O Drama dos Netineus


      

C.S. Lewis poderia ter incluído os Netineus em alguma de suas obras. Se fossem personagens das Crônicas de Nárnia eles seriam escravos figurantes, rachadores de lenha e tiradores de água. Homenzinhos feios que trabalhariam muito, de bom coração e obedientes ao Príncipe Caspian.
         Na história bíblica os Netineus podem ter origem antiga, é possível que seus pais tenham sido escravizados durante o êxodo (midianitas) e na conquista de Canaã (gibeonitas) para servirem na congregação aos sacerdotes e aos levitas. Outra origem deste grupo de servos é uma oferta do rei Davi ao templo que, mais tarde, seu filho Salomão edificou. Tão certas são as tarefas dos Netineus que algumas traduções lhes chamam de servidores do templo.
         O cronista Esdras registra que estes servos retornaram do exílio babilônico juntamente com os sacerdotes, os levitas, os cantores e os porteiros. Neste tempo de retorno dos exilados à Jerusalém, existem famílias que não comprovaram a sua descendência e foram impedidas de participar da reconstrução da cidade. Os Netineus, apesar de não serem descendentes de Israel, comprovaram a sua linhagem e a sua importância na história do povo de Deus (Neemias registra que eles também ajudaram na reconstrução dos muros de Jerusalém).
         O drama dos Netineus não é o seu passado. Afinal, se não fosse a graça de Deus eles teriam sido mortos em qualquer tempo! Sua desgraça também não era o serviço pesado que executavam para servirem aos levitas. A tristeza daqueles servos foi encontrar no regresso do exílio o templo de Salomão em ruínas.
         Enquanto grupo social os Netineus podem representar o baixo clero de Israel, mas do ponto de vista teológico, é a melhor expressão do Antigo Testamento de submissão. Afinal, os Netineus serviam aqueles que ministravam no templo. Para todos os judeus o templo era lugar de adoração e celebrações, mas para os Netineus era uma questão de identidade (uma segunda pele), de trabalho e de pertencimento a sociedade israelita.
         Sobreviver com a falta de um lugar próprio é talvez uma das experiências mais dramáticas da vida humana. É o resto do templo para um Netineu, a separação dos pais para uma criança, a tragédia que levou a casa e a história de um desabrigado.
            Ainda que não sejam protagonistas na narrativa bíblica, certo é que a história dos Netineus continuou. Deus levantou os profetas Ageu e Zacarias e despertou o espírito dos líderes da época e a Casa do Senhor foi reconstruída com a promessa de grande glória no segundo templo. Sempre haverá lugar e futuro para aqueles que existem para servir!

Por Allan Gomes

Categorias: Reflexões,Textos

  • Jaiciani E.X.S

    NESSE DOMINGO VOU INDICAR ESSE “SAITI” AOS PRE-ADOLESCENTES DA EBD. EH UM BOM LAZER E EDIFICARA A VIDA DELES LER ESSAS MATERIAS MUITO INTERESSANTE.

    • Bibotalk

      Muito obrigado Jaiciani! volte sempre!