jó 42v5 … hj vivemos por ouvir a Palavra que nos enche de fé, para que um dia vivamos por vista, lógico que, de uma forma literal O veremos.

  • Allydia Silva

    Minha nossa KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Ouvi esse podCast ouvindo vocês falando em “cuspe, escarrada ” não da , Meu Senhor ><