BTCast 031 – Entendendo o Batismo

 

Muito bem moçada mais um #BTCast no ar e dessa vez para mergulhar fundo no Batismo cristão, bem, alguns mergulham e outros não, vamos entender direito isso.

Nesse podcast os btcasters recebem o Thiago do podcast @NoBarquinho para ajudar a engrossar o caldo, aperte o play e pense conosco esse rito tão importante para a fé cristã.

Siga-nos no twitter @bibotalk @Mac_Mau @stahlhoefer

curta nossa Fan Page www.facebook.com/bibotalk  com 1000 curtidas rola sorteio de um livrasso!

Assine o feeds http://feeds.feedburner.com/bibocast

Para conhecer o podcast No Barquinho clique aqui.

 

Neste sábado tem #BTDay

Ouça no PLAYER acima ou clique em DOWNLOAD para baixar (clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como, ou Salvar Link) Arquivo MP3!

Categorias: BTCast,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,,,

  • sou hispster ,comento nos velhos comentários ,brincadeira vou baixar

  • Tobias

    Cada um puxando pro seu lado! Esse foi o assunto que gerou mais divergência entre vocês mesmos, nem precisou o Bibo ficar inventando muitas contradições a ele mesmo hehehe
    Falou-se brevemente no final sobre o “um só batismo”. Vejo muita religião achando que o batismo é da igreja e não do Senhor Jesus. Tá certo que não concordo com a prática de ficar mudando de igreja o tempo todo, mas penso que o rebatismo não tem fundamento bíblico, estou certo ou errado?
    Nos vemos no BTDay amanhã! Podem responder lá heheh

    • Bibotalk

      Ok, nos vemos lá!

    • Alex

      Rebatismo não tem fundamento na minha opinião. Para mim, rebatismo é negar a graça de Deus presente na promessa batismal de Mc 16.16.
      A grande maioria dos rebatismos acontece por falta de compreensão do fundamento do batismo, questões hermeneuticas e/ou apenas de governo de igreja.

      • José Eduardo

        Olá Alex. É a primeira vez que peregunto algo aqui no Bibo Talk apesar de já ter ouvido alguns podcasts. Obviamente tenho algumas dúvidas sobre outros temas, neste reacenceu uma que em particular me encuca. Quro ressaltar que vocês estão de parabéns e hoje o Bibo Talk é uma das minhas principais ferramentas de edificação.

        Bem, minha pergunta recai aqui na questão da aplicação do (re)batismo pela perspectiva da circuncisão uma vez que este segundo era exclusivo aos meninos e no N.T. a aplicação do batismo é para ambos os sexos?

  • Amigos,

    Ficou excelente o pod! Foi um prazer gravar com vocês e aprender um pouquinho sobre esse ritual tão marcante na nossa religião.

    Estamos juntos sempre.

    Abraço!

  • Carla Gomes

    Nossa parabéns pelo pod, ficou muito boa a discussão, é sempre bom conhecer outros pontos de vista. Essas divergências, na minha opinião não fazem tanta diferença desde que o alvo seja Cristo, mas é muito bom discutir, quando apoiados na palavra de Deus como vocês fazem. parabéns mais uma vez.

  • Paz do Senhor irmãos!

    Rapa, esse podcast pegou fogo hein!
    misericredo!

    OLha, eu ouvi vocês dizendo que irão fazer um podcast sobre o Batismo no/com Espírito Santo, e resolvir sugerir a vocês um nome de um dos teólogos mais renomados no meio assembléiano brasileiro.

    Esdras Costa Bentho http://teologiaegraca.blogspot.com.br/

    Esse é o email dele esdrascb@yahoo.com.br

    To dizendo, o cara é fera!

    Um abraço!

    Jean Patrik
    Os Arminianos

    • Alex

      Jean,

      Obrigado pela recomendação. Está anotada.
      Por causa dos links o comentário caiu na moderação. Mas tá aí publicado!
      Abraços
      Alex.

  • Adriana Lima

    Olá pessoal!!!
    Muito controverso o tema hahaha

    Bom, com relação ao batismo de pessoas deficientes, enquanto eu ouvia pensei em algo que também está relacionado a crianças. As crianças são puras e inocentes, até onde sei, elas são “automaticamente” salvas pelo fator de não ter compreensão do batismo, elas podem morrer e só porque não foram batizadas não seriam salvas? Acredito que o mesmo se encaixa a pessoas com deficiência. Elas são puras. Não é porque tem 30 anos que está madura, nesses casos específicos não acredito que precisem ser batizadas para serem salvas.

