Áudiopost 007b – Contextualização: Forma x Conteúdo?

 

E aí galera! Enfim a segunda parte do Áudiopost com Pr. Vitor Hugo Schell está no ar. Nesta continuação do papo que começamos aqui vamos falar das consequências e implicações do estudo das formas literárias no Novo Testamento para a pregação, missão, liturgia, enfim para a vida da Igreja Cristã.

Liturgias, costumes e tradições são tão ruins assim? É possível uma forma neutra de se pregar o Evangelho? Existem formas que simplesmente não comunicam a Palavra? Quais os limites e possibilidades da contextualização. Ouça, reflita, deixe seu comentário e faça diferença no seu testemunho diário do Senhor Jesus!

Para ouvir mais áudio posts, clique aqui!

Siga-nos no twitter @bibotalk  @Mac_Mau   @stahlhoefer

Curta nossa FanPage www.facebook.com/bibotalk

Assine o feed http://feeds.feedburner.com/bibocast

Se você curtiu o áudiopost e quiser aprofundar seus conhecimentos, recomendamos as seguintes obras:Compre através do link do BiboTalk, e assim você pode nos ajudar!

 

Ouça no PLAYER abaixo ou clique em DOWNLOAD para baixar (clique com o botão direito do mouse e escolha a opção Salvar Destino Como, ou Salvar Link) Arquivo MP3!

Versão zipada, clique aqui!

Categorias: BTCurtas,Podcast

Tags: ,,,,,,,,,

  • Tenho todos os Podcast em meu pc. Assuntos com o do AT me chama muito atenção.Essa abordagem sobre contextualização e etc é muito necessário.Baixando.

  • A voz do Vitor Hugo Schell me lembra muito a voz do Lucian Benigno (https://www.facebook.com/lucianbenigno?fref=ts)

  • Acredito que as coisas se tornariam mais fáceis se pelo menos o mínimo do que foi falado aqui fosse falado a nós no início da nossa caminha no evangelho.São muitos que Chegam em uma certa comunidade e se deparam com algo novo e essa esfera se difere em muito do mundo onde vivíamos. A Partir dai aprendemos Que esse modelo é único e imutável e fixar isso em nossa vida é prioritário,por isso o olhar de diferença para demais formas.
    Lembro que o evangelho chegou até a minha pessoa de um modo diferente da própria igreja onde me congregava.Formas não são Modelos para Salvação,mas a preocupação é de como elas podem distanciar aqueles que da Salvação precisa.
    Depois comento mais.Abraços!

    • Alex

      Sensacional mano…
      Fale mais da sua experiência, acho q pode contribuir pro aprendizado de outros.
      Abraço

    • Vítor Schell

      Como meu primeiro crítico só posso dizer: em alguns momentos disparei a falar – repetindo, repetindo…! Como consolo barato serve o ditado que a “repetição é a mãe da sabedoria”!

      • Alex

        hahahah normal! na próxima fica melhor.
        Bem-vindo ao blog, e quem sabe surgem perguntas dos ouvintes por aqui…

  • João

    Mais uma evidência de que temos grandes conhecedores da palavra e da missão. Muito inspiradoras as lições que recebemos do pastor Vitor, de que nossa vida deve ser baseada na palavra e também em costumes, tradições e dogmas.

    Lembro-me agora de ter lido em um blog uma pesada crítica a uma celebração com o altar sendo substituído por uma escrivaninha, a vela por um abajur de lojinhas de 1,99 e o padre e ministros sem vestimentas adequadas. Por mais humilde que seja a cidade onde se faz peregrinação, sempre é possível encontrar uma igreja com material e ambiente adequados para a celebração eucarística ou da palavra. Ao menos nesta cidade, que não me lembro qual, existia tudo isso.

    Por mais que tenhamos centenas de igrejas protestantes pelo Brasil, que praticam também um culto com pouca paramentação e aversão a imagens, acho que devemos atentar para o que é tradicional na fé cristã. O que é pior, o uso de imagens ou a falta de comprometimento com a tradição? Longe de mim acusar a igreja protestante de falta de comprometimento, com bem disse o querido pastor cada lugar pode ter diferentes formas de manifestar a união cristã, e as igrejas protestantes seguem um bom caminho quando mantém adornos e mobília adequados à celebração e culto da palavra do Senhor.

    Por ser católico eu não vejo qualquer problema com imagens desde que não haja idolatria, e mesmo que tenha achado a crítica um tanto exagerada (os comentário beiravam a agressão), na minha opinião a manifestação da fé e a união da comunidade com a postura ideal de linguagem (seja na pregação, seja na homilia, na música e até mesmo nos avisos) é mais firme e resistente à divagação e o pouco caso que algumas pessoas fazem das celebrações.

    Muito obrigado a todos por mais esse episódio! Deus os abençoe.

    • Alex

      Muito obrigado pelo longo comentário João.
      Fico feliz que você como católico tenha vindo pra expressar sua posição teológica, me alegro muito.
      Abraço

  • Excelente…

  • Muito bacana as observações do Pr. Vitor! Conteúdo especial: Respeito e Unidade na vida em e como Igreja! Como diria o Milhoranza: “Sensacional”!