FdÉ #32 – Monte do Templo, Católicos Chineses, Trabalho forçado em seita

 

A Arca retorna à programação normal. Infelizmente, isso quer dizer falar de conflitos, escândalos e perseguições. No Fora do Éden desta quinzena, tentamos entender os últimos conflitos entre árabes e judeus numa área sagrada para as duas religiões. Também conversamos com um pesquisador em apologética para entender como funciona uma seita. E no Caixinha de Promessas, falamos sobre os católicos chineses que não estão ligados ao Vaticano, e sobre o conflito entre manifestantes no Canadá.

Participantes: Rogério Moreira Júnior, Derly de lana Cordeiro, Marcelo Edreira e Ronaldo Lana
Convidados: Daniel Douek e Pastor João Flávio Martinez (do CACP)

Notícias no programa

  • Israelenses e Árabes entram em conflito por causa de acesso ao Monte do Templo, onde ficam algumas das principais mesquitas muçulmanas. (Saiba mais no ep.3 do Fora do Éden)
  • Igreja americana é acusada de levar membros do Brasil para períodos de trabalhos forçados nos Estados Unidos.

E no Arquinha de Notícias…

  • Governo chinês tenta diminuir a influência estrangeira sobre os católicos do país
  • Conflito entre cristãos e grupo anti-fascista no Canadá.

Fale com a gente:

Assine nosso feed: http://bibotalk.com/categoria/podcast/fora-do-eden/feed/

Categorias: Fora do Éden,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,,

  • Alexandre Ferreira Santos

    Salve!

    Então, acho que é interessante olhar a Igreja Nacional da China sobre a perspectiva da continuidade também. Não é que a revolução comunista maquiavelicamente foi lá e criou uma igreja, mas, sim, ela submeteu as autoridades eclesiásticas locais ao partido.

    Claro, isso deixou o cristianismo de mãos amarradas e conforme alguns bispos foram se alinhando à ditadura outros, com sua comunidade, foram se tornando uma igreja clandestina, porque oposta ao sistema. O impasse da I.C.A.R. com a I.C.N.C. é que esta segunda tem sucessão apostólica também, então, mesmo que parte da I.C.A.R. seja hoje clandestina da China a I.C.N.C. não pode ser simplesmente vista como outra igreja.

    Com a abertura cada vez maior do governo chinês já se fala no retorno da I.C.N.C. à comunhão com Roma, o problema maior hoje está na igreja clandestina que não aceita. E o argumento é simples (e na minha opinião bastante válido): Como assim o catolicismo vai voltar a ser aceito na China na continuidade do governo que está aí? E os tempos de perseguição vão ser varridos pra debaixo do tapete?

    As questões são: O que é pior, continuar sendo perseguido ou negar as atrocidades? O governo da China é o mesmo desde a proclamação da República Popular ou o panorama hoje é outro? Existe uma real perspectiva de liberdade religiosa e isso significa que o Estado não exercerá poder algum sobre as instituições?

    Abraço a todos!

    • Que massa mano! Quando não participa gravando com a gente, vem e contribui aqui nos comentários.

      Abraços!

  • Welber Martins

    Muito bom o podcast. Só não gostei dos caras tentando desqualificar os ouvintes. Esquece que esse podcast tem mantenedores.

    • Rogério Moreira Júnior

      Hum… como assim mano? Sobre a desqualificação?

  • Bianca Almeida

    “porque meu povo se perde por falta de conhecimento Oseias 6:4”. Não tem outra explicação, algumas pessoas caem em algumas desgraças a toa, estou chocada com o pastor do “líquido sagrado” que medo disso!

    • Rogério Moreira Júnior

      Poisé, esse mundo das seitas é bem maluco.

      Valeu pelo comentário!