    Bom, é isso… Aguardo o próximo hahaha bjos

    • Alex

      Oi Adriana, obrigado pelo comentário.
      Compreendo seu ponto de vista sobre o assunto, porém discordo da questão da inocencia, seja da criança, seja de alguém com as faculdade mentais prejudicadas.
      A bíblia é clara em afirmar que desde a concepção o pecado está presente, não por causa do sexo como os católicos afirmam, nem por um defeito genético, mas simplesmente pq herdamos de Adão a inimizade em relação a Deus. Por isto, tanto crianças, quanto deficientes são pecadores por natureza, apesar de não demonstrarem com atos. Para ambos os casos creio que a graça de Deus se manisfesta na vida destas pessoas por meio da fides aliena, a fé comunitária/familiar. Jesus curou um paralitico por causa da fé dos amigos, Paulo relata que a mulher crente santifica o marido e filhos descrentes. Do mesmo modo a familia crente santifica as crianças pequenas e os filhos deficientes.
      Abraços
      Alex.

  • Sr. Steffens

    Mais uma vez um grande tema, já tinha ouvido alguma coisa sobre batismo, já que fui batizado duas vezes hehehe, uma na Luterana quando eu era pequeno, e outra vez quando adolescente na igreja do Evangelho Eterno, o que não ficou claro para mim, é o batismo adotado pelos batistas, já que qualquer um independente se sai de uma igreja neo-pentecostal, pentecostal ou reformada, tem que se batizar de novo, gostaria de saber o porque disso? Já que o Thiago não entrou nessa questão, sendo ele Batista.

    • Fala, Steffens!

      Bem, cara, até onde sei não é tão rígido assim. Existem igrejas batistas que aceitam batismos de outras denominações. A única restrição que existe é quanto ao pedobatismo. Se uma pessoa for batizada quando criança e quiser ser membro de uma igreja batista, terá de se submeter a um novo batismo por imersão aos moldes batistas. Isso se deve também a um conflito histórico entre batistas e presbiterianos sobre a forma e natureza do rito.

      Bem, como eu mesmo disse no pod, não vejo problemas com o pedobatismo e passei a entender melhor seu propósito estudando a teologia da aliança. Sendo assim, fico com os dois: tanto o credo, quanto o pedo, um pouco diferente do que pensa a denominação da qual faço parte.

      Abraço!

  • Nem publicou o meu ainda!

  • Parabéns pelo excelente episódio, tenho sempre acompanhado o BTCAST e estou ouvindo episódios anteriores.
    Btcast trazendo sempre opinião, teologia e bom humor.

  • Bibotalk

    Obrigado a todos e todas pelos comentários relevantes!

  • Batismo é realmente um tema fascinante. Além das tradicionais discussões sobre o tema o que vocês acham que Paulo quis dizer sobre o misterioso “batismo pelos mortos”?

    Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles então pelos mortos?
    1 Coríntios 15:29

  • Angélica Otto

    Olá pessoal, muito bom discussão, deu pra clarear algumas ideias e tirar algumas dúvidas!! Com batismo ou sem batismo, quem vier de coração aceitar a Cristo e viver com Ele,será salvo!! Valeu pessoal!!!

  • André Marques

    Só não entendi esse rebatismo, se aconteceu o batismo adulto ou a confissão de fé, a pessoa fez um compromisso com o Deus Trino(visto que o batismo é feito em nome da santa trindade) de mostrar que ela é um forasteiro na terra e que ira viver aqui com os pensamentos voltados pra cima (assim que deveria ser né?!?!). Então por que reafirmar esse compromisso para uma igreja se ele deve ser feito para Deus??

