Contraponto 016 – A influência dos anos 80

 

Não basta apenas identificar as referências numa série de tevê, num filme ou música. A influência dos anos 80 vai muito além disso, não à toa, é considerada por alguns – geralmente os que viveram a década – como a melhor de todas.

Abner Melanias convida Rafael Burita (Dna Rubro Negro e Salada Cult) e Bruno Guedão (Salada Cult)) para discutirem sobre essa década que, ainda hoje, influencia a cultura pop.

CLUBE DO CONTRA: https://goo.gl/erwUEl

Arte por Caio Duarte

Assine o feed do CONTRAPONTO: novo podcast da família Bibotalk, clique aqui!


Categorias: Contraponto,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,,

  • Cecília

    1, 2, 3, comentei!!! (DSCLP). Nossa, q orgulho ter vivido a década de 80, ser da geração X. Muitos dizem q foi a década perdida, mas pra mim a década perdida foi a de 90. Nos anos 80 todo mundo ouvia tudo, vestia tudo, sem preconceito. Todos frequentavam os mesmos lugares e sem esse monte de rótulos que temos hoje. Ninguém ligava se estava ouvindo pop, pop rock, punk, pós-punk, não importava. Q emoção abrir o jornal encontrar um flyer gigante do show q eu tanto queria ver. E pra mim, um dos meios de comunicação mais importante era o rádio, o q hoje, acho insuportável. Em relação ao cinema os mais marcantes pra mim foram P

    • WOW…. Obrigado @disqus_gOVfR5cCzi:disqus por esse comentário incrivelmente datado. E isso é ótimo.
      Dá uma vontade de voltar e viver tudo de novo.

  • Nasci nessa década, mas vivi mesmo na seguinte, porém como vocês comentaram, tudo repetia na sessão da tarde, então muitas das minhas referências de vida vieram dessa época…

    Muito bom relembrar de tudo o que vocês falaram no episódio

  • Nasci na década de 80, e acho que fui uma década marcante por ser a última sem internet. Como as pessoas consumia conteúdo conforme era disponibilizado na TV, um filme ou serie atingia um grupo maior de pessoas, fazendo com que determinado conteúdo caísse no gosto popular com mais facilidade. Hoje em dia as pessoas consomem tudo por demanda, então as pessoas tem muito mais alternativas, fazendo com que o gosto das pessoas sejam muito mais diversificados.

    • Concordo contigo @disqus_WHHPvT1H6X:disqus quanto mais alternativas temos, mais teremos que melhor nossos filtros para consumo.

  • Adriano Quadros

    Abner,
    Já Assistiu a Greenleaf?
    Acredito ser um Bom Tema para o Contra Ponto, as Mega Igrejas, suas monarquias, seus Status e modo de operar, assim como a Vida Espiritual das lideranças e como isso afeta a Saúde da Igreja Local e do Reino de Deus como um todo!
    Fica a Dica.

    • Fala @adriano_quadros:disqus
      Já assisti “Greenleaf” sim… eu ainda não sei como abordar no Contraponto, mas estou pensando num artigo aqui no BT/Contraponto.

  • Petherson Costa

    Amigos, o link do arquivo zipado está com o endereço de download do episódio anterior.

    • Valeu @petherson_costa:disqus vou arrumar isso agora.
      Obrigado.

  • Rafael Paiva da Silva

    Anos 80: sem internet, 6 canais de televisão, uma tv por domicílio (só se jogava videogame quando o pai não estava assistindo ao jornal), e jogos que não podiam serem salvos, ou você “zerava” ou tinha que começar tudo de novo.
    Eu assistia muito os filmes do Jean Claude Van Damme, um clássico é o Grande Dragão Branco, e os filmes do Batman. Penso que Stranger Things é muito inspirado em Arquivo X, que é da década de 90.

    • Compartilho dessa mesma impressão @rafaelpaivadasilva:disqus “Stranger Things” bebe de X-Files sem dó, rs

  • André Lopes

    O mais engraçado sobre os anos 80 é que até um tempo atrás todo mundo se envergonhava do que tinha feito nessa época: corte de cabelo, roupas, cores, estética em geral… se você procurar bandas de heavy metal dos anos 80 é de chorar… mas teve muito coisa boa e interessante (que são as partes que estão voltado ou que são retratadas com saudosismo).

    • Pois é @disqus_3fy7gYByy6:disqus tem uma galera que, ainda hoje, odeia essa década…rs