Quando um pastor comete suicídio

Outro pastor cometeu suicídio. Mas desta vez, ele era meu amigo íntimo. E assim continuo me perguntando: como faço para entender isso?

Afinal, esse pastor experiente não era um falso Saul (1 Samuel 31: 4). Ele era um crente genuíno cuja vida deu muito fruto. Ele não era um Judas cheio de culpa (Mt 27: 5). Ele amava a Jesus e entendia a expiação de Cristo; ele tinha uma teologia sólida. Nem parece que ele estava fugindo do escândalo.

Então, como posso entender essa tragédia chocante? No último mês, refleti sobre o suicídio de meu amigo lembrando-me das seguintes realidades – boas e ruins. Talvez elas sejam úteis para você, caso você se encontre em uma situação semelhante.

SATANÁS

Não podemos ignorar o fato de que nosso “adversário, o diabo, anda em derredor, como leão que ruge, buscando alguém para devorar” (1 Pe 5: 8). Existe uma coisa como um estado de guerra espiritual. Seres planejados, invisíveis e malignos nos atacam constantemente, falando mentiras e buscando qualquer lapso em nossa armadura para plantar dúvidas e acusações que possam nos tentar afastar de nosso Senhor.

Pastores são os principais alvos dos demônios. Satanás estava envolvido nessas trevas destrutivas? Sem dúvida. Mas parar aqui e dizer que o Diabo e o Diabo sozinho fizeram meu amigo fazer isso? Isso é simplista demais.

CIRCUNSTÂNCIAS

Como você pode imaginar, algumas circunstâncias difíceis desempenharam um papel no meu pastor-amigo tirando a própria vida.

Neste caso, ele trabalhou duro por anos fazendo evangelismo e discipulado e pregação e administração e hospitalidade – e sua pequena igreja encolheu. Ele assumiu outros empregos para sustentar sua família. O conflito relacional começou a engolir sua equipe ministerial. Eventualmente, a igreja diminuiu para menos de dez pessoas e ele saiu – abatido e desanimado, sentindo-se um maltratado e um fracassado de meia-idade.

Após a sua partida, vender sua casa tornou-se um incômodo incomum. Seu filho quebrou o braço e seu novo papel em uma nova cidade – um pastor associado servindo a alguém mais jovem – parecia sal em um ferimento.

Nas palavras de Davi, as águas chegaram até o pescoço (Sl 69: 1).

Mas muitas pessoas passaram por dificuldades ainda maiores e não sucumbiram ao desespero. Portanto, a morte do meu amigo não pode ser atribuída inteiramente a suas tristes circunstâncias.

DOENÇA

Como você poderia esperar, meu querido amigo tinha um histórico de tratamento médico para depressão. Ainda sabemos muito pouco cientificamente sobre o cérebro. Mas teologicamente, sempre soubemos que somos almas enfadonhas (Gn 2: 7). Deus nos fez com corpos, ele próprio tomou corpo e prometeu um dia elevar e glorificar nossos corpos. Em outras palavras, quem somos está ligado à matéria física – proteínas e prótons.

No processo de encontrar um novo médico, meu amigo começou uma dose diferente de medicação. Mas em vez de ajudar, isso bagunçou sua cabeça. Ele não conseguia pensar direito. Algo simplesmente não estava certo em sua química cerebral. Você já foi privado de sono ou fortemente drogado ou seriamente doente ou com alguma disfunção hormonal e não sentiu em seu perfeito juízo? Isso estava acontecendo com meu amigo.

Essa explicação nos ajuda, mas não satisfaz plenamente. Não é como se ele tivesse morrido de câncer ou alguma outra deficiência médica. Ele tomou a decisão de se matar.

PECADO

Devemos considerar Satanás, circunstâncias e doenças. Mas também devemos entender que a escolha fatal do meu amigo foi um pecado pelo qual ele é culpado. Suicídio é auto-assassinato; é uma violação do sexto mandamento. É um ato egoísta que magoa muitos.

Meu querido irmão-pastor deixou para trás uma viúva de coração partido e três crianças confusas. Ele abandonou sua igreja. Naquele momento final de escuridão, ele não confiou em Deus e tomou o assunto em suas próprias mãos. Ele teve um lapso de fé e cedeu à amargura e desesperança.

O suicídio nunca é uma solução justificável ou desculpável – não importa quão grande seja a tentação, a gravidade da situação ou a gravidade da condição. Meu amigo não só fez uma má escolha, ele pecou gravemente contra Deus e os outros.

SALVAÇÃO

O pecado do suicídio significa que esse amado pastor não pode ser salvo? Não. O pecado é inconsistente em ser um crente nascido de novo. E, no entanto, todos nós estamos cheios de inconsistências e de pecado (ou seja, 1 João 2: 1). Mesmo grandes líderes espirituais fracassam miseravelmente e cometem males horríveis. Considere o rei Davi que cometeu assassinato e adultério.

Mas Davi se arrependeu (Sal. 51) – e meu amigo provavelmente não se arrependeu. Afinal, quando alguém comete suicídio, raramente há tempo suficiente.

É aqui que a compreensão protestante da justificação pela fé é tão crítica. Estamos inseparavelmente unidos a Cristo pela graça através de nossa fé muitas vezes vacilante – não através de nossas obras. Com a nossa conversão, a obra de Cristo torna-se irrevogavelmente nossa: sua morte paga inteiramente por todos os nossos pecados passados, presentes e futuros; Sua vida única de fidelidade absoluta é completamente creditada a nós e nos veste. Em outras palavras, para os cristãos, o veredicto de Deus sobre o tempo do fim já foi irreversivelmente proferido e declarado sobre nós – JUSTO, diz ele, embora permaneçamos pecadores, mesmo que não peçamos perdão após cada pecado específico.

SOBERANIA

Quando alguém comete suicídio, uma única razão raramente explica isso. Muitas vezes, é o resultado de muitos fatores complexos em um mundo decadente. Biblicamente e teologicamente essas categorias acima mencionadas devem nos ajudar a evitar respostas simplistas, ao mesmo tempo em que nos movem em direção a alguma aparência de compreensão.

E ainda assim, no final do dia, ainda não faz sentido. Por que um inimigo derrotado como Satanás ainda causa tal destruição? Por que, se Cristo está construindo sua igreja, as circunstâncias da vida e do ministério de meu amigo são tão difíceis? Por que os médicos não podem tratar sua doença? Por que Deus não o curou? E como alguém que de outra forma seria tão sensato e altruísta faria algo tão estúpido e pecaminoso?

Temos tantas perguntas sem respostas porque não somos Deus, e as coisas secretas pertencem somente a ele (Dt 29:29). Não podemos compreender plenamente seus caminhos inescrutáveis ​​(Rom. 11:33). Cada um dos nossos dias – incluindo o último – foi escrito no livro de Deus desde antes de nascermos (Sl 139: 16), o que significa que, de alguma forma, essa coisa terrível ocorreu de acordo com o bom plano de Deus.

Eu luto profundamente com tudo isso. Eu não entendo muito. Não faz sentido para mim. E, finalmente, só posso confiar em Deus.

Afinal, se ele não está orquestrando tudo de acordo com seu plano misterioso, mas sábio e bom, então nosso mundo é totalmente sem sentido e sem esperança. Mas a morte horrível de Cristo em cumprimento das Escrituras (1 Coríntios 15: 3) – seguida por sua ressurreição vitoriosa e retorno prometido – me dá uma boa razão para descansar em sua soberania mesmo em meio a essa situação dolorosa e desconcertante.

Por Nathan Carter. © 9Marks. Original: When A Pastor Commits Suicide .Traduzido com permissão.

Traduzido por Ramon Rios

Revisado por Leonardo Maraga

Assista também este vídeo sobre o assunto:

Categorias: 9Marcas,Blog,Reflexões,Textos

Tags: ,,,,,