  • Emerson Feltrin

    Vcs tem a alegria de ver as nossas mentes explodindo ne??? Ouvi 2x o pod e a frase que ficou pra mim foi o q o Bibo disse: Seja batizado na infancia, adolescencia ou juventude o importante é saber que o batismo foi um ato que dissemos a todos que acreditamos em Cristo e reconhecemos que a salvação só vem dEle!
    Venho de um berço calvinista e fui batizado qdo criança, hoje estou numa igreja que não tem essa pratica, minhas filhas não foram batizadas e confesso que para mim não causa nenhuma celeuma essa questão por não ser uma garantia de salvação como já foi dito!
    Agora o Thiago Ibrahim foi o “esqueirinho” hein?? só botou fogo nesse papo ne? Como já ouvi aqui produziu mais calor q luz kkkk brincadeira!
    É muito legal ver como vcs conseguem fazer uma discussão saudável apesar das correntes teologicas diferentes.. OMEDETO!!!
    Mac a edição ficou show!!! Foram vários flashs, pois mergulhei de cabeça no podcast hehe
    Os Canais Bibotalk estão arrazando na podosfera!!!
    abraço e até a plenitude dos tempos…

  • Samuel

    Ola Alex,

    Mais uma vez, quero parabenizá-los pelo podcast. Não quero botar lenha na fogueira, mas gostaria de deixar minha opinião sobre a questão levantada pela Adriana Lima.

    Alex disse: “A bíblia é clara em afirmar que desde a concepção o pecado está presente, não por causa do sexo como os católicos afirmam, nem por um defeito genético, mas simplesmente pq herdamos de Adão a inimizade em relação a Deus.”

    Aqui eu concordo, mas é importante diferenciar natureza herdade de culpa herdada. A biblia é clara em afirmar que sendo inimigos de Deus, fomos reconciliados pela morte do Seu filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida (Rm 5:10). No momento do pecado de Adão, Deus poderia ter fulminado toda a raça humana. Entretanto, Ele não fez isso por causa do sacrifício de Cristo, que nos reconciliou com Deus. Essa reconciliação significa que a culpa herdada foi anulada. A reconciliação(em relação ao pecado de Adão) é universal. Mais especificamente, a reconciliação anulou a culpa herdada, mas não a natureza herdada. Veja:

    Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.(Rm 5:18)

    Por isso, ainda que todas as crianças e deficientes tenham uma natureza pecaminosa, não são culpadas pelo pecado de Adão, mas apenas pelos próprios pecados. Como o próprio Cristo afirmou, quem não for como criança, não entrará no reino dos céus. Isso nos diz que há alguma característica, similar a dos infantes, que devemos possuir para entrar no céu. Creio que Cristo falava da inocência, ou ausência de culpa. É claro que esta característica só pode ser alcançada mediante a fé, entretanto, as crianças já a possuem, pois não podem ser culpadas por pecados não cometidos.

    Fique na paz de Cristo

    • Samuel

      Quando eu disse “as crianças já a possuem” no último parágrafo, referi-me a inocência, ou ausência de culpa.

      • Alex

        Obrigado pelo comentário Samuel!!

        Apreciamos o debate teológico, como bem sabes.
        Concordo em partes contigo, entretanto para mim é claro que arvore ruim vai dar fruto ruim. O ser humano herda pecado na forma mais ampla e irrestrita do termo. Nem mesmo a morte de Cristo apaga o pecado original no ser humano nesta vida. A justificação não é anulação do pecado original, este que permanece por toda a vida e somente na vida eterna é que seremos completamente justos e santos. Nesta vida vivemos numa tensão entre já e ainda não. A morte de Cristo é por toda a humanidade, mas não apaga a culpa da humanidade, que é herdada de Adão. Por outro lado a morte de Cristo confere reconciliação a toda criação, que geme e anseia a revelação dos filhos de Deus. Somos santos, chamados a sermos santos. Sempre vivemos nesta tensão entre o presente/realizado e futuro/esperado.
        Neste sentido acho dificil ver uma inocencia da criança. Até que ponto ela é realmente inocente? Uma hora ela vai manifestar sua natureza pecaminosa em atos de pecados extermos, e aí? Só ali será culpada? Antes ela seria salva? Não vejo clareza das escrituras nesta linha de raciocínio. MAs enfim, compreendo e respeito.
        Abraços Alex.

        • Samuel

          Alex,

          Gosto muito dos seus comentários e é um prazer conversar sobre teologia com todos aqui.

          Gostaria apenas de elucidar um pouco mais meu pensamento sobre a questão da salvação de infantes. Creio piamente que todos os seres humanos herdaram de Adão uma natureza depravada e, portanto, buscam satisfazer suas próprias concupiscências. Por outro lado, o sacrifício de Jesus fornece um remédio universal contra a culpa do pecado de Adão herdada, de forma que ninguém será condenado pelo pecado de Adão, mas pelos próprios pecados. Isso não anula a natureza depravada herdada, mas apenas a culpa herdada. Afinal, a morte expiatória de Cristo reconciliou o mundo com Deus (Rm 5:10), e é por isso que a raça humana não foi destruída e, pelo contrário, foi abençoada com todas as dádivas Divinas que podemos resumir no termo Graça Comum.

          Desta forma, as crianças não serão condenadas pelo pecado de Adão (apesar de herdar a natureza depravada), mas pelos próprios pecados. Como você mesmo disse, uma hora a criança manifestará sua natureza corrompida, entretanto, ela só será culpada se tiver condições de consciência e razão desenvolvidas. Uma pessoa precisa de capacidade natural para compreender a revelação de Deus. Jesus disse em certa oportunidade “Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: Vemos; por isso o vosso pecado permanece”. Este texto mostra que é necessário ter consciência para ter pecado.

          Um grande abraço

          • Alex

            Estimado Samuel,

            Temos compreensão distintas sobre o mesmo assunto.
            Entendo o conceito calvinista de graça comum – mas, falando em termos de teologia paulina, há que se observar que o termo reconciliação tem abrangencia universal, ainda que não signifique perdão do pecado neste âmbito(ligado ao conceito de remissão/redenção). Não posso compreender graça comum como uma primeira etapa da salvação, pois se assim fosse estaria abrindo a porta para a teologia natural. A reconciliação tem característica universal, mas p. ex. em 2Co 5.20 é usada como cognato de redenção, pois aqui Paulo está chamado individuos a participar da reconciliação. Portanto, dizer que reconciliação e redenção do pecado são a mesma coisa é trollar o contexto em que o termo está sendo usado. Para mais detalhes sobre esta discussão recomendo “James DUNN, A Teologia do apóstolo Paulo”.
            Quanto a segunda parte do seu comentário, a respeito da cegueira. Temos um problema quanto a interpretação do versículo. Pois você o leu a partir da sua dogmática. O contexto sugere que os fariseus são culpados por conhecerem as Escrituras, verem o Cristo na sua frente e mesmo assim permanecerem na cegueira espiritual, e, além disto, combaterem o Cristo. Se eles não tivessem conhecimento das Escrituras, não seriam culpados deste pecado (oposição/negação do Cristo – em grego não há artigo em pecado, não é O pecado original, mas um pecado-ato). Não se trata de uma inocencia original, mas uma inocencia relativa ao desconhecimento desta lei específica.
            Ainda sobre a questão da consciencia do pecado, isto é mais fruto da modernidade do que de uma visão bíblica. Essa preocupação com a cognição, entendimento racional é uma preocupação que surge no racionalismo bíblico. É só você traçar o campo semantico dos termos grego pistis e do latim fides. Irá perceber o quanto fé tem relação com confiança, entrega, e sujeição. Com relação, e não com cognição, entendimento, conhecimento racional. Quem fez um bom estudo sobre isto foi a filosofa Karen Armstrong, Em Defesa de Deus.
            Abraços em Cristo, Alex.

  • João Lucas dos Santos

    Olá.
    Parabéns pelo podcast.
    Sou cristão da Igreja Metodista mas tenho uma visão mais reformada. Gostei muito mesmo pelo modo que o podcast é conduzido.
    Fica meio claro a influencia do Jovem Nerd, kkkkkk. Acho que é por isso que gostei tanto.
    Parabéns mais uma vez. Ganharam mais um ouvinte!

    Att,

  • Bibotalk

    Olá João, com certeza o JN é referência em muitas coisas, afinal os cara são bão mesmo. Mas acredite em mim que essa abertura Muito bem Muito bem Muito bem já carrego há mais de 6 anos, quando fazia programa de rádio hehe…

    Mano, seja bem vindo, se puder e tiver coragem, escute os antigos.
    valeu!

  • Muito bom o pod, estão de parabéns!

    Creio que o batismo é o que vocês concluíram mesmo, um ato de prova pública de sua fé, é um modo de mostrar a todos em que você acredita.

    Não ‘limpa’ os pecados, pois só o sangue de Jesus pode fazer isso e muito mesmos te impede de pecar depois.

    Fui batizado aos 12 anos na Igreja Batista, não tinha tanta certeza da minha fé como tenho hoje, mas tenho certeza que foi válido pois testemunhei meu início de caminhada na fé cristã.

    Abraços!

    PS: Thiago tá maior arroz de festa esta semana, só participando do pod dos outros rsrsrs

    • Bibotalk

      Paulo e Jefferson, obrigado pela visita e audiência.

      é complicado uma igreja excluir um membro por isso. Ao mesmo tempo, uma pessoa tbm deve atentar para os costumes da igreja e se adaptar.

      valeu gente!

  • Jefferson dos Santos

    Parabéns pelo PodCast, na minha opinião o Batismo serve apenas para demonstração pública de Fé.
    Deve ser realizado, mas devemos ter o discernimento correto a seu respeito, algumas igrejas excluem as pessoas até que as mesmas cumpram esse sacramento, aí sim, passam a integrar a igreja e podem trabalhar nos seus ministérios, acho isso errado.
    Não consigo ver Jesus diferenciando as pessoas entre batizadas ou não, nem creio que o Batismo é pré-requisito para salvação, vide exemplos bíblicos como o Ladrão da Cruz…

  • Rodrigo

    Boa tarde!

    Sobre a afirmação de que Jesus não batizava, oq podemos dizer a respeito de Jo 3:22?

    Grande abraço!

    • Bibotalk

      Boa tarde chara.

      Conforme o cap 4 v. 2 do mesmo evangelho, Jesus não batizava, mas seus discípulos.
      Interessante, que nenhum dos sinóticos menciona Jesus batizando, só esse versículo. Provavelmente temos aqui uma contradição gerada por erro de cópia.

      abraço

      • Ou não… Se lermos isoladamente João 4:01 parece também que Jesus batizava. Veja:

        “Os fariseus ouviram falar que Jesus estava fazendo e batizando mais discípulos do que João” João 4:1

        Mas no versículo 2 é explicado que ele mesmo não batizava mas sim os discípulos:

        “embora não fosse Jesus quem batizasse, mas os seus discípulos.” João 4:2

        Então creio que o verso 2 do capítulo 4 explica o verso 1 e também João 3:22 que faz parte do mesmo contexto uma vez que no original não existe divisões de capítulos e versículos.

        Desta forma acredito que os discípulos que batizavam, mas como eram discípulos de Jesus, que o seguiam integralmente, os batismos realizados por eles eram considerados de Jesus.

        • Bibotalk

          pode ser. Assim como em Atos dos Apóstolos é dito que eles batizavam em nome de Jesus, ou seja, não que usassem só nome de Jesus no momento do rito, mas que batizavam com a autoridade de Jesus.

          • É verdade. Partindo deste princípio Jesus batiza até nos dias de hoje, rsrs.

  • Bryan Monteiro Delfino

    Questões como batismo e a Ceia do Senhor são questões em que sempre haverá esses transtornos. O pedobatismo me cativa muito mais, entretanto vejo bastante seriedade por ambas as partes quanto a obrigação de realizar tal ordenança(sacramento). Os dois últimos btcasts entraram em assuntos que não vejo nem um lado ou caminho para começar a conversa(até mesmo na própria bíblia), mas que não diminuiu em nada a qualidade deles.

    Muito bom e continuem assim pela paz de Cristo.

    Valeu pela edificação.

    • Bibotalk

      Valeu Bryan, de fato, são assuntos melindrosos mas que precisam ser pensados.
      Conte com a gente!

  • Fernando Moraes Oliveira

    Parabéns pelo ótimo podcast que vocês têm feito! Embora existam divergências e assuntos polêmicos em nosso meio cristão, o mais importante é discuti-los de forma sadia entre nós, mesmo estando separados nos cercados das denominações.

    • Bibotalk

      boa colocação Fernando, obrigado pelo carinho!

  • Samuel

    Alex, o link para responder seu comentário não apareceu, por isso respondo no fim da página.

    Prezado Alex,

    Concordo que o termo reconciliação tem abrangência universal e ela foi proporcionada pelo sacrifício de Jesus na cruz desde antes da fundação do mundo, e isso, é pura graça de Deus. Todos os dons sintetizados através do termo “graça comum” são dados aos homens mediante a expiação; mediante a misericórdia de Deus. Veja que só o fato de Deus ter adiado a destruição já é uma graça. Mas qual é o motivo de Deus derramar tais bênçãos à todos os homens? Qual o objetivo? Conforme o entendimento de John Wesley, toda graça tem o objetivo de levar o homem à salvação. Tudo o que Deus faz, inclusive o adiamento da destruição da humanidade, tem o objetivo de levar salvação aos homens. Isso não implica na teologia natural, afinal, o homem só pode chegar ao conhecimento pleno de Deus através do conhecimento do evangelho, mesmo que Deus já venha trabalhando no coração do homem através de suas diversas manifestações.

    O termo reconciliação significa restabelecimento de paz entre as partes. Se reconciliação implicar perdão de algum pecado ou até não imputação, não há problema nenhum. A expiação proporcionou o restabelecimento de paz entre Deus e o homem, de forma que Deus até adiou a pena merecida pelo pecado de Adão e de toda a humanidade. Isso não significa que não herdamos a natureza.

    Dizer que isto é “trollar” o contexto não é de bom tom. Todos temos inteligência para interpretar a palavra ao mesmo tempo em que somos falíveis, inclusive você Alex. Ademais, essa interpretação não é desenvolvida por mim, mas Atanásio (um dos pais da igreja), Roger Olson (Ph.D) e milhares de Batistas interpretaram da mesma forma.

    Apesar de eu concordar que a culpa do pecado de Adão nos foi imputada e perdoada em Cristo, é bom lembrar que o conceito de culpa herdada foi inventado no século V por Agostinho que se baseou em um tradução errada de Rm 5:12 do grego para o latim. Ao contrário de corrupção herdada, o conceito de culpa herdada não foi defendido pelos primeiros pais da igreja.

    Mantenho meu parecer de que para haver pecado, deve haver capacidade natural. Os seguintes textos apontam para isso: Tiago 1:14 e 15; Tiago 4:17; Hebreus 10:26; João 9:41. Não me recordo no momento de nenhum texto que trate sobre pecado cometido de forma inconsciente. Realmente corro o risco de estar interpretando algum texto a partir da minha “dogmática”, entretanto, tenho o apoio de bons teólogos como John Piper para entender que João 9:41 mostra que sem capacidade natural (consciência), não há pecado.

    Quanto a fides aliena, é necessário provar que Deus manda crianças de pais descrentes para o inferno e de pais crentes para o céu. Qual é a base bíblica para uma criança de dois meses, mesmo sem ter pecado, ser condenada pelo pecado de outra pessoa? Desta forma, todos os seres humanos nascem destinados ao inferno? E quanto aos órfãos, já estão danados? E quanto a salvação pela fé alheia, por que não é aplicável para adultos?

    No mais irmão, fique na paz de Deus.

    • Alex

      Samuel,

      Realmente compreendemos a questão da hamartiologia a partir de duas perspectivas diferentes. Na minha visão, moldada principalmente por uma dogmatica Luterana pecado é uma questão prioritariamente de relacionamento homem-Deus e não uma questão meramente ligada à antropologia. Por isto, pouco importa a qualidade do homem, importa a qualidade do relacionamento. No caso, a humanidade enquanto genero jaz numa qualidade de relacionamento de péssima qualidade com Deus. Vive na inimizade. A reconciliação universal elimina a inimizade, porém o proveito da reconciliação universal em termos de perdão individual ocorre por meio da justificação pela fé – o que em termos luteranos é somente pela graça, sem participação do ser humano, por isso dispensa a necessidade de compreensão. Compreensão é uma coisa que se adquire a posteriori da fé, não algo necessário para a fé. Fides quaerend intelectum dizia Anselmo de Cantuaria. Como professo a eleição incondicional de Deus por meio da graça transmitida por meios externos (batismo, ceia, pregação da Palavra) não tenho nenhum problema em dizer que não é necessário ter compreensão para poder crer, pois fé sempre será milagre de Deus operado na vida de uma pessoa. Por este mesmo motivo creio na possibilidade de crianças pequenas crerem, e serem salvas, e não necessito criar um argumento teológico pra dizer que elas serão salvas pela falta de consciencia, que no meu ponto de vista é um argumento que nasce a partir do racionalismo cientifico do século XVIII e que carece de um fundamento teológico mais conciso.
      Perdoe-me se lhe ofendi com o termo “trollar” – não tive intenção de menosprezar seu entendimento do Palavra.
      Quanto a este assunto, acho que já expusemos nossos pontos de vista, na questão da reconciliação creio que tu tens razão, tanto que refleti e escrevi acima quanto a este assunto. Porém na questão da consciencia, eu permaneço com minha opinião pré-medieval e agostiniana. Se tiver errada, vou ser salvo pela fé de qualquer modo 🙂
      Abraço, Alex.

      • Samuel

        E ai Alex,

        Acredita que eu só li sua resposta hoje?

        Concordo com você, já expusemos nossos pontos de vista. Fica na paz meu irmão e Deus abençoe.

  • Samuel

    Alex,

    Desculpa eu voltar ao assunto, mas aí vai mais uma pergunta:

    Você disse: “Como professo a eleição incondicional de Deus por meio da graça transmitida por meios externos (batismo, ceia, pregação da Palavra) não tenho nenhum problema……”

    Você aceita o batismo infantil de qualquer denominação e religião? Por exemplo, igreja católica?

    • Alex

      Aceito sempre que a forma do batismo seja aquela expressa na palavra bíblica de instituição: Batismo em nome do Deus Triuno.
      Se o batismo for em nome de Deus e de orixá – ta fora. Se for em nome de Jesus, sem ES e o Pai – fora tb. DEVE ser explicitamente em nome do Pai e do Filho e do ES. Deve ser anunciada a graça do Evangelho por meio da pregação/alocução batismal. Deve ter sido feito o compromisso dos pais/padrinhos antes do ato batismal.
      O problema dos católicos é que muitas vezes a criança é consagrada a um santo após o batismo. Se o batismo for feito em nome do santo, tá errado. Se for consagrado após, o batismo é valido, ainda que não concorde de maneira alguma com a posterior consagração. A Palavra da promessa do Evangelho não pode ser desfeita, mesmo que o pregador fale asneiras depois. Saca? Se o Valdomiro falar do amor de Jesus e alguém se converter, e na mesma pregação falar um monte de heresias e anseiras, ainda assim a pessoa será salva pela fé no Evangelho, as heresias Deus vai cobrar do pregador.

  • Lucas Santos

    Olá, só pra questão de dúvida se a pessoa se batisa só com água na cabeça e tals e depois troca de igreja e faz novamente um curso de batismo pra ter aquele batismo sobre as águas, é errado batizar duas vezes? é uma ofensa contra o E.S.? ou nem da nada?

    • Alex

      Mano, faz o que tua consciência a partir da Palavra te diz ser o melhor. Se você está nesta Igreja vai ter que se submeter as regras dela. Eu sugiro você conversar com o pastor a respeito do sentido e significado do batismo, questionando a necessidade de um novo batismo. Claro que o papo pode descambar pro velho argumento: lá na outra igreja não é bíblico, mas aqui é bíblico. Mas se o pastor for aberto, quem sabe pode ver que você tem uma boa compreensão do batismo e pode considerar válido o anterior.
      Pra mim pessoalmente, dizer que um batismo ministrado com água e com anúncio do evangelho tem que ser refeito por causa do nome da Igreja, da quantidade da água ou do tipo de água é dizer que o Evangelho depende da água usada, isto é minimizar o poder de Deus. Mas é só minha opinião.

  • Rodrigo Castro

    Olá, não vejo o batismo como rito de iniciação. Para mim o batismo é um rito de aliança entre o crente e Deus. Costumo comparar com um homem e uma mulher que se amam e realizam uma cerimônia pública oficializando uma aliança. A aliança independe do rito (portanto o batismo não é salvífico), mas se uma das partes se nega ao rito geralmente desconfia-se da aliança, ou seja, é coerente ao que tem uma aliança se dispor ao rito. Diferente da circuncisão que era um rito de aliança hereditária e para um povo, o batismo é um rito de aliança entre a pessoa e Deus e por isso, a meu ver, necessita uma confissão e um desejo pessoal. Quanto aos incapazes, creio que, como os pais dirigem tudo na vida destes, dirigirão este ponto também, mas após um período (leia-se anos) de observação para atestar sua incapacidade. Com respeito às diferentes posições, este é meu entendimento.
    Um abraço…

  • Ramon Prietos

    todo aquele que crer que DEUS enviou o seu Filho , Jesus o Cristo, para redirmir a humanidade deve ser batizado.
    As crisnças são capazes de crer em tudo o que lhe é dito.
    Logo uma criança pode ser batizada

  • Arno Henrique

    Obrigado pelo PTCast!… vou usá-lo em um debate sobre o batismo que vai ocorrer aqui no seminário…

  • Eduardo Urias

    Caramba!!!!
    Hemorragia nasal a todo vapor!!!
    Eu era não aceitava o pedobatismo, mas depois de ouvir alguns argumentos, vou pesquisar mais para tomar uma posição. Parabéns pela minha mais nova confusão mental! rsrsrs