O cristão e a cultura

 

Fomos questionados após um seguidor ver os actions figures do Homem-Aranha que o Bibo tem em seu escritório: “vi um vídeo e li no Wikipedia que o Peter Parker fez um pacto com o diabo… Na verdade, queria sua opinião, sobre assuntos como esses, e também ocultismo, mensagens subliminares e tudo mais… Será que um cristão poderia ter algo do homem-aranha (objeto, roupa, etc…) devido à isso que eu escrevi? Em relação a desenhos, como Pokémon, Yu-Gi-Oh, entre outros, Disney, Marvel… Qual a postura que um cristão deve tomar? Obrigado.

Olá, Senhor X.

Sua pergunta é pertinente e é um prazer poder respondê-la. Eu não sei exatamente qual é a sua preocupação com esses temas (homem-aranha, Pokemon, Yu-Gi-Oh etc.) então darei uma resposta bem abrangente.

Uma preocupação comum que pessoas levantam sobre esse tema é se a posse ou presença de algum elemento que guarde algum tipo de relação com ocultismo ou idolatria, de alguma forma, proporciona uma ação demoníaca contra a pessoa ou sua casa. Esse pensamento se aplica a muitas atividades: ouvir rock, comer acarajé, assistir desenho da disney, dançar ragatanga etc. Pra muitas pessoas algumas dessas coisas (ou todas elas) têm o poder de invocar obras malignas contra o praticante. Mas o que a bíblia diz sobre isso?

A maior parte dessas atividades não era possível no período bíblico: Não havia rock, não existia cinema pra se exibir desenhos da disney e nem tinham composto o “ritmo ragatanga” ainda. Mas a questão da comida oferecida a ídolos era bem presente (da mesma forma que se supõe q aconteça com os Acarajés da Bahia). E sobre isso, Paulo escreveu algumas coisas bem interessantes.

Em 1 Coríntios 8.4 lemos: “Portanto, em relação ao alimento sacrificado aos ídolos, sabemos que o ídolo não significa nada no mundo e que só existe um Deus”. A partir daí ele desenvolverá seu argumento de que a comida sacrificada aos ídolos não tem poder nenhum, pois antes de ser dedicada a um ídolo, tudo foi feito por Deus e é de Deus (vv. 5,6). Contudo, ele alerta que alguns recém convertidos q antes eram idólatras podem ficar confusos com a liberdade q o crente tem de ignorar o sacrifício aos ídolos (v.7). Por isso, ele recomenda que os irmãos mais fortes não exerçam sua liberdade de comer de tudo diante dos fracos, pois eles ainda precisam de apoio e todos devem se submeter a limitações por amor ao próximo (v. 9-13). Ou seja, o único cuidado que eu devo ter para com alimentos sacrificados a ídolos é para não desviar os irmãos mais fracos na fé.

Dito isso, como aplicamos esse princípio ao homem-aranha, pokemon etc.? Ora, antes de o homem aranha surgir no papel, ou no plástico do action figure Deus já existia e sem a criação de Deus não existiria papel, plástico, desenhista, roteirista e, consequentemente, homem-aranha. Sendo assim, o diabo não tem poder, autoridade ou mesmo legalidade (como alguns insistem em dizer) com base em alguma “dedicação” feita a ele por alguém. Tudo é de Deus (Sl. 24.1; Rm. 11.36) e, por isso, o Diabo não pode declarar posse de absolutamente nada.

Mas não nos esqueçamos da segunda parte do argumento de Paulo, o cuidado com a consciência do fraco. Isso é importantíssimo. Se eu tenho a consciência de que o homem aranha não pode dar legalidade a Satanás, ainda assim eu me limitaria de tê-lo, ou de exibi-lo, por amor dos que podem cair vendo sua imagem. Quanto a isso é importante entendermos essa história toda do pacto do homem aranha com Mephisto (personagem da Marvel que representa um demônio). Ainda que isso de fato esteja nos quadrinhos, devemos no lembrar da própria natureza das HQs. Elas são produtos de vários roteiristas e desenhistas, não seguem uma ordem específica e frequentemente são “rebootadas”, ou seja, começam de novo um novo ciclo de histórias. Essa história do pacto do aranha com mephisto foi uma solução muito mal-recebida por fãs, críticos e mesmo produtores para o problema do casamento de peter parker. A história é tão ruim que ela, provavelmente, será absolutamente esquecida no universo cinematográfico. E nesse sentido vale pensarmos: quando uma pessoa vê o homem aranha, o q ela pensa? Pensa em um herói q salva pessoas e luta contra o mal, ou pensa em alguém que tem pacto com satanás? O que quero dizer é que esse terrível episódio (odiado até pelos fãs) não é parte da identidade do personagem e, por isso, o risco de levar alguém a cair é desprezível. Veja, vc se preocupou com esse assunto, mas vc não é uma pessoa fraca e não abandonaria o caminho de Jesus só pq viu um homem aranha no vídeo do youtube. É sobre esse risco e esse tipo de fraqueza que Paulo fala.

Isso não significa que está tudo liberado, desde que ninguém veja. Nesse livro de 1 Coríntios, Paulo retoma o assunto lá no capítulo 10. E lá ele vai falar de uma outra prática complicada: a de participar de ritos religiosos pagãos. Nesses ritos havia comida e algumas pessoas, movidas pela liberdade cristã, queriam participar deles para comer. “Ora, se tudo é de Deus, posso ir lá e comer no banquete do Deus Baco” (digamos hipoteticamente). Sobre isso, Paulo fala do risco de ser identificado com ídolos, pois isso não é simplesmente demonstrar liberdade e “ecumenismo”, mas estar em comunhão com demônios! Muita gente entende isso errado e diz q nesse ponto paulo de novo proibiu que se coma de comidas oferecidas a demônios, mas não é isso oq está acontecendo. O problema não é a comida, mas a mesa de que se come. Ou seja, o problema não está em se contaminar com o alimento, mas o de dar um testemunho de aprovação das práticas religiosas.

Como aplicar isso ao homem-aranha? Caso a ostentação de uma figura do cabeça-de-teia seja suficiente para me identificar com uma prática idólatra ou pecaminosa, eu devo me abster dela. Posso usar um outro herói da marvel para demonstrar esse ponto. Pense no Thor. Esse personagem é inspirado em uma divindade escandinava que foi realmente adorada pelos bárbaros em tempos antigos. O culto a Thor, contudo, esvaneceu. Tirando uma meia dúzia de malucos que tenta retomar as tradições religiosas bárbaras lá na europa, ninguem normal adora Thor. Se eu tivesse uma estátua do Thor na minha mesa, ninguém pensaria que eu sou um adorador de Thor, ou que eu abandonei a Jesus para seguir a fé dos Vikings. Diferente disse seria se eu tivesse sobre a minha mesa uma imagem de Iemanjá, cujo culto está vivo e forte no Brasil até hoje. Essa imagem criaria confusão na cabeça das pessoas e eu não estaria sendo sábio ostentando-a em um vídeo. E já que ela não representa nada do que eu acredito, é aconselhável que eu nem a tenha em casa. Não por medo de demônios ou coisa do tipo, mas pelo zêlo de não causar confusão na cabeça de algum visitante, ou mesmo de minha família.

O mesmo princípio eu aplicaria a Pokemon ou Yu Gi Oh. Note que, em geral, as pessoas que levantam problemas com essas manifestações culturais não são recém-convertidos fracos na fé, mas gente madura que não corre risco nenhum de se escandalizar com essas coisas. Elas acabam por criar uma imagem de que o mundo tem coisas puras e coisas impuras e que a nossa salvação depende de nos abster dessas e nos apegar àquelas. Isso é diminuir a soberania de Deus no mundo.

Resta ainda um último princípio: O da sua própria consciência. Veja, em Romanos 14 Paulo aborda a mesma questão, com praticamente os mesmos argumentos, mas no final ele levanta um outro problema: “Mas aquele que tem dúvida é condenado se comer, porque não come com fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.” (Rm. 14.23). O q ele quer dizer é o seguinte: mesmo que vc saiba de tudo isso e entenda tudo isso o que eu disse, se ainda assim vc estiver inseguro sobre poder ou não comer a comida oferecida aos ídolos (ou comprar uma camiseta do homem-aranha), não faça! Pq se vc fizer, vc estará fazendo sem fé e o que não provém da fé é pecado. E isso é um princípio muito legal de Paulo. Ele nunca nos ensina a rejeitar a nossa consciência, mas a TRANSFORMAR a consciência. E pq isso? Pq uma boa consciência, formada segundo a escritura, nos ajuda a não sair do caminho. Se a sua consciência te acusa, mas mesmo assim vc a rejeita, vc não está fazendo por fé, mas por teimosia, ou por carnalidade, ou pro oba-oba etc. O caminho correto não é rejeitar a consciência, mas alimentá-la com a palavra para que ela seja formada segundo os mandamentos de Deus. É isso que aprendemos em 1 Timóteo 1.19: “Guardando a fé e a boa consciência, pois alguns, rejeitando a consciência naufragaram na fé”. Por isso, devemos sempre firmar nossa consciência no que a Palavra diz e assim agir segundo essa boa consciência formada pela Palavra.

É por isso que Paulo pode dizer um absoluto em sua carta escrita a Tito: “Para os puros, todas as coisas são puras; mas para os impuros e descrentes, nada é puro. De fato, tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.” (Tt 1:15). Quanto mais vc purificar a sua mente pela palavra, mais todas as coisas serão vistas como purificadas por Deus. Não são as coisas que são impuras, pois todas elas pertencem a Deus, mas as coisas puras de Deus estão submetidas a usos impuros. Se eu tenho a consciência pura, eu entendo isso e faço apenas o uso puro e santo e todas as coisas que Deus criou.

Espero ter te ajudado. Que Deus te Abençoe.

Abraço

Pr Cacau Marques

Categorias: BTAsk,Textos

Tags: ,,,,,,,

  • Rafael Pavanelo

    Excelente argumentação. Muito bom o texto. Deus abençoe Cacau!

  • Petherson Costa

    Bom demais, Cacau! Valeu!