Atentados: nossa impotência e o Espírito de Deus

Mais uma notícia de atentado terrorista. Digo “mais um” não porque a Europa foi atingida novamente, mas porque eles são costumeiros na Ásia e na África. Já se tornou lugar-comum saber de ações de grupos extremistas em diversos países.

No meio de tanta tristeza e sofrimento, a sensação de impotência é quase inevitável. Assistimos aos noticiários e percebemos nossa incapacidade de agir: de deter o mal e de fazer o bem. Não podemos evitar muitas das coisas que acontecem, nem podemos remediá-las, resolvê-las. A dor do outro se torna nossa, em certa medida.

Esse é um dos males dos nossos dias. Temos tanto acesso a informação, que acabamos sabendo de coisas que acontecem longe de nós e que não podemos “colocar a mão na massa” para ajudar. Até que ponto nós estamos fazendo um mal a nós mesmos nessa busca por informação, só Deus pode nos guiar a discernir.

Sentimos a impotência inclusive quando oramos. O que pedir? O que dizer? O que pensar? Não sabemos como orar. Mas quando as palavras nos faltam, podemos lembrar que o Espírito intercede por nós: mais do que um Companheiro de oração, temos Aquele que supraintervém, que com Sua autoridade e Seu conhecimento nos acode em nossas súplicas e leva ao Pai exatamente aquilo que precisa ser pedido.

A impotência também se manifesta numa impressão de que Deus não está agindo. Se eu nada posso fazer para ajudar a situação, então Deus também nada pode fazer. Temos a ilusão de que o Espírito não atua sem nós, que Ele Se cala quando nos calamos, que Ele Se mantém imóvel quando não nos movemos. O que será dos atingidos? Nosso braço não pode se estender até onde eles estão. E essa impotência só aumenta nossa angústia.

É um engano pensar que Deus só trabalha quando o faz através de nós. O Espírito trabalha em todo tempo, em todo coração. É a Sua Missão convencer o mundo. Quando nosso braço não alcança, o Dele não deixou de agir. Nós temos limitações, e fomos criados assim, mas o Espírito sopra onde quer. Ele não pode ser detido.

Nesse momento de dor, eu quero encorajar você a agir se assim você puder. Se Deus manda, vá para onde Ele quer. Mas se você não pode, mantenha-se firme na fé de que o Espírito conhece o seu coração, o seu desejo pela paz entre os homens, e Deus ouve a sua oração. Mantenha-se firme também na fé de que o Espírito sempre trabalha.

Por fim, deixo uma oração publicada hoje pela Igreja Anglicana, que serve não apenas para este atentado, mas que é um pedido que pode ser nosso continuamente.

Uma Oração por Bruxelas

Compassivo Deus e Pai de todos,
Estamos horrorizados com a violência em tantas partes do mundo.
Parece que ninguém está seguro, e alguns estão aterrorizados.

Detém as mãos que matam e ferem;
converte os corações que odeiam.
Concede-nos Teu forte Espírito de Paz —
paz que ultrapassa nosso entendimento, e que muda vidas,
por Jesus Cristo, nosso Senhor.

Amém.

Categorias: Reflexões,Textos

Tags: ,